Antiesmagamento - Cuidado para não decepar

Sistema que impede fechamento dos vidros elétricos quando há obstáculo, o que evita ferimentos nos ocupantes, nem sempre é oferecido como item de série pelas montadoras

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 20/08/2007 11:52 Enio Greco /Estado de Minas
Dispositivo de segurança impede que as pessoas tenham membros esmagados pelo vidro - Paulo Filgueiras/EM - 21/6/05 Dispositivo de segurança impede que as pessoas tenham membros esmagados pelo vidro
Quem compra carro equipado com comandos elétricos nos vidros deve se certificar de que ele tem sistema antiesmagamento. Trata-se de dispositivo que acusa qualquer obstáculo que impeça o fechamento do vidro. Ao encontrar resistência de objeto ou parte do corpo (mão, braço, cabeça etc), o vidro pára ou recua alguns centímetros. O sistema foi desenvolvido depois de serem registrados alguns acidentes com pessoas que tiveram partes do corpo esmagadas por vidros de carros.

Ocorreram alguns casos desse tipo na Europa, Estados Unidos e também no Brasil. Em 2005, uma criança teve o pescoço prensado no vidro de um Renault Clio e morreu, em Chapecó (SC). Recentemente, em Belo Horizonte, a filha do empresário Alcivander Alves teve o dedo da mão esmagado pelo vidro do Chevrolet Prisma, equipado com vidros elétricos com dispositivo antiesmagamento e antivácuo. O sistema foi ineficaz, segundo Alves.

“O sistema antivácuo faz com que o vidro desça um pouco quando as portas dianteiras são abertas. Minha filha apoiou a mão na porta do passageiro e, quando eu fechei a do motorista, o vidro subiu automaticamente e o sistema antiesmagamento não funcionou, prendendo o dedo dela”, revela Alcivander. O carro foi levado a uma concessionária GM, mas não foi constatado qualquer problema com o sistema antiesmagamento. “A explicação foi de que a pequena abertura no vidro proporcionada pelo antivácuo não permitiu que o antiesmagamento funcionasse. O sistema só entraria em ação com uma abertura maior do vidro”, conta. Para evitar o problema, foi feita uma adaptação no carro para impedir que os vidros subam quando a porta do motorista é fechada.

Tais problemas trazem à tona a importância do sistema antiesmagamento, que pode evitar conseqüências graves, mas que nem sempre é vendido pelas montadoras. A Resolução 762/92 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) prevê que, estando a chave de ignição na posição desligada ou removida do comutador da ignição e havendo acionamento dos vidros por meio de controle remoto, os acionadores energizados devem estar dotados de mecanismos que acusem o retrocesso do vidro de, no mínimo, 25mm. Todo veículo que tiver controle remoto para destravamento de portas e acionamento de vidros deve ter antiesmagamento.

A Fiat não disponibiliza o sistema na linha Palio (hatch, Siena, Weekend, Strada), mas nesse caso os vidros elétricos só funcionam se a chave de ignição estiver virada (na posição ligado). Já os modelos com controle remoto acionados à distância, como Idea, Stilo e Marea, saem de fábrica com o antiesmagamento.

A Ford tem o antiesmagamento como item de série para algumas versões topo de linha do Focus, EcoSport e Fiesta. Mas a montadora informa que o sistema é vendido como opcional para todos os modelos da linha. Alguns veículos da Ford são equipados com temporizador nos vidros elétricos, que permite que estes sejam fechados alguns segundos depois de a chave ser desligada. Há também a opção do controle remoto que liga o alarme, fecha os vidros e trava as portas.

A General Motors disponibiliza o sistema antiesmagamento de forma diferenciada. Para o Corsa 1.0, o sistema é vendido como acessório e, no 1.4 Premium, SS 1.8 e Corsa Sedan 1.4 Premium, o antiesmagamento é de série. Todas as versões do Astra e do Vectra têm o sistema como equipamento de série. No Meriva 1.8 Joy, o sistema é opcional e nas versões Maxx, Premium e SS, de série. Na Montana 1.4 é opcional e na 1.8, de série.

A Citroën informa que, por motivo de segurança, todos os modelos da marca equipados com vidros elétricos e dispositivo um toque têm antiesmagamento. No Xsara Picasso, porém, o sistema é disponibilizado somente na porta do motorista. No C4 VTR, C4 Pallas, C5, C5 Break e C6 em todos os vidros.

A Volkswagen tem o antiesmagamento como item de série em toda a linha Golf. Para os demais modelos da marca, o sistema está disponível como opcional quando equipados com alarme Keyless com vidro elétrico em todas as portas. Para os modelos que não têm o sistema antiesmagamento, é sempre necessário ter a chave no contato para acionar os vidros.

A Renault disponibiliza o antiesmagamento para o Clio, como item de série, apenas na versão Privilège e na porta do motorista, sem possibilidade de instalação como opcional. No Mégane Expression é item de série apenas na porta do motorista, mas pode ser instalado como opcional nas demais portas. No Mégane Dynamique, o antiesmagamento é instalado em todas as portas como item de série. Já os modelos Scénic e Logan não têm o sistema nem como opcional. A Renault esclarece que no Logan e Clio os vidros elétricos não funcionam com o veículo desligado. Já no Scénic e Mégane, a partir do momento em que a ignição for desligada, o sistema de acionamento dos vidros pára de funcionar quando a porta do motorista é aberta. Porém, a Renault informa ainda que em todos os modelos os vidros elétricos somente são levantados quando o botão é acionado no sentido de baixo para cima, o que reduz o risco de acidente.


Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação