Muscle Cars - Fim do barulho bom

Declínio dos carros equipados com motores V8 está ligado às tendências ambientais, mas deixa série de saudosistas do motorzão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/06/2009 17:38 Daniel Camargos /Estado de Minas
Lucy Nicholson/Reuters - 29/5/09
Já se foi o tempo em que o cara mais bacana da vizinhança era o dono do carro com o motor mais potente. Mas Carlos Magnus não pensa assim. Ele tem uma oficina de alinhamento e suspensão, entretanto, a paixão dele são os motores. Não qualquer tipo de propulsor. Os pistãos que batem mais forte nas veias de Carlos são os que movimentam as duas bancadas de quatro cilindros que, unidas na parte de baixo, formam um V, por isso chamados de V8. O motivo para a perda da popularidade dos motorzões coincide com o período que marca uma mudança da ordem do mercado mundial automotivo - General Motors e Chrysler com a falência decretada; indianos e chineses comprando marcas inglesas e norte-americanas; e uma série de alterações que balançam os eixos da hegemonia norte-americana, entre eles o declínio do imponente V8, que desde 2004 teve as vendas reduzidas em 24%, segundo levantamento da consultoria R. L. Polk.

Carlos aluga há quase duas décadas uma garagem para deixar seus três carros, todos equipados com o potente motor: dois Dodges, um Charger RT 1978 e um Le Baron 1980, além de um Chevrolet Impala 1971, que tem desde 1976, herdado do pai. "Posso dizer que nasci dentro de um V8. Sempre gostei desse tipo de carro, desde criança, fui vice-campeão mineiro de arrancada e não consigo pensar em carro sem um potente motor", explica Carlos. Para ele, os propulsores que equipam a maioria dos carros que rodam pela cidade, grande parte quatro cilindros, são "motorzinhos de dentista".
Carlos tem três Muscle Cars e não os troca pelos carros econômicos - Jackson Romanelli/EM/D.A Press - 17/6/09 Carlos tem três Muscle Cars e não os troca pelos carros econômicos

Mas são os "motorzinhos de dentista" que agradam a todos os setores que fazem pressão ambiental e clamam por propulsores menores, que apresentem índices reduzidos de consumo de combustível e de emissão de poluentes. O ideal é que usem combustíveis alternativos, derivados de vegetais ou movidos a eletricidade e outras fontes renováveis, que, geralmente, permitem uma explosão bem menor que o combustível fóssil e anulam o propósito inicial dos V8.

O conselheiro do Clube do Ford V8 do Brasil Hilton Lerner explica esse propósito, dizendo que V8 é sinônimo de muscle car. A expressão é usada para definir uma série de carros que foram sucesso no mercado norte-americano (e se espalhou pelo mundo) durante as décadas de 1960 e 1970 e tinham sob o capô o motor em forma de V, um tamanho pequeno para os padrões americanos e preço acessível para grande parte da população.

Lerner é um dos fundadores do clube e já o presidiu por três vezes. Ele fala com o gabarito de quem acabou de retornar de encontros de aficionados da marca nos EUA que na terra do Tio Sam a febre pelo motorzão ainda é grande. "O problema é que o valor do seguro para carros com motores V8 é muito alto, o que tem forçado muita gente a aderir ao V6, mas com a mesma potência dos V8", conta Lerner.

Essa tendência, aliás, é mundial e as últimas montadoras que mantêm os motores beberrões sabem que eles são um contrassenso em época em que o petróleo causa guerra. A BMW, por exemplo, anunciou na semana passada um novo motor de seis cilindros em linha, que deve aposentar gradualmente os atuais V8 da marca. O alvo dos alemães é melhorar a emissão de poluentes e reduzir o consumo. Lerner acredita que as novas tecnologias podem minimizar os danos ambientais, como o novo Ford Mustang com quatro catalizadores. Porém, ele mesmo reconhece que reduzir o consumo é uma questão mais complicada.

A Ford já havia anunciado que a partir de 2013 passará a usar apenas motores de quatro cilindros nos veículos de passeio. Só as picapes e o mítico Mustang continuarão com oito cilindros. A mudança já está em curso nos Estados Unidos, com motores de seis cilindros substituindo os de oito em vários modelos, recebendo o nome de "EcoBoost".

Leia também

Possuído por um V8

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
20 de outubro de 2016
26 de agosto de 2016

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação