Freios - Você pisa, e nada...

Depois de longa descida sinuosa, com o veículo carregado, motorista aperta o pedal várias vezes e o carro não pára. Não é um defeito, mas problema momentâneo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 17/01/2008 15:49 Eduardo Aquino /Estado de Minas
Não é necessário abrir o reservatório para verificar o nível do fluido - Marlos Ney Vidal/EM - 23/11/05 Não é necessário abrir o reservatório para verificar o nível do fluido
Antes de enfrentar uma estrada, é imprescindível verificar o sistema de freios, que deve funcionar de forma perfeita, para evitar acidentes. Mesmo com a manutenção em dia, o sistema pode falhar em situações extremas, como o uso prolongado em descidas fortes, com o veículo carregado, devido ao superaquecimento (fenômeno chamado de fading).

Outro conselho importante é não abrir o reservatório do fluido, para impedir entrada de umidade, que compromete a eficiência dos freios. Ele é feito de plástico transparente justamente para não ser aberto.

Pastilhas
No sistema de freio a disco (a maioria dos veículos no Brasil está equipada com ele; na traseira, é a tambor), as pastilhas têm a função de prender o disco, que acompanha o movimento da roda. São formadas basicamente por uma placa metálica, na qual se faz a moldagem de materiais de fricção à base de resina, fibras sintéticas e partículas metálicas.

Verificação - Embora emitam um chiado, quando chegam ao limite (nem sempre isso é sinal de desgaste, pois pastilhas novas costumam emitir o mesmo chiado), alertando o motorista, é aconselhável verificá-las a cada 5 mil quilômetros rodados.

Troca - O tempo de durabilidade dura cerca de 15 mil quilômetros, mas as pastilhas devem ser substituídas sempre que atingirem a espessura de 2mm. Porém, para garantir bom poder de frenagem, recomenda-se que os discos sejam retificados ou trocados se tiverem com a espessura mínima, abaixo do limite permitido (cada disco tem o seu). As pastilhas novas demoram algum tempo para assentarem completamente. Portanto, o motorista deve evitar frenagens fortes nos primeiros 300 quilômetros, procurando frear de forma mais progressiva.

Lonas
A combinação tambor/lona está presente na maioria dos eixos traseiros dos automóveis que circulam no Brasil. O conjunto é projetado levando-se em conta a relação da área de atrito entre lonas e tambor, o peso, a potência e a utilização do veículo. A lona costuma ter maior durabilidade que as pastilhas, mas seu estado deve ser verificado a cada troca de pastilha, e substituída por outra de mesmo coeficiente de atrito, pois, se ele for mais baixo, vai reduzir o poder de frenagem do veículo (o pedal fica duro), e, se for mais alto, provocará uma frenagem muito forte, gerando desequilíbrio da traseira do carro e desgaste excessivo dos tambores. Não compre uma lona apenas pelo preço. Leve em consideração a qualidade do produto e se ele tem as especificações exigidas pelo fabricante do veículo.

Abertura dispensável
Não é preciso abrir a tampa do reservatório do fluido de freio para verificar seu nível. O reservatório é transparente exatamente para evitar isso, pois, ao abrir a tampa, o fluido, por ser higroscópico, absorve umidade do ar. Essa água vai reduzir o ponto de ebulição e fazer o fluido ferver, formando bolhas que prejudicam a eficiência da frenagem. O fluido deve ser trocado anualmente (independentemente da quilometragem rodada). Cuidado ao comprar o fluido, pois tem muito produto de baixa qualidade no mercado. O motorista também deve ter atenção ao manusear o líquido, que é altamente corrosivo e pode atacar a pintura e outros componentes.

Discos
Quando for trocar as pastilhas, é preciso verificar se os discos estão empenados, se apresentam sulcos na sua superfície ou rebarbas nas suas bordas ou se a espessura está dentro do limite permitido. Existe um limite para a retífica do disco. Se for ultrapassado, há risco de quebra do componente, que pode ser fatal numa frenagem mais forte. O discos devem ser retificados sempre na mesma medida ou substituídos aos pares. Trepidações no pedal de freio podem ser sintomas de problemas no disco.

Fading
Trata-se de um fenômeno, que provoca a perda repentina de eficiência do sistema de freios, devido à alta temperatura dos materiais que se atritam: a pastilha com o disco e a lona com o tambor. Os sistemas foram projetados para que isso não ocorra, mas, dependendo de um conjunto de fatores (alta velocidade, excesso de peso e uso prolongado, em longas descidas sinuosas), o sistema de freios pode parar de funcionar repentinamente. O motorista acha que isso é um defeito, fica apavorado e leva o carro à oficina. Mas, no meio do caminho, o conjunto esfria, a eficiência volta ao normal e ele fica com cara de tacho para o mecânico. Foi mais uma confusão provocada pelo fading.

Banguela, não!
Ao pôr o câmbio em ponto morto (a chamada banguela), principalmente em descidas longas, pensando estar economizando combustível (nos veículos com injeção eletrônica, o gasto é bem menor com a marcha engatada), o motorista abre mão do freio motor, que ajuda (e muito) na redução da velocidade do veículo. Isso sobrecarrega o sistema de freios, podendo causar o fading, que provoca a perda da eficiência, devido ao superaquecimento. O motorista pode pisar no pedal e não surtir efeito algum na redução da velocidade.

Luz do freio
Se ela acender, o motorista tem que parar imediatamente o carro, pois, correrá sérios riscos de acidente, se insistir em continuar. É que, nesse caso, o nível do fluido de freio está muito baixo e vai provocar queda na pressão do circuito, fazendo com que os freios não funcionem. O carro pode bater na traseira de outro ou num poste na primeira freada. Portanto, pare imediatamente!
Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação