Tiro pela culatra

Ao eliminar a palavra planejamento de seu dicionário, o governo brasileiro provocou um verdadeiro caos energético

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 13/10/2012 12:18 Boris Feldman /Estado de Minas
Vocês se lembram do auê feito pelo governo federal ao lançar o biodiesel? Que o Brasil, além do álcool, estava desenvolvendo também um combustível renovável para substituir o diesel? E que a ambiciosa meta do governo Lula era adicioná-lo ao diesel na proporção de 20% até 2020?

Poucos estados oferecem o etanol a preço competitivo e seu consumo no país caiu 34% nos dois últimos anos, enquanto o de gasolina e diesel dispararam no mesmo período. A rejeição do combustível da cana vem de sua origem: os usineiros não o produzem, pois seu preço na bomba está limitado em 70% da gasolina, que não aumenta porque o governo não deixa, preocupado com a inflação. E o dono do carro flex rejeita o etanol no tanque.

O biodiesel está sendo adicionado atualmente na proporção de 5% ao diesel. Seus produtores pressionam o governo para elevar o percentual para 10% pois sua capacidade de produção é ainda maior do que a utilizada. Mas o problema é seu preço: quando foi lançado, uma de suas vantagens era ser produzido a partir de diversas matérias-primas, como gordura animal, mamona, pinhão, girassol, algodão, palma e outras. Mas não foi o que ocorreu, pois 80% do biodiesel é produzido a partir da soja. Exatamente a ideia que havia sido bastante criticada na época: desviar um alimento para obter combustível. A capacidade produtiva do biodiesel supera as exigências atuais, mas tornou-se inviável economicamente, pois o preço da soja disparou no mercado mundial em função da seca, que prejudicou sua produção nos EUA. Dizem os analistas que tão cedo sua cotação não volta aos patamares anteriores. O resultado é que hoje, feitas as contas, um litro de biodiesel custa quase o dobro do diesel e sua adição só se justifica por ser uma determinação legal.

Em resumo, o governo do Lula rufou tambores ao anunciar a independência energética do país, as alternativas ao petróleo, o incentivo ao cultivo da terra, a fixação do homem no campo. E ainda correu mundo alardeando o etanol e fechando contratos para exportá-lo. Mas, como planejamento é uma palavra em desuso no dicionário do governo federal, não se registrou maior oferta de combustíveis, sejam os fósseis, sejam os renováveis.

Um triplo tiro pela culatra, pois caiu a demanda do etanol. Mas, mesmo assim, temos que importá-lo por falta de produção e a gasolina e o diesel, com volumes crescentes de consumo doméstico, também obrigam a Petrobras a adquiri-los nos mercados internacionais. Finalmente, o biodiesel se tornou caro, pois é produzido quase que exclusivamente com a soja, ao contrário do anunciado pelo governo à época em que lançou o programa.
Esse é o caos energético do país, uma legítima herança do governo Lula, que se tornou quase impossível de ser administrado pela presidente Dilma.
Encontre seu veículo

Outros artigos

ver todas
24 de agosto de 2014
26 de dezembro de 2013
23 de dezembro de 2013
04 de novembro de 2013
21 de setembro de 2013

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação