Papo de Roda - Por quem os sinos dobram?

Nos acidentes de trânsito, a cada dois dias se registra a mesma contabilidade de mortos na tragédia da boate de Santa Maria

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 02/02/2013 20:31 Boris Feldman /Estado de Minas
Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS
A presidente Dilma demonstrou sensibilidade ao cancelar seus compromissos internacionais e voar para Santa Maria (RS) horas depois da tragédia que abalou o país. E ficou emocionada ao se encontrar com amigos e familiares dos mais de 200 jovens que morreram no incêndio da boate.

Foi muito oportuno o comentário da jornalista Denise Rothenburg, nossa colega de jornal, num texto sobre o assunto. Ela observou que, recentemente, seu filho iria participar de uma excursão com a turma da escola. Ela entrou no ônibus para verificar seus dispositivos de segurança. Estrutura dos bancos, cintos, extintor de incêndio, saída de emergência etc. O motorista olhou enviesado para o monitor que acompanharia a turma como que a dizer: “O que esta doida está fazendo aí?”

Denise observou, com muita propriedade, que deveria haver mais “doidos” no Brasil. Mais gente preocupada com segurança e prevenção. Que agora, sempre depois do leite derramado, a legislação vai ficar mais rígida em locais fechados, como as boates. Mas a severidade da lei só se efetiva com a presença de fiscais “doidos” para exigir seu cumprimento.

A presidente Dilma chorou em Santa Maria. Mas nem ela nem nenhuma outra autoridade chora diante das 200 vidas que se perdem a cada dois dias no Brasil em acidentes de trânsito. É só fazer as contas: são 40 mil mortes por ano, mais de 100 por dia. É a mesma contabilidade macabra de um incêndio na Boate Kiss a cada dois dias, mas que já virou rotina e não sensibiliza mais ninguém.

O brasileiro não se preocupa com segurança, e quem o faz é “doido”. Outro dia, meu filho viajou num ônibus da Cometa de Belo Horizonte para o Rio de Janeiro. Antes da viagem, chamou o motorista, pois sua poltrona não tinha cinto de segurança. Ele disse que só passando na garagem da empresa para instalar o cinto ou trocar de ônibus. Outros passageiros protestaram e se ofereceram para ceder sua poltrona para o “doido” do meu filho. Para não “atrasar” a viagem. Ele negou e o motorista foi para a garagem substituir o ônibus por um com cintos em todas as poltronas.

Dezenas de ônibus se acidentam nas estradas e passageiros morrem porque são atirados para fora ou esmagados em seu interior. O mesmo no banco traseiro do automóvel que capota ou sofre um violento choque frontal. Mortes que poderiam ser evitadas com a utilização do cinto.

Mas, como acidente “só acontece com os outros”, nem o passageiro se preocupa nem tem fiscal “doido” para fazer cumprir a lei. E então, na boate ou na estrada, os sinos dobram por todos nós, pois “quando um homem morre, morremos todos, pois somos parte da humanidade”.
Encontre seu veículo

Outros artigos

ver todas
24 de agosto de 2014
26 de dezembro de 2013
23 de dezembro de 2013
04 de novembro de 2013
21 de setembro de 2013

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação