Estado de Minas

Só não trocou o nome »

Novo Ka de quatro portas e motor 1.0 de três cilindros nada tem a ver com o anterior

Compacto é o primeiro a ter controles de tração, estabilidade e partida em rampa


Paulo Eduardo - Estado de Minas

Pedro Cerqueira - Estado de Minas

Publicação: 27/07/2014 14:32 Atualização:

O motor 1.0 de três cilindros dá bom desempenho ao Ka hatch, o sedã chega depois, que mostrou bom comportamento dinâmico no test drive (Wanderley Affonso/Ford/divulgação)
O motor 1.0 de três cilindros dá bom desempenho ao Ka hatch, o sedã chega depois, que mostrou bom comportamento dinâmico no test drive
O Ka tomou fermento e cresceu. Agora, seus principais concorrentes são o Volkswagen Gol, Fiat Palio, Chevrolet Onix e Hyundai HB20. Trata-se do primeiro compacto nacional a ter controles de tração e estabilidade, e assistência de partida em rampa, mas somente na versão SEL, a topo de linha. As outras versões são a SE e a SE Plus e bem equipadas. Os preços variam de R$ 35.390 a R$ 39.990. As vendas começam em meados de setembro.

ESTILO A enorme grade frontal com fundo preto e os faróis alongados se destacam na dianteira. O para-choque encorpado completa o conjunto. As linhas são limpas, com cintura alta e ligeira ascendência no sentido da traseira. Chama a atenção de imediato a altura do carro, que torna o habitáculo mais arejado, principalmente no banco traseiro. A traseira é limpa, com lanternas invadindo a lateral e spoiler integrado.

DENTRO Como dizem os executivos da Ford, o interior é bastante objetivo e também limpo. Não há espaço para rebuscamento. Os comandos estão ao alcance do motorista e as entradas de ar são verticais, como em todos os Fords atuais. A conectividade é destaque e orgulho da montadora. Na versão SE, de entrada, o sistema é o Dock e nas outras, o conhecido Sync. Atualmente, compra-se conectividade e, por acaso, vem o automóvel acoplado. Foi adotado o trilho longo para acomodar passageiros mais altos. O porta-malas tem aproveitamento na vertical.

MANCADA Apesar de se gabar de ser a primeira marca a equipar um carro compacto com controles de tração e estabilidade, que são ligados ao ABS, equipamento obrigatório em todos os automóveis nacionais a partir deste ano, a Ford menospreza o passageiro do assento central, que não tem apoio de cabeça nem cinto de três pontos retrátil até na versão mais sofisticada. É sabido que homologa-se carro para cinco ocupantes, mas o espaço é limitado até nos grandalhões. O objetivo é transportar três atrás em percurso curto. E o do meio merece a mesma segurança dos passageiros das janelas. Enquanto não forem obrigatórios, a lambança triunfa. A Ford fica devendo o Isofix, prometido para breve.

MOTOR O 1.0 de três cilindros vem se juntar aos do Hyundai HB20 e do VW up!. Funciona redondo e, na primeira impressão, parece vibrar menos do que os da concorrência. As relações de transmissão estão bem escalonadas com quarta e quinta marchas mais longas, privilegiando o consumo (ver dados na ficha técnica). Tem duplo comando de válvulas variável de admissão e também de escape.

DIRIGINDO As primeiras impressões convenceram. Rodamos cerca de 80 quilômetros em rodovia, com piso de ótima qualidade. O motor responde bem aos comandos do acelerador e os engates do câmbio são leves e precisos. O comportamento dinâmico é previsível e não há sustos mesmo em curvas acentuadas. O sistema de suspensão privilegia mais a estabilidade. Nos poucos metros em piso irregular, percebe-se a transferência das imperfeições para o habitáculo. Os pneus de perfil baixo (195/55) contribuem para isso. A direção é leve e muito bem calibrada e o motorista fica à vontade. A garantia é de três anos e a durabilidade do motor e da correia dentada é de 240 mil quilômetros.

*Jornalista viajou a convite da Ford do Brasil

A traseira é conservadora e linha de cintura alta e ascendente  (Wanderley Affonso/Ford/divulgação)
A traseira é conservadora e linha de cintura alta e ascendente


FICHA TÉCNICA
» MOTOR

Dianteiro, transversal, de três cilindros em linha, 997cm³, 12 válvulas, flex, 80cv (gasolina) e 85cv (etanol) de 6.300 a 6.500rpm de potências máximas e torques de 10,2kgfm (g) a 3.500rpm e 10,7kgfm (e) a 4.500rpm

» TRANSMISSÃO
Tração dianteira, com câmbio manual de cinco marchas

» RODAS/PNEUS

De aço 5,5x14/175/65 R14 e de liga leve 6x15/195/55 R15

» DIREÇÃO
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

» CAPACIDADES

Do tanque, 51,6 litros; e de carga
útil (passageiros mais bagagem), 424kg a 453kg (conforme versão)

» CONSUMO

Cidade, 8,9(e)/13(g); estrada, 10,4(e)/15,1(g)

» DESEMPENHO (etanol)

Velocidade máxima, 166km/h; aceleração até 100km/h em 13,9 segundos

» DIMENSÕES (metros)
Comprimento, 3,89; largura, 1,69; altura, 1,52; entre-eixos, 2,49

» PESO (kg)
De 997 a 1.026 (conforme versão)

Acabamento benfeito e quadro de instrumentos de fácil leitura  (Wanderley Affonso/Ford/divulgação)
Acabamento benfeito e quadro de instrumentos de fácil leitura


Assistência de emergência

Junto com o Novo Ka, a Ford introduz uma tecnologia inédita no Brasil. Trata-se da assistência de emergência, serviço que, em caso de acidente, informa ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) a ocorrência para início de um atendimento médico. Para que o serviço funcione é preciso que algum telefone (com tecnologia Bluetooth) esteja pareado com o sistema multimídia SYNC e haja (obviamente) sinal de telefonia celular. Caso no veículo acidentado os airbags sejam deflagrados ou a alimentação de combustível tenha sido cortada (medida de segurança comum em colisões traseiras ou capotamento), o assistente de emergência entra em funcionamento, efetuando uma chamada automática.


Primeiro ele informa aos ocupantes que uma chamada de emergência será efetuada, momento no qual, caso os ocupantes julguem desnecessário, ela pode ser cancelada. Caso ela não seja cancelada, o serviço de urgência será informado que ocorreu um acidente, recebendo, inclusive, a posição geográfica precisa do veículo (latitude e longitude) graças à antena de GPS que integra o sistema. Durante a ligação, caso os ocupantes estejam conscientes, é possível inclusive conversar com o atendente do Samu, que pode obter mais informações sobre o estado dos acidentados. A tecnologia é um opcional na versão de entrada SE e de série na SEL. Depois da aquisição do veículo o serviço é gratuito e válido por toda a sua vida útil. A Ford afirmou que dentro de um ano toda a sua linha também ganhará a assistência de emergência.


Assistência de emergência é tecnologia inédita no país e gratuita (Wanderley Affonso/Ford/divulgação)
Assistência de emergência é tecnologia inédita no país e gratuita

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Jorge Magalhães
As matérias sobre automóveis são importantes e os Diários Associados fazem parte disto. Entretanto, na contramão do direito de imprensa e livre manifestação, o link VRUM do CorreioWeb, de Brasília, está censurando os participantes, não permitindo a publicação dos comentários enviados por leitores. | Denuncie |

Autor: Marcílio miranda
Vejo que a Ford vem evoluindo em disponibilizar segurança em seus carros, mas está engatinhando na assistência técnica e qualidade e durabilidade de seus produtos. | Denuncie |

Autor: Marco Nascimento
É bom ver a Ford tentando voltar à velha boa forma. Uma pena realmente é a falta do 3o encosto de cabeça com seu respectivo cinto de segurança de 3 pontos. Isofix e espelhos retrovisores elétricos, pelo preço da versão top, também deveria ser item obrigatório. Vamos aguardar e ver a manutenção... | Denuncie |

Autor: geraldo silveira
quero saber qual a montadora irá sair na frente e colocar o encosto do meio e claro sinto de três pontos para todos. Acho que só através de decreto, é um total desprezo aos consumidores brasileiros que não podem comprar carros acima dos 80 mil. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro, Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »


ofertas de particular
    ofertas em destaque