Estado de Minas

Volkswagen e Fiat dispensam 2,2 mil trabalhadores

Vendas de veículos registram queda de 5,3% em relação ao mesmo período de 2013


Agência Estado

Publicação: 25/04/2014 13:16 Atualização: 25/04/2014 14:20

 (Fiat/Divulgação)

Fiat e Volkswagen, duas das maiores fabricantes de automóveis, dispensaram mais 2,2 mil funcionários para adequar a produção à demanda. No acumulado do ano, até quarta-feira, 23, as vendas de veículos registram queda de 5,3% em relação ao mesmo período de 2013 (para 211 mil unidades). As exportações para a Argentina, principal cliente externo do setor, caíram mais de 30%.

A partir do dia 5, a Volkswagen vai suspender o contrato de trabalho (sistema chamado de lay-off) de 900 trabalhadores na fábrica de São Bernardo do Campo (SP) e de 400 da unidade de São José dos Pinhais (PR) por cinco meses.

A Fiat deu férias coletivas de dez dias para 900 operários em Betim (MG) nesta semana. A empresa já tinha concedido férias por 20 dias a outros 800 funcionários no dia 14. Ao todo, deixarão de ser fabricados nos dois períodos 6,2 mil unidades dos modelos Bravo, Doblò, Idea, Linea, Palio, Grand Siena e Palio Weekend.

A fabricante de caminhões Scania, também de São Bernardo, antecipou de junho para 12 maio as férias coletivas de 15 dias para cerca de 3,8 mil trabalhadores.

"O primeiro trimestre não foi bom em vendas e soma-se a isso o fim da produção da Kombi e do Gol G4 no fim do ano para justificar o excesso de pessoal", afirma o secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana. "A empresa está administrando esse excedente com férias e lay-off."

Santana ressalta que não há previsão de demissões em massa. Na fábrica do Paraná, 400 funcionários também entram em lay-off no dia 5, somando-se a outro grupo de 150 que já está nesse regime desde março, com previsão de retorno no fim de maio, quando outra equipe de 150 pessoas será dispensada.

No lay-off, o funcionário recebe o salário integral, mas R$ 1,3 mil é pago pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e a diferença pela empresa.

Em nota, a Volkswagen informa que, "a exemplo de outras montadoras no País, está fazendo uso de ferramentas de flexibilização para adequar-se à demanda atual do mercado". Também afirma que mantém "confiança no crescimento do mercado brasileiro e mantém seu plano de investimentos de R$ 10 bilhões até 2018".

A Scania informa que decidiu antecipar as férias "em razão do desaquecimento do mercado brasileiro e argentino".

Demissões

Outras montadoras e fabricantes de autopeças como Agrale, International, Randon e Guerra, todas do Rio Grande do Sul, deram férias coletivas ou folgas aos funcionários nos últimos dias.

Na Grande Curitiba (PR), onde a Renault também cortou produção, a fabricante de eixos AAM do Brasil demitiu ontem (24) 100 funcionários, de um total de 900. "A empresa nem nos procurou para negociar, por isso vamos ao Ministério Público", afirma o dirigente do sindicato dos metalúrgicos, Jamil Davila. Segundo ele, a empresa fornece peças para a fábrica da Volkswagen na Argentina.

Montadoras, autopeças e sindicalistas negociam com o governo federal a criação de um sistema nacional de proteção ao emprego para ser adotado em épocas de crise. Seria uma alternativa ao lay-off, normalmente usado só por grandes grupos. A base da proposta é um programa adotado na Alemanha desde os anos 50.

Paralelamente, governo e montadoras do Brasil e da Argentina discutem uma linha de financiamento para retomar o comércio bilateral. Também já há conversas nos bastidores para a suspensão da alta do IPI para carros prevista para julho.

Esta matéria tem: (6) comentários

Autor: Marco Nascimento
Muito pouco anda sendo noticiado a respeito da recessão brasileira. O governo pressiona os meios de comunicação para que a sua popularidade não caia e não percam a eleição. Na Rede Globo, por exemplo, tudo está a mil maravilhas. E pode esperar a Taxa Celic vai subir os juros mais uma pancada, 0,75%. | Denuncie |

Autor: Bruno ..
Crise somada a pressão para benefício fiscal somada a altas nos juros.... Uma solução seria o estimulo a renovação da frota, bonus para montadora recolher e sucatear carros velhos... | Denuncie |

Autor: Eduardo Gomes
As vendas caíram porque as montadoras aumentaram os preços! Alem de tudo o povo já teve que pagar outros reajustes, como energia, água e inflação dos alimentos. Pergunto: Quem vai pensar em comprar carro nessas horas? | Denuncie |

Autor: Jandão OCara
Coloca na materia o tanto que subiu o preço do carro esse ano. Só na FIAT umas 4x!. Baixar o lucro altissimo eles nao querem neh! | Denuncie |

Autor: Sergio Ricardo dos Santos
A realidade é que estamos vivendo um período de recessão na economia. Só que os meios de comunicação não estão noticiando nada. | Denuncie |

Autor: Katia Oliveira Santos
Mais uma jogada baixa pra ganhar benefícios fiscais. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro, Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »


ofertas de particular
    ofertas em destaque