Vale tudo: a rosca e a ar

Contran volta a liberar modificações para carros rebaixados

Conselho permite novamente a alteração no sistema de suspensão dos veículos leves. Novidade é a possibilidade de instalar sistemas reguláveis para controlar a altura

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 03/04/2014 08:00 / atualizado em 03/04/2014 08:25 Pedro Cerqueira /Estado de Minas
Altura mínima do carro deve ser maior ou igual a 10 centímetros - Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press Altura mínima do carro deve ser maior ou igual a 10 centímetros

Prática suspensa desde 28 de agosto de 2013, a alteração no sistema de suspensão em veículos passa a poder ser realizada, conforme publicado na Resolução 479 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). O destaque é a possibilidade de instalar sistemas de suspensão reguláveis em veículos leves (com PBT até 3.500kg), que eram proibidos desde 29 de agosto de 2008. A alteração é válida para veículos usados, de passageiro ou de carga, com exceção dos de duas ou três rodas e quadriciclos.

Veja fotos do protesto de carros rebaixados no Brasil

Mas a legislação determina que a modificação deve atender a alguns limites e exigências. Para os veículos leves são duas exigências: a primeira é que o ponto mais baixo da carroceria ou chassi deve ter a altura mínima para circulação maior ou igual a 10 cm; segundo, o conjunto roda/pneu não pode tocar em qualquer parte do veículo quando o volante é completamente esterçado.

SEGURANÇA De acordo com Ricardo Dilser, assessor técnico da Fiat, o ajuste de uma suspensão tem que garantir segurança, estabilidade e conforto. “Suspensões rebaixadas sem critério podem afetar a dirigibilidade do veículo, já que se trata de um componente ligado diretamente ao controle do veículo”, avalia Dilser. Ele explica que, no caso dos modelos da Fiat com pegada mais dinâmica, que têm altura do solo reduzida, há todo um trabalho feito na suspensão para garantir o melhor acerto possível entre segurança, estabilidade e conforto.

O artigo 1º da Resolução 479 atribui a responsabilidade do atendimento a todas a exigências às empresas executoras das modificações e ao proprietário do veículo. Outra exigência para os veículos que tiverem a suspensão modificada é inserir no campo das observações do Certificado de Registro de Veiculo (CRV) e do Certificado de Registro e Licenciamento de Veiculo (CRLV) a altura livre do solo. Antes de fazer qualquer modificação no veículo é necessário obter autorização no Detran. Depois de efetuada a modificação, o veículo deve passar por uma inspeção de segurança veicular numa instituição técnica licenciada pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), que vai emitir o Certificado de Segurança Veicular (CSV).

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press


SUSPENSÃO REGULÁVEL Diferente da fixa, a suspensão regulável permite que o motorista regule a altura da suspensão, podendo deixá-la mais alta ou mais baixa, conforme a necessidade. De acordo com José Carlos Alves, da Vinicar, empresa com experiência no ramo de preparações, existem dois tipos de suspensão regulável. Na suspensão a ar, as molas são substituídas por bolsas de ar, num sistema que envolve peças como compressor, cilindro e mangueiras. Apesar de mais cara, seu uso é mais cômodo, já que os comandos são feitos de dentro do veículo.


Na suspensão de rosca, troca-se a mola por uma mais curta e um sistema que permite aumentar e reduzir a altura da suspensão por meio de uma rosca. Mas o sistema não é muito prático, pois é preciso levantar o veículo com um macaco para regular cada roda. Em compensação, esse sistema é mais barato, quase a metade da suspensão a ar. Quanto à exigência do Contran do conjunto roda/pneu não poder encostar em qualquer parte do veículo quando se vira o volante, José Carlos afirma que isso acontece quando o veículo é rebaixado e se instala rodas muito grandes.

 

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press
 

Tags: rebaixado

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marcelo
Marcelo - 03 de Abril às 09:52
Sinceramente nunca vou entender a logica destas pessoas, pois a montadora gasta milhoes em um projeto com ENGENHEIROS FORMADOS para garantir o conforto e a segurança dos ocupantes do automovel, mas ai vem qualquer doido e corta as molas de suspensao retirando todo o trabalho feito! Sem logica nao?
Encontre seu veículo
O ano inicial não pode ser maior que o ano final.
O preço inicial não pode ser maior que o preço final.

Refinar busca

Últimas notícias

ver todas
27 de agosto de 2015
26 de agosto de 2015