Papo de Roda - Japonesas "fazem a América" no Brasil...

Nos EUA, a Suzuki já anunciou estar deixando o país. A imprensa especula que a próxima é a Mitsubishi

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 16/02/2013 10:22 / atualizado em 16/02/2013 10:25 Boris Feldman /Estado de Minas

O mercado norte-americano é muito mais exigente e menos condescendente que o brasileiro. Seus mecanismos de proteção ao consumidor funcionam, os órgãos de segurança veicular são exigentes e o cidadão faz valer seus direitos, pois a Justiça é rápida e eficiente.


Não tem marca de automóvel que não queira uma fatia do bolo que vende mais de 10 milhões de unidades por ano. Mas a competição é osso duro de roer. Marca francesa, por exemplo, não tem vez na terra do Tio Sam: a Renault, única que tentou, deu com os burros n’água. A Volkswagen teve fábrica para vender o Golf, mas fez as malas e partiu. Retornou recentemente importando do México. A Alfa Romeo tentou, desistiu, e agora tem chances de retorno pois a Fiat comprou (aliás, “ganhou”...) a Chrysler.


Entre as japonesas, nem todas conseguiram “ fazer a América”: Subaru, Nissan, Toyota e Honda são fortes (Accord e Camry não saem da lista dos mais vendidos), mas Suzuki e Mitsubishi vivem um pesadelo por lá. Aliás, a Suzuki anunciou, no fim de 2012, estar deixando o país. Os números da Mitsubishi não levam a previsões otimistas: a marca chegou a vender 345 mil unidades nos EUA em 2002, mas entrou em queda livre e caiu para apenas 54 mil em 2009. Em todo o ano de 2012, o Lancer Sport (também importado para o Brasil), emplacou ridículas 702 unidades e conquistou o segundo lugar na lista dos piores em vendas. É considerado obsoleto e caro. Aliás, o primeiro da “lista negra” foi outro Mitsubishi, o elétrico i-MiEV com 588 unidades. A marca não consegue decolar e a imprensa suspeita de que sua permanência está por um triz, com volumes tão baixos de vendas. Mas seus executivos garantem o contrário.


No Brasil, ela e a Suzuki são representadas – coincidentemente – pelo mesmo grupo comandado por Eduardo Souza Ramos. Além de importador, tem em Goiás uma fábrica da Mitsubishi (Catalão) e constrói outra para a Suzuki (Itumbiara).

Recentemente o Banco BTG Pactual entrou como sócio minoritário em ambas as operações. Como o mercado brasileiro é menos exigente que o norte-americano, a Mitsubishi não passa aqui pelos mesmos problemas, apesar de vender (e fabricar) modelos também ultrapassados. Um dos principais motivos, segundo os especialistas norte-americanos, do fracasso da japonesa naquele mercado. E, assim como nos EUA, vários de seus concessionários deixam a desejar na qualidade da assistência técnica.


Talvez para desencalhar o i-MiEV dos EUA, a marca está desde o ano passado empenhada num grande trabalho institucional para emplacá-lo aqui e anunciou até a possibilidade de produzi-lo, caso o governo brasileiro conceda incentivos para veículos híbridos e elétricos. Cada país tem os políticos e os carros que merece...

Encontre seu veículo

Outros artigos

ver todas
24 de agosto de 2014
26 de dezembro de 2013
23 de dezembro de 2013
04 de novembro de 2013
21 de setembro de 2013

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação