Na base da canetada

Impor restrições ao transporte individual só faz sentido em cidades que oferecem opcionalmente um transporte coletivo eficiente e confortável

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 07/07/2012 15:55 Boris Feldman /Estado de Minas

Existem várias alternativas para reduzir o congestionamento e a poluição no Centro da cidade. O pedágio urbano é uma delas: o veículo só entra na área central pagando uma taxa. Foi o plano estabelecido em Londres, em 2003, para desestimular o tráfego na região central e ampliar o uso de coletivos.


Outra opção (adotada em São Paulo) é o rodízio de automóveis: cada dia da semana se proíbe a circulação dos carros com determinado final de placa. A medida foi criada em 1995 sob o pretexto de baixar a poluição. Entretanto, dois anos depois, o foco mudou: o rodízio deixou de ser durante todo o dia e foi abreviado para três horas na manhã e outras três à tarde no sentido de reduzir congestionamentos. Os níveis de poluição (ozônio e poeira) se estabilizaram, mas em níveis elevados. Até porque muitos proprietários de automóveis compraram carros velhos e baratos (e extremamente poluidores) para circular no dia da proibição.


E o rodízio também de pouco adiantou para descongestionar o tráfego, pois o aumento da frota compensou os carros retirados de circulação. Há cerca de dois anos, os especialistas chegaram a sugerir uma extensão do rodízio para dois dias da semana. (Um raciocínio que levaria, a longo prazo e com o constante aumento da frota, a permitir a circulação do carro apenas um dia útil da semana...)


Além do rodízio, já considerado ultrapassado e ineficiente, as autoridades de trânsito de São Paulo imaginaram, no ano passado, estabelecer o pedágio urbano nos mesmos moldes que o de Londres. Mas, impor restrições ao transporte individual só faz sentido em cidades (como as do Primeiro Mundo) que oferecem opcionalmente um transporte coletivo eficiente e confortável, seja o trem, metrô ou ônibus. No Brasil, o motorista é instado a deixar o carro na garagem. Mas como vai para seu local de trabalho com um mínimo de conforto e eficiência?


Outra modalidade inteligente de reduzir os índices de poluição urbana é a adoção de zonas de restrição para veículos com elevado teor de emissões. Quase duzentas cidades na Europa já proíbem o tráfego de veículos em zonas centrais se não ostentarem no para-brisa um selo que os classificam como de baixa emissão de gases poluentes. São medidas que desagradam à população ao serem estabelecidas, mas que acabam gerando simpatia quando se divulgam seus resultados positivos.


Implantar o rodízio é fácil, basta uma canetada do prefeito. Mas cidades administradas por governantes competentes nem precisam dessa punição ao motorista, pois oferecem opções decentes de transporte público. Além do mais, é uma solução que –  a longo prazo – não resolve os problemas de congestionamento nem de poluição.

Encontre seu veículo

Outros artigos

ver todas
24 de agosto de 2014
26 de dezembro de 2013
23 de dezembro de 2013
04 de novembro de 2013
21 de setembro de 2013

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação