Papo de Roda - 10 anos de flex: comemorar o quê?

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 30/03/2013 15:11 / atualizado em 30/03/2013 15:15 Boris Feldman /Estado de Minas

Lançado em 2003, o carro flex completa 10 anos sem muito a comemorar.

Por que flex? Porque o etanol faltou nos postos no fim da década de 1980, uma ducha de água fria no Proálcool, plano que levou quase 100% dos automóveis brasileiros a queimar só o combustível derivado da cana. O carro a álcool caiu em desgraça e deixou de ser fabricado na década de 1990.

A solução “quebra-galho” para convencer o brasileiro a voltar ao etanol foi o flex: se ele voltasse a faltar, era só encostar na bomba de gasolina. Vantagem que trouxe desvantagens a reboque.

Em primeiro lugar, o motor flex funciona com dois combustíveis, mas mal com ambos: a necessidade de ser flexível impediu que os engenheiros o desenvolvessem de forma a obter máxima eficiência energética. A desvantagem vai direto para o nosso bolso, pois o consumo do carro flex supera o dos modelos “pré-flex”, seja com gasolina ou com etanol.

Ainda não se resolveu satisfatoriamente também o problema da partida a frio, quando só tem etanol no tanque. O famigerado tanquinho de gasolina nem deveria ter existido: ou o carro é flex ou não é. Existe a alternativa de trocar o tanquinho pelo aquecimento do etanol, mas de custo elevado e só utilizada em alguns modelos sofisticados.

Outro problema do flex foi provocado pela política do governo em segurar o preço da gasolina para evitar a inflação. A Petrobras, estatal, assumiu o prejuízo. Mas o preço da gasolina limita também o do álcool, o que levou os usineiros a reduzir sua produção ou migrar para o açúcar.

E mais: o flex estimulou postos desonestos a aumentar o percentual de etanol na gasolina. O motor flex não reclama, pois foi projetado para isso e só se percebe a maracutaia quando a conta do consumo chega no bolso. Mas é problemão para quem tem carro a gasolina (nacionais mais idosos ou importados): seus motores suportam um máximo de 25% do etanol anidro e protestam com engasgos, espirros e oxidação de componentes com a parcela criminosa do álcool hidratado acrescentado na calada da noite.

Turbinar o motor flex é solução para torná-lo mais eficiente, porém de custo elevado. Mas a tendência mundial de reduzir a cilindrada dos motores (“downsizing”) incentivou a aplicação da turbina em maior escala, o que poderá reduzir seu custo e viabilizar sua aplicação nos motores flex.

Se o Brasil fosse um país sério, o caminho natural seria estimular a engenharia brasileira a desenvolver um motor a etanol tão (ou mais) eficiente quanto os melhores a gasolina do mundo e acabar com o engodo do flex. Mas, para isso, o governo brasileiro teria que retornar a palavra planejamento ao seu dicionário.

Encontre seu veículo

Outros artigos

ver todas
24 de agosto de 2014
26 de dezembro de 2013
23 de dezembro de 2013
04 de novembro de 2013
21 de setembro de 2013

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação