Papo de Roda - Salve-se quem puder

A exigência legal de que um carro tenha freios e suspensão também redimensionados para que o motor seja repotenciado soa como piada no Brasil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 26/01/2013 15:55 Boris Feldman /Estado de Minas
Experimente o prezado entrar numa loja de acessórios na Europa e adquirir um chip ou turbina para aumentar a potência do motor. Ela vende, mas não entrega no balcão: só direto na oficina  – sob responsabilidade de um engenheiro – onde estiver o automóvel, pois o governo exige que o repotenciamento seja acompanhado de uma adequação na suspensão e freios. Essa exigência soa como piada aqui no Brasil, onde se vende, sem controle (e até por algumas concessionárias), chips, turbos e outros equipamentos para endiabrar o carro.

Quando o assunto é segurança no trânsito, o Brasil é o país do salve-se quem puder. O governo até finge que se preocupa com o tema e promove a Semana da Segurança no Trânsito. Coerente: se alguma atenção é voltada para o assunto, é no máximo durante uma semana por ano...

Nossos nobres deputados e senadores, por exemplo, jamais votaram uma lei relacionada à segurança que não tenha sido por interesse de lobistas a serviço de poderosas empresas de olho nos milhões que vão faturar com o equipamento. Foi exatamente assim a aprovação da lei que tornou obrigatório o airbag. Ninguém discute sua importância, mas como explicar então que outros equipamentos igualmente relevantes para a segurança, mas de pequeno valor e sem interesse ($$$) de montadoras e fornecedores, jamais foram objeto de preocupação dos parlamentares?

É rara, no país, a fiscalização de equipamentos não homologados (ou proibidos). Faróis de xênon, por exemplo, só podem ser utilizados em automóveis equipados com eles na linha de montagem. Caso contrário, tornam-se perigosos, pois ofuscam quem vem no sentido contrário. Mas continuam equipando ilegalmente milhares de automóveis.

Filmes que escurecem vidros devem obedecer a percentuais mínimos de transmitância luminosa. Mas quase não existem aparelhos próprios para verificar seu enquadramento na legislação, e mesmo muito mais escuros do que o permitido, continuam aplicados nas janelas, prejudicando a visibilidade do motorista. À noite e com chuva, quase nada se enxerga.

As telas de DVD só podem ser instaladas para os passageiros do banco traseiro. No painel frontal, só as que se desligam quando o motor é ligado. Alguém já teve que provar isso para algum policial?

O comércio independente oferece livremente toda a sorte de equipamentos, legais ou ilegais. Até porque o Brasil é dos poucos países em que não se exige a homologação nem a certificação de nenhum item colocado à venda no mercado de reposição. É só montar um fabriqueta de fundo de quintal, preparar uma embalagem bonitinha, oferecê-lo barato no comércio paralelo e dane-se a integridade do carro e seus ocupantes. Pode ser roda, fluido de freio ou barra de direção. Assim é que se lida com segurança no Brasil.
Encontre seu veículo

Outros artigos

ver todas
24 de agosto de 2014
26 de dezembro de 2013
23 de dezembro de 2013
04 de novembro de 2013
21 de setembro de 2013

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação