Parece, mas não é!

Marcas Chinesas se apresentam no Salão de São Paulo e tentam conquistar o consumidor com bom preço e design europeu

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/10/2010 20:10 Marcello Oliveira /Portal Vrum
Marcello Oliveira/EM/D.A Press
Acompanhe também o Vrum pelo Twitter

De São Paulo - O Salão Internacional do Automóvel, que vai até o dia 07 de novembro em São Paulo, certamente é um dos programas preferidos para quem é apaixonado por carros, afinal, não é todo dia que podemos ver Ferrari, Lamborghini, Porsche, Aston Martin, Jaguar entre outras máquinas reunidas em um só lugar. Por outro lado, nunca se viu tantos chineses no Salão de São Paulo. As marcas que estão no Anhembi querem aproveitar um pedaço do mercado brasileiro, que passou praticamente ileso pela crise internacional.

Veja a galeria de fotos com os carros chineses no Salão de São Paulo!

Mas se os chineses não têm tradição em vendas de carros no Brasil, eles acharam uma possível solução: concorrer com produtos já consolidados em nosso mercado oferecendo ótimos preços, modelos completos e prometendo boa relação custo/benefício.

Tudo se copia
Curioso mesmo é passar pelo corredor da BMW. Após ver os imponentes alemães, chega-se ao estande da chinesa Lifan. A marca mostrou o pequeno 320 que imita descaradamente as linhas do Mini, marca que pertence ao grupo BMW. Apenas uma pequena passagem de pedestre divide os dois estandes. Curiosamente, o Cooper e o Lifan estão praticamente lado a lado. "Este é o original", exclamou uma das modelos da Mini que fazia a divulgação do Cooper, modelo que tem seu modelo mais barato custando três vezes mais do que o Lifan 320. O genérico é vendido por aproximadamente R$ 30 mil e já vem com direção hidraulica, ar condicionado, sistema de som, conjunto elétrico, rodas de liga leve, motor 1.3 de 88 cv e freios ABS com EBD, que distribui a força de frenagem.

No lugar de belas modelos, um ator sósia do Mister Bean, mostrava o 320 e garantiu a diversão dos visitantes da marca chinesa. Outro produto da Lifan é o sedã 620. Fabricado na planta de San José, na região metropolitana de Montevidéu, no Uruguai, o modelo possui dimensões semelhantes as do Toyota Corolla e já é vendido nas 15 concessionárias no Brasil pelo preço de R$ 40 mil. Não há opcionais, mas o carro já vem equipado com os mesmos itens do 320, além de airbag duplo. No salão, a Linfan aproveitou para apresentar a versão com câmbio variável automático CVT, mas o modelo não estava exposto e não teve preços revelados.

O primeiro Utilitário Esportivo da marca era para ter sido apresentado, mas questões burocráticas impediram a chegada dele e do hatch 520 ao salão e os carros ficaram retidos na alfândega.

Quem também não se incomodou em ser apenas uma cópia chinesa foi a Effa, que mostrou o Plutus, idêntica à Chevy Colorado, que rendeu a S10 no mercado norte americano.

A JAC motors ganhou bom espaço no salão e soube aproveitá-lo muito bem. Ao lado de cada carro, modelos e uma tela sensível ao toque explicavam os detalhes do veículo. O primeiro a ser importado ao Brasil, em março de 2011, será o J3 hatch e sedã, que custarão R$ 37,9 e R$ 39,9 mil respectivamente. A série virá com motor 1.4 que gera 104 cv de potência, ar-condicionado, direção hidráulica, trio elétrico, Mp3, freios ABS, airbag duplo e sensor de estacionamento.

Posteriormente, a JAC importará o médio J5 (R$ 54,9 mil) e o monovolume J6 (R$ 57,9 mil), ambos equipados com motor 2.0 de 136 cv.

O mais barato do Brasil
Em março, a Chery começa a vender o veículo que, segundo a própria empresa, será o mais barato do Brasil. Custando R$ 22,9 mil, o QQ, com motor 1.1, é bem parecido com o Matiz, da sul-coreana Daewoo.

Chery QQ quer o título de carro mais barato do Brasil a partir de março - Julio Cabral/EM/D.A PRESS Chery QQ quer o título de carro mais barato do Brasil a partir de março


O chinês mais caro
A marca britânica MG pertenceu à BMW até 2005 e renasceu sob controle chinês. É dela o carro mais caro vindo da China. O MG 550 custa R$ 94,8 mil, mas se gaba por ter a mesma plataforma do Série 5 da BMW, porém não deixa de ser um carro chinês. Mais caro do que ele é o MG 6 1.8 turbo, que chega aos R$ 99,8 mil.
Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
25 de outubro de 2012

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação