Na onda da madeira

Na década de 40, a Packard produziu uma perua no estilo wood, com formas arredondadas e eficiente motor 4.7 litros. Com duas fileiras de bancos e seis assentos, o veículo é puro charme

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 31/07/2007 14:15 Caderno de Veículos /Estado de Minas
Além dos detalhes cromados na frente, como a ave de asas grandes sobre o capô, modelo americano chama a atenção pelas molduras embutidas nas portas e janelas e pneus com faixa branca, comuns na época - Fotos: Goodind & Company/Reprodução Além dos detalhes cromados na frente, como a ave de asas grandes sobre o capô, modelo americano chama a atenção pelas molduras embutidas nas portas e janelas e pneus com faixa branca, comuns na época
O encontro de automóveis antigos de Pebble Beach, na Califórnia (EUA), realizado em agosto, sempre reserva surpresas agradáveis para os aficionados. Entre luxuosos modelos com originalidade cuidadosamente preservada é possível encontrar raridades de valores não tão exorbitantes. Na edição do ano passado, no leilão de carros antigos realizado durante o encontro, um carro chamou a atenção. Trata-se de um Packard 22ª Série station sedan, de 1948, que tem como principal característica o estilo wood.

Nos Estados Unidos, na década de 40, esse tipo de automóvel era muito comum. Os woods eram carros com carrocerias feitas em aço e madeira e o estilo foi difundido principalmente pela Ford e General Motors. Mas a Packard também investiu nesse segmento e, depois da Segunda Guerra Mundial, lançou uma perua de formas arredondadas e com molduras de madeira encravadas externamente na carroceria.

Era o Packard 22ª Série station sedan, um wood de linhas elegantes e extremamente espaçoso. Preservava o desenho do sedã básico da marca, mas foi alongado e ganhou os detalhes em madeira que lhe conferiram charme inquestionável. Lançado em 1948, era o mais caro dos modelos de entre-eixos curto da marca. Foram produzidas menos de 4 mil unidades da perua até 1949, quando saiu de linha.

Tampa traseira dividida em duas partes facilita acesso ao compartimento de bagagem, e no interior, destaque para o amplo espaço e acabamento de boa qualidade. Porta-malas tem proteção de madeira - Tampa traseira dividida em duas partes facilita acesso ao compartimento de bagagem, e no interior, destaque para o amplo espaço e acabamento de boa qualidade. Porta-malas tem proteção de madeira
Equipada com motor oito cilindros em linha, de 4.7 litros e 130hp de potência a 3.600rpm e câmbio manual de três marchas, a perua tinha bom desempenho. Embreagem elétrica era um dos opcionais do modelo, que não tinha lista extensa de equipamentos de série. A suspensão dianteira era independente e o sistema de freio, com tambores nas quatro rodas, não tinha assistência.

O principal atrativo da perua era o espaço interno. Com duas fileiras de bancos e seis assentos, o modelo tinha ainda ampla área para cargas. Mas com o banco traseiro embutido no assoalho, o espaço para bagagem ficava ainda maior.

O exemplar leiloado em Pebble Beach foi cuidadosamente restaurado, ganhando novas molduras de madeira e vidros. Foi classificado pelos especialistas como exemplo raro de wood e nem por isso teve preço de venda elevado. Estava cotado em US$ 75 mil (R$ 140 mil), que pode ser considerado pouco perto dos valores de alguns automóveis de luxo que por lá desfilaram.

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
20 de outubro de 2016
26 de agosto de 2016

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação