Uniforme expedicionário

Jeep Willys feito durante a 2ª Guerra Mundial é reformado e caracterizado como um veículo da FEB. Para reunir acessórios militares, proprietário precisou garimpar muito

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 14/08/2010 14:48 Pedro Cerqueira /Estado de Minas
Fotos: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS
A ideia de reformar um jipe dando características militares não é novidade, afinal, o carro nasceu mesmo com objetivos bélicos. O original desse Jeep Willys, de 1942, foi a caracterização como um veículo usado pela Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Campanha da Itália. Não é para desmerecer os outros, mas o comum é encontrar esses veículos com decoração do Exército americano. O proprietário, Adriano Ventura, conta que a reforma durou seis longos anos. O veículo passou por uma inspeção e obteve a placa preta, de coleção, que atesta sua originalidade.

O utilitário ganhou nome e patente: General Lameiro. Pelo ano de fabricação, 1942, de fato, trata-se de um veículo feito com objetivos militares, já que suas primeiras versões civis foram feitas depois do término da 2ª Guerra Mundial. O Museu da FEB de Belo Horizonte convocou o jipe para desfilar no 7 de Setembro, feriado da Independência, boa oportunidade para conhecer esse veterano com 68 anos de existência (65 anos na reserva!).

O dono anterior descobriu o jipe numa fazenda de Itabira, Região Central de Minas Gerais. Ele arrematou o veículo completamente desmontado, faltando algumas peças, nem todas originais. O objetivo era reformar o guerreiro. O veículo aguardou pacientemente por 10 anos na garagem, até que o dono resolveu passar a bola. Adriano conta que comprou o veículo em estado de sucata. Para chegar a um bom resultado de funilaria, lanternagem, pintura e mecânica, o jipe passou por muitos profissionais, alguns nem tão bons assim, parte pela qual o proprietário agradece ao amigo Carlos Daher pelas dicas e indicações.

O PRIMEIRO Já que se trata da primeira geração do Jeep, este modelo tem características que não são muito comuns: faróis embutidos (que podem ser rebatidos para iluminar o motor), rodas formadas por duas peças fixadas por parafusos (que permitem a montagem com o uso de poucas ferramentas), porta-luvas, caixa de ferramenta e encaixe para a metralhadora fixado ao chassi. Os acessórios militares foram sendo adquiridos em feiras e exposições. Quando você conhece a historia do veículo, vai desenvolvendo um olho clínico para reconhecer acessórios e peças. Então, em encontro de antigos você bate o olho e já sabe, explica Adriano.

O General Lameiro tem peças de várias partes do Brasil e do mundo. As rodas vieram do Uruguai. A azeitadeira (usada para lubrificar) veio da França. Nos Estados Unidos foi encontrada a engraxadeira, os faróis, pá e machado, botões do painel e retrovisor. Numa feira militar de Curitiba, foi adquirido um radiocomunicador. Em Lindoia, a bomba de encher pneu. O Rio de Janeiro é um bom fornecedor de peças: regulador de voltagem, grade original, caixa de marcha, outro radiocomunicador, volante, telégrafo e suporte de metralhadora.

Veja a galeria completa de fotos do Jeep Willys 1942!

O encaixe da metralhadora é fixado no chassi e originalidade garante placa preta - O encaixe da metralhadora é fixado no chassi e originalidade garante placa preta
Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
20 de outubro de 2016
26 de agosto de 2016

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação