Estado de Minas

Sem baixar o nível »

Saiba qual o momento certo de trocar os fluidos da direção e transmissão

Diferente do óleo do motor, os fluidos da direção hidráulica e da transmissão não precisam ser substituídos periodicamente. Mas é bom ficar atento ao nível deles


Paulo Henrique Vivas - Estado de Minas

Publicação: 21/05/2014 11:12 Atualização:

 (Arte EM)
Ninguém precisa ser um especialista em mecânica para saber que o óleo do motor do carro necessita ser substituído de acordo com o prazo ou a quilometragem determinada pelas montadoras. Isso porque o lubrificante trabalha com altas variações de temperatura e está sujeito à presença de resíduos e poluentes resultantes da combustão. No entanto, para sistemas como o da direção hidráulica e de transmissão, que são fechados e atuam sem contato com esses tipos de contaminantes, existem dúvidas quanto à necessidade ou não da substituição de seus respectivos fluidos.

DIREÇÃO HIDRÁULICA O supervisor de serviços da Ford Reinaldo Nascimbeni esclarece que, por não passar por uma degradação mais agressiva, a exemplo do óleo do motor, o óleo da direção hidráulica, que normalmente é um produto de boa qualidade, não precisa ser substituído. “É bom verificar sempre o nível do reservatório e prestar atenção para qualquer tipo de vazamento que possa ocorrer”, recomenda. Em caso de vazamento, que pode ser causado por problemas nas mangueiras ou nas conexões, o nível do óleo deverá ser completado, depois de corrigido o defeito. Nascimbeni diz que, ao longo dos anos, uma certa quantidade de óleo do reservatório pode evaporar. Sendo assim, o nível também deve ser completado. Outra coisa que pode ocorrer devido ao uso prolongado é a oxidação do produto, que pode ser evitada com o uso de um fluido sintético, de qualidade superior. O supervisor da Ford alerta, ainda, que o hábito de segurar a direção do veículo quando ela atinge o final do curso não é aconselhável, pois isso aquece o óleo excessivamente e afeta sua deterioração.

50.000km De acordo com o engenheiro Francisco Satkunas, da Sociedade dos Engenheiros da Mobilidade (SAE Brasil), se a direção hidráulica do veículo apresentar funcionamento normal, não há motivos para trocar o óleo. “Porém, alguns fabricantes orientam que o fluido deve ser substituído por volta dos 50 mil quilômetros. Sendo assim, o mais importante é seguir a determinação da fábrica”, alerta. O engenheiro orienta que, se houver a necessidade de substituir o fluido, o procedimento deve ser feito em concessionária autorizada ou em oficinas credenciadas. “A tendência para o futuro é de que os carros adotem cada vez mais a direção elétrica, equipamento que não utiliza óleo e não possui itens como mangueira ou bomba”, destacou.

TRANSMISSÃO Francisco Satkunas confirma que o óleo usado nos sistemas de transmissão, tanto para câmbio manual quanto para o automático, também não tem necessidade de ser substituído. “Basicamente, utiliza-se para a transmissão manual um óleo mais convencional, fácil de ser encontrado e que pode também ser completado, caso o nível esteja baixo. No caso do câmbio automático, é usado um óleo mais fino em relação ao da transmissão manual, similar ao fluido indicado para direção hidráulica”, relata. Para o câmbio do tipo CVT, ainda pouco encontrado, Satkunas diz que existe um óleo especial e que pode ser encontrado em autorizadas. Ainda segundo ele, algumas marcas recomendam a troca do óleo da transmissão automática aos 60 mil quilômetros. Dessa forma, o melhor a ser feito é conferir no manual do proprietário a correta indicação do fabricante para cada situação.

Severas Segundo Nascimbeni, a Ford só recomenda a troca do óleo da transmissão para veículos com quilometragem mais avançada, acima de 100 mil quilômetros, e que sejam submetidos ao uso em condições mais severas (vale lembrar que a ida à padaria ao lado de casa é um tipo de uso severo). “Para veículos que tenham condições normais de uso, não há a necessidade de substituir o lubrificante. Porém, deve-se prestar atenção a qualquer tipo de vazamento ou ruído no engate das marchas e completar o nível caso seja necessário.”

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Claudio Vasconcelos
Olha a incoerência do Sr. Reinaldo Nascimbeni da Ford: a Ecosport 2.0 automatica fala em seu manual que o oleo da transmissão deve ser substituído com 50 mil Km ou 36 meses. Tenho conhecimento de várias Ecosports que tiveram problemas na transmissão automática. Não seria pela falta de troca do óleo ? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro, Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »


ofertas de particular
    ofertas em destaque