Sociedade - Automóvel no banco dos reús

Acadêmica atribui culpa das relações sociais deterioradas ao automóvel. Tema foi tese de mestrado e encontra eco nas canções populares e vias de uma metrópole

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 19/09/2006 21:22
Arte EM
Tatiana Schor tinha concluído o curso de economia na Universidade de São Paulo (USP) e buscava um tema para trabalhar no mestrado quando se deparou com a notícia de que 90% dos compradores de veículos com características off-road não usavam o veículo para o fim a que se destina. A notícia que parece comum para quem se atem à estética e não se importa com a essência assustou Tatiana que decidiu estudar o assunto. Publicou sua tese, titulada: O automóvel e a cidade de São Paulo: a territorialização da modernização (e de seu colapso), depois concluiu doutorado em Ciência Ambiental e hoje leciona no departamento de geografia da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Os temos ecológicos sempre lhe foram caros e foi se dando conta que por mais que se discutam alternativas de energia limpa, novos combustíveis e inovações de engenharia de trânsito, o carro será sempre um mal e um dia terá que deixar de existir.

O estudo de Tatiana aborda várias vertentes que envolvem o automóvel. A primeira diz respeito à primazia da máquina em relação ao cidadão no momento de planejar uma cidade. Trabalhei a idéia de como o sistema automobilístico rasga e arrebenta a cidade, constróis grandes avenidas, túneis, viadutos e faz com que as pessoas percam o direito de uso da rua, que as crianças percam a chance de brincarem nas vias e andarem de bicicleta, entende. Outro aspecto é o cultural, pois segundo a estudiosa, o carro é um bem que é consumido em público e reveste o proprietário de status: As pessoas sabem a marca do automóvel do amigo, mas não sabem a marca da geladeira.

No artigo que resume seu estudo, chamado de O automóvel e o desgaste social, Tatiana explica que vivemos em uma sociedade na qual as pessoas reconhecem-se como pares e ilustra com a letra da clássica canção de Roberto Carlos Nas curvas da estrada de Santos: Se você pretende saber quem eu sou, eu posso lhe dizer: entre no meu carro, e na estrada de Santos você vai me conhecer.... As canções populares, inclusive, foram tema de pesquisa de Tatiana, que percebeu a presença da valorização do carro em estilos variados de diversos compositores.

Outra forma de variar o olhar foi entrevistar prostitutas e moradores de rua. Nas conversas, Tatiana percebeu que as garotas de programa, que fazem ponto na rua, tem idéia de que o automóvel é um bem distante que não faz parte dos sonhos das moças. Já os moradores de rua não sabem dizer como seria a casa dos sonhos, mas quando questionados qual o carro ideal não encontram dúvidas em citar marcas e modelos.

A valorização exagerada do produto, casada com as intervenções urbanas, ajuda a perpetuar, na opinião de Tatiana, um paradoxo. É triste porque as cidades não param para olhar as opções possíveis. É como se fosse um monstro, que vai se enchendo, enchendo e um dia explode, acredita. Sobre o fim do automóvel, ela considera uma utopia, mas que vai nos pegar, vai.

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação