Mundo paralelo - Verdadeiro martelinho de ouro

Leilão movimentou R$ 51,3 milhões nas 27 Ferraris que foram vendidas em um único dia. Porém, raridades, como a 330 P4, avaliada em R$ 20,3 milhões, não teve comprador

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 23/05/2009 17:47 Daniel Camargos /Estado de Minas
Ferrari 250 Testa Rossa de 1957 - Fotos: Darin Schnabel/RM Auctions/Reuters Ferrari 250 Testa Rossa de 1957
O recorde quebrado este ano é 1,980 milhão de euros superior ao antigo, que também pertencia ao mesmo evento, quando uma Ferrari 250 GT SWB California Spyder 1961 foi vendida por 7,040 milhões de euros, no leilão de 2008.

Veja mais fotos das Ferraris!

Tanto dinheiro é justificado pelo histórico do modelo, com design no estilo "pontoom fender", referente às formas arredondadas dos para-lamas do belo carro de corrida preto, que foi produzido entre 1957 e 1958. Além da unidade leiloada, foram fabricadas outras 21, que ajudaram a fazer a fama da marca vencendo 10 das 19 corridas de que participou, entre 1958 e 1961.
Interior é típico de um carro produzido para competição, mas com requinte de uma Ferrari. Estilo pontoom dos para-lamas traseiros são a marca do design - Interior é típico de um carro produzido para competição, mas com requinte de uma Ferrari. Estilo pontoom dos para-lamas traseiros são a marca do design

Uma olhada rápida nos números da unidade da 250TR leiloada podem não dar a exata dimensão da magnitude do carro: motor V12 de 2.953 cm³ de cilindrada, de 300 cv a 7.200 rpm, câmbio de seis velocidades e entre-eixos de 2,35 metros. O que, entretanto, pode ser a razão de tantos milhões é a bela história. O modelo foi a quarta Ferrari Testa Rossa construída pela fábrica e teve como comprador o preparador de automóveis italiano Peiro Drogo, que também era piloto e competia, com frequência, em corridas na América do Sul. Assim que comprou o carro, fez alterações aerodinâmicas para melhorar a performance e participou dos mil quilômetros de Buenos Aires, na Argentina.

Em seguida, foi para Cuba, onde participou da tumultuada corrida em que Juan Manuel Fangio foi sequestrado pelos guerrilheiros de Fidel Castro, em 1958. Depois voltou à Europa, correu em provas de menor expressão, foi pintada de vermelho e vendida a um piloto do Texas, nos Estados Unidos. Na sequência, passou de mão em mão por diferentes locais, como Nova York, Washington, Japão, participou de corridas simbólicas, como a Mille Miglia, em 1995 e 1996, das corridas de Monterrey e Laguna Seca, além de shows e exposições ao redor do mundo.

Crise
O recorde pode passar a sensação de que a crise que aflige o mundo não afeta uma parcela dos milionários. Entretanto, junto com a 250TR de 1957 foram leiloadas outras 33 Ferraris e três Maseratis, mas nem todas foram negociadas. Seis Ferraris e as três Maseratis ficaram sem comprador. Entre elas, a Ferrari 330 P4, de 1967. O carro de corrida teve apenas três unidades construídas e também era um potencial recordista, pois tinha preço inicial de 7,25 milhões de euros (R$ 20,34 milhões), mas vai ter que aguardar tempos melhores por oferta tão boa.

No total, foram quase 18,285 milhões de euros (R$ 51,303 milhões) comercializados nos 27 modelos em um único dia. Compareceram à fábrica de Maranello cerca de mil pessoas, que além dos carros, compraram itens da história da marca, como uniformes de corrida, ferramentas e peças. Teve também passeio pela fábrica, com direito a muita festa e até test-drive em modelos da marca.

A segunda Ferrari mais cara leiloada foi a 250 GT Berlinetta Speciale Bertone, por 2,310 milhões de euros. Em terceiro ficou a 250 GT California, de 1959, por 2,117 milhões de euros. A pechincha do último domingo em Maranello foi uma Ferrari 330 GT 2 2, de 1965, por 60,5 mil euros. A mais velha foi a Ferrari 166 Inter Cupê, de 1949, vendida por 258,5 mil euros e o mais novo, o Maserati MC 12 Corsa 2008, não teve oferta.
Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
20 de outubro de 2016
26 de agosto de 2016

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação