Boris Feldman

Papo de Roda - Por que é tão caro?

Comparar preços de automóveis no Brasil com outros países sem considerar custos e carga tributária sempre leva a conclusões disparatadas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 15/12/2012 18:20 Boris Feldman /Estado de Minas
Um dos pratos preferidos da imprensa brasileira é criticar o preço dos nossos automóveis. Que são os mais caros do mundo, o lucro das fábricas no Brasil é estratosférico, o carro produzido aqui e exportado para o México custa lá a metade, o modelo importado dos EUA é tabelado aqui pelo triplo e outros comparativos do gênero.

Até a revista norte-americana Forbes entrou nessa e ridicularizou o consumidor brasileiro ao descobrir que a mesma Cherokee vendida nos EUA por pouco mais de US$ 20 mil é faturada no Brasil por quase US$ 80 mil.

É muito fácil acusar as fábricas instaladas no Brasil de gananciosas e atribuir ao lucro exagerado o elevado preço dos modelos nacionais e importados. Entretanto, além da rentabilidade na operação, os impostos federais e estaduais ficam com a maior parte do cheque do freguês. E tem também o famoso “Custo Brasil”, que onera significativamente o preço do automóvel. Exemplo? O custo da energia elétrica na Europa é 40% menor que o nosso; no México, é a metade; e na Argentina é 60% menos. Frete de um automóvel? A Renault paga R$ 0,50 por quilômetro para levar um carro da Romênia a Paris (2 mil quilômetros) e o transporte leva 30 dias. No Brasil, o frete custa o dobro (R$ 1) e demora 60 dias.

No caso dos importados, para trazer um automóvel que custa US$ 10 mil na origem, pagam-se quase 150% (US$ 15 mil) de impostos de importação, IPI, ICMS, PIS/Pasep, Cofins e outros. Mais despesas de transporte, portos, seguro, capatazia, transporte terrestre, etc.. Está explicado por que o carro chega aqui por US$ 30 mil?

Sérgio Habib, um dos mais brilhantes empresários brasileiros do setor, montou recentemente uma curiosa tabela comparando preços de sanduíche McDonald’s, calça jeans, televisão e revista no Brasil, EUA, Coreia, Japão e Alemanha. Mesmo com a nossa moeda valorizada (ela já chegou a valer a metade em relação ao dólar) e impostos entre os maiores do mundo, o mesmo Toyota Corolla custa mais que o nosso em alguns desses países. Resumo da ópera: não é só o automóvel, tudo aqui é mais caro...

Comparar tabelas de preços de automóveis no Brasil com outros países sem considerar custos e carga tributária (como fez a revista Forbes) sempre leva a conclusões disparatadas, pois coloca-se frente a frente um brasileiro (que paga quase 50% de impostos) com um norte-americano (8% de impostos, em média). A comparação de um importado do México (Fusion, por exemplo) com o mesmo modelo na Europa (ele é chamado lá de Mondeo), leva à conclusão de que se paga aqui apenas 20% mais que lá. Se a nossa pesada carga tributária for excluída, ele já seria mais barato no Brasil... noves fora a nossa moeda supervalorizada.
Encontre seu veículo

Outros artigos

ver todas
24 de agosto de 2014
26 de dezembro de 2013
23 de dezembro de 2013
04 de novembro de 2013
21 de setembro de 2013

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação