Nostalgia - Uma onda que não passou

As woodies surgiram como robustos veículos de carga e ao longo das décadas conquistaram famílias, tribos de surfistas e ressurgem em uma homenagem da Chevrolet britânica

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 09/08/2010 19:10 Caderno de Veículos /Estado de Minas
Chevrolet/Divulgação
Há estilos de carro que atendem aos gostos diversos de várias tribos sem mudar. Foi assim com as woodies, aquelas peruas de carroceria feita parcialmente com painéis de madeira: surgiram como uma opção simples de transporte, basicamente de pessoas e carga entre estações de trem daí o termo station wagon. Poucos fabricantes as produziam diretamente, como a Ford na década de 1930, já que a maioria preferia terceirizar o serviço. Além disso, outras marcas, como as europeias, viram nas woodies uma maneira de fugir da escassez de aço no pós-guerra.

Passados quase 30 anos, entre o fim dos anos 1950 e início da década de 1960, as peruas caíram no gosto de uma tribo que fugia dos centros urbanos e das estações de trem e partia em busca das maiores ondas: os surfistas. Fáceis de reparar por qualquer um com algum conhecimento de carpintaria e com espaço de sobra para as pranchas, as woodies se tornaram ícones desta geração, imortalizadas em músicas como as baladas dos californianos Beach Boys e pintadas pelo artista plástico americano Jim Evans.

Pranchões e peruas A moda se adequou ao tempo. Depois da década de 1950, as exigências de segurança começaram a ficar mais duras e o trabalho exigido, caro demais. Isso praticamente acabou com as carrocerias de madeira. Mas não com o estilo, que sobreviveu por meio de apliques nos painéis de metal, feitos com materiais naturais ou plásticos. Vivas na cultura, mas em desuso, as woodies foram homenageadas nesta semana no outro lado do Atlântico, na Inglaterra, bem longe da Califórnia, com uma versão especial do Chevrolet Spark, um compacto moderninho recém-lançado, que serve como carro artístico.

O hatch compacto, que apela ao gosto da geração Y com linhas arrojadas, foi caracterizado por um envelopamento em vinil pela Pyramid Visuals, de Weybridge. O toque de nostalgia fica por conta das rodas de liga leve que imitam modelos sobre aro (uma roda de ferro emoldurada) e pelos pneus faixa branca. O visual surfista é complementado pelo rack no teto para carregar as pranchas. Outro sinal do tempo, afinal, os pranchões (long board) deram lugar às fluidas pranchas modernas e a juventude atual é adepta de carros compactos.

Perua alemã DKW Universal F89 S esbanja beleza e charme com carroceria construída parcialmente em madeira - DKW/Divulgação Perua alemã DKW Universal F89 S esbanja beleza e charme com carroceria construída parcialmente em madeira


Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
22 de setembro de 2017
20 de setembro de 2017

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação