Papo de roda

Carro para ricólogo

Híbridos e elétricos são ainda mais complicados no Brasil pela falta de incentivo governamental

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 10/11/2012 16:38 / atualizado em 12/11/2012 17:00 Boris Feldman /Estado de Minas
“Quando é que o carro elétrico estará a venda?”

Essa foi uma das perguntas que mais ouvi no Salão do Automóvel de São Paulo, pois os elétricos e híbridos chamavam a atenção do público que admirava, extasiado, vários modelos com um conjunto de baterias no lugar do tanque.

Mas é solução a longo prazo que, por enquanto, só atende a usuários especiais. Os motores convencionais, de combustão interna, ainda estarão sob o capô durante décadas, mas o futuro é elétrico. Resposta da engenharia ao desafio de substituir o combustível fóssil, que, mais dia menos dia, se esgotará. Noves fora a exigência do veículo limpo, sem emissões de gases.

O híbrido é a transição entre a combustão e a eletricidade, pois se utiliza de ambos. Tanto que já rodam mais de quatro milhões deles pelo mundo. Mas é caro, pois exige dois motores para tracioná-lo.

Autonomia e geração de energia elétrica são os dois principais obstáculos para viabilizar o carro elétrico. O primeiro já pôs milhares de engenheiros pesquisando baterias mais leves e eficientes que as atuais, que entregam os pontos antes dos 200 quilômetros rodados. O segundo é ainda mais complexo, pois para recarregá-la vai uma carga elétrica idêntica ao consumo de um bom apartamento ou uma pequena casa. Apagão à vista, pois a cidade que tiver um carro elétrico em cada moradia terá a demanda de eletricidade dobrada. Ainda pior na Europa, pois boa parte da energia elétrica é produzida por usinas a diesel e carvão.

Outro problema complicado é a recarga individual. Onde e como? A ideia é ligar o carro na tomada à noite. Mas tem tomada na garagem? E quantas casas e apartamentos pelo mundo não dispõem de garagem? Um engenheiro israelense bolou um sistema (a empresa que o desenvolve é a Better Place) em que a bateria descarregada é rapidamente substituída por outra, no posto. A Renault adotou a ideia, mas ainda tem muito chão pela frente até que a operação entre nos eixos.

No Brasil, a solução ainda é mais complicada, pois, ao contrário de países do Primeiro Mundo, ainda não foi contemplada com nenhum incentivo fiscal. O governo diz que só reduzirá os tributos de híbridos e elétricos diante da perspectiva de serem produzidos no país. Nos Estados Unidos, Europa e Japão, ambos contam com subsídio governamental de US$ 5 mil a US$ 7,5 mil. E mesmo assim o carro ainda é mais caro que o convencional.

Temos dois híbridos no nosso mercado, o Ford Fusion (já à venda) e o Toyota Prius, que será comercializado em 2013. Ambos por cerca de R$ 120 mil, o que limitará sua venda ao
Encontre seu veículo

Outros artigos

ver todas
24 de agosto de 2014
26 de dezembro de 2013
23 de dezembro de 2013
04 de novembro de 2013
21 de setembro de 2013

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação