NCR MILLONA M16 - O sumo do sumo

Produzido artesanalmente e sob encomenda, modelo tem motor do tipo V4, com 200cv na roda e apenas 145kg de peso, por conta do emprego de matérias nobres, como titânio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 20/09/2010 19:36 Téo Mascarenhas /Estado de Minas
Fotos: NCR/Divulgação
Acompanhe também o VRUM pelo Twitter

Segundo os perfeccionistas, tudo pode ser melhorado, aperfeiçoado e desenvolvido. Mesmo que, aparentemente, seja quase um milagre. É o caso da motocicleta italiana NCR Millona M16. O modelo foi baseado na Ducati Desmosedici DD 16RR, que por sua vez é inspirada na Ducati de MotoGP. Ou seja, uma moto para disputar a competição mais rápida e tecnológica do planeta, equipada com parte elétrica e homologada para rodar na rua. A NCR topou o desafio e criou a Millona M16 como uma espécie de criatura que superou o criador, um modelo mais leve, mais potente e com ainda mais tecnologia e eletrônica embarcada.

A história da NCR é parecida com tantas outras do Norte da Itália. Uma pequena oficina, dirigida por apaixonados por motos, que desenvolvem seus modelos sem a preocupação com os conselhos dos economistas, que apregoam que a produção em larga escala viabiliza o negócio. Na contramão das recomendações, os três sócios fundaram em 1967, nos subúrbios de Bolonha, uma pequena mecânica de preparação de motos. Rino Caracchi, Giorgio Nepoti e Rizzi emprestaram as iniciais de seus nomes para batizar a empresa, que algum tempo depois perdeu Rizzi. Para não desfigurar a essência da marca, o erre de Rizzi foi devidamente substituído e batizado de Racing.

EXCLUSIVA A história de preparações da NCR para motos de competições ganhou força pelos expressivos resultados, inclusive com parceria com o astro e campeão Mike Hailwood. Outra parceria, que dura até hoje, é exatamente com a Ducati, que não por acaso está estabelecida em Borgo Panigale, região de Bolonha, Norte da Itália. Essa cooperação possibilitou a construção da NCR Millona M16, com motor Ducati. A construção, porém, diferentemente da Ducati, é totalmente artesanal. O requinte chega a tal ponto que a pequena fábrica é chamada de ateliê, já que os modelos são exclusivos e de alta performance, para clientes especiais.

A nova NCR Millona M16 foi apresentada durante o evento World Ducati Week, WDW, que reuniu fiéis seguidores da marca de todas as partes da Europa e do mundo, na tradicional pista de Misano, Norte da Itália, em 10 de junho. A produção é totalmente artesanal, com rígidos critérios de qualidade e somente sob encomenda, mas o preço não foi revelado. A conta, entretanto, fica extremamente salgada e indigesta, já que o modelo em que se baseia, a Ducati Desmosedici DD16RR, já é totalmente exclusiva e custa cerca de 70 mil euros (R$ 157 mil) na Europa. A NCR Millona M16, produzida com abuso de matérias nobres, mais que dobra a fatura.

TÉCNICA A NCR Millona M16 é construída em fibra de carbono, titânio e alumínio aeronáutico. Com tecnologia desenvolvida pela NCR, o quadro é em fibra de carbono, assim como o subquadro, tanque e também as rodas, com aros de 17 polegadas. Outros componentes, como carenagens e para-lamas, também são feitos com fibra de carbono. Já o escape, desenvolvido e produzido pela NCR, com saída alta sob a rabeta traseira, é de titânio, assim como o guidão e a tampa da embreagem, com sistema de antitravamento. O resultado é um peso de apenas 145kg a seco. Inferior até mesmo ao modelo de MotoGP, que beira os 150kg, por força do regulamento.

O motor é um V4, com 989cm³, equipado com injeção eletrônica e refrigeração líquida, que foi devidamente retrabalhado pela NCR. O propulsor desenvolve nada menos que 200CV, medidos na roda. Mais potente e leve do que a Desmosedici e equipado com três mapas de gerenciamento e telemetria, próprios da NCR. A suspensão dianteira é Ohlins, igual à usada nas pistas, com tubos de 43mm de diâmetro. A suspensão traseira é mono, também Ohlins, em balança com desenvolvimento exclusivo. O freio dianteiro tem dois discos de cerâmica, também de competição, com pinças Brembo monobloco de quatro pistãos. O freio traseiro tem 220mm de diâmetro e o câmbio, com peso aliviado, seis marchas.

O motor desta máquina rende nada menos do que 200cv de potência - O motor desta máquina rende nada menos do que 200cv de potência

Veículos

Encontre seu veículo

Ultimas Notícias

ver todas
04 de novembro de 2017
28 de outubro de 2017

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação