Chuva - Prejuízos de verão

Motorista deve tomar muito cuidado ao transpor trechos alagados, pois a água pode entrar no motor e provocar calço hidráulico. Conserto é caro e não tem garantia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 19/01/2008 14:48 Eduardo Aquino /Estado de Minas
Ao transpor área alagada, engate a primeira ou segunda marcha e acelere pouco - Sidney Lopes/EM - 28/8/06 Ao transpor área alagada, engate a primeira ou segunda marcha e acelere pouco


No início do ano, o médico Jehad Farah seguia em seu Citroën Picasso, ano 2004, em direção a um supermercado, em Blumenau (SC), quando foi surpreendido por um temporal. A chuva forte provocou alagamento em diversos trechos da cidade. Depois de transpor uma poça d'água, que se formou em frente ao estabelecimento, o motor do carro de Jehad apagou. Ele chamou um reboque e levou o veículo à concessionária da marca na cidade, a Le Monde, e o diagnóstico foi calço hidráulico (veja box). O conserto, que inclui troca de pistãos, bielas e válvulas, foi orçado em R$ 6 mil, valor que está sendo questionado pela seguradora contratada pelo médico, que pediu uma perícia no motor, antes de autorizar o serviço.
A água entre nos cilindros (1, 2 e 3) e, ao tentar ser comprimida pelo pistão (4), empena a biela (5) - Arte de Christiano Gomes/Uai sobre Arte de Paulinho Miranda/EM A água entre nos cilindros (1, 2 e 3) e, ao tentar ser comprimida pelo pistão (4), empena a biela (5)

Jehad não se conforma. "A poça não era muito profunda, pois a água estava no mesmo nível dos pneus, e atravessei devagar, sem acelerar", explica. Ele questiona se o problema não foi causado pela posição do tubo que capta ar para o motor, que, segundo ele, é muito baixa e fica no mesmo nível do cárter. "Vários carros passaram pelo mesmo local e nenhum deles teve qualquer problema", acrescenta. De acordo com o gerente de pós-venda da Citroën, Eduardo Grassiotto, a tomada de ar não está posicionada na altura do cárter, e sim no mesmo nível da parte de cima do câmbio, o que dificulta a entrada de ar no motor em uso normal.

Montana
Outra vítima do calço foi o técnico em agropecuária João Renato Rabelo. Em dezembro do ano passado, um mês depois de comprar uma picape Chevrolet Montana, quando ia para o seu sítio, em Patrocínio, Alto Paranaiba, o motor do carro também aspirou água e sofreu o chamado calço hidráulico. Rabelo acha que o problema se deve à posição do sistema de captação de ar. "O fato ocorreu depois de uma chuva forte, mas a poça d'àgua tinha apenas cerca de 20 cm de profundidade e 10 m de comprimento. Já tive uma picape Fiat Strada e passei várias vezes sobre a mesma poça, sem nenhum problema", reclama.

O caso da picape de João Rabelo foi analisado pela General Motors, que negou o conserto em garantia, alegando que o problema foi causado por "influências externas, conforme seção 16-6 do Manual do Proprietário". O serviço foi orçado em R$ 4,8 mil. Revoltado, o técnico em agropecuária disse que a GM deveria avaliar melhor o problema, pois se trata de um veículo utilitário, também voltado para uso no meio rural. "Se este veículo não tiver aptidão para o meio rural, terei que vendê-lo", desabafa.

Os dois casos são bons exemplos de que todo cuidado é pouco no verão, quando as chuvas fortes, que provocam alagamentos em ruas, avenidas e estradas, são bastante comuns. Ao atravessar trechos alagados, o movimento de aspiração de ar realizado pelos pistãos pode puxar água para dentro do motor, provocando o temível e devastador (principalmente para o bolso) calço hidráulico, pois as montadoras não autorizam esse tipo de conserto em garantia. Mas nem sempre as montadoras estão isentas de culpa. Devido a problemas de entrada água no motor, a Fiat, por exemplo, reprojetou a tomada de ar do Uno, em março de 2006.

O que é calço hidráulico?
Ao atravessar trechos alagados, a água entra, pelo sistema de captação de ar do motor, na câmara de combustão e no interior dos cilindros. Ao tentar subir, o pistão encontra a enorme resistência da água, que, diferentemente do ar, é pouco compressível. O enorme esforço do pistão provoca o empenamento das bielas, ocasionando o calço hidráulico e, conseqüentemente, o travamento do motor.
Como evitar
1) Evite passar por locais muito alagados. É melhor perder algum tempo do que amargar prejuízo;
2) Se realmente tiver que atravessá-lo, engate uma segunda marcha e mantenha aceleração média e constante, pois isso vai evitar que a força de aspiração do motor seja muito alta, a ponto de puxar água para dentro do motor, e fazer com que o volume de gás expelido pelo propulsor seja suficiente para impedir a entrada de água pelo escapamento;
3) Se o motorista deixar o motor apagar durante a travessia, a primeira recomendação é não tentar fazer com que ele funcione (nem no tranco e nem na chave), pois o motor poderá estar cheio de água e essa atitude poderá provocar o calço hidráulico. O melhor é colocar a alavanca de marchas em ponto morto, empurrar e veículo até um local seguro e chamar reboque, para que seja feita análise em oficina.

Leia mais dicas no Veja Também, no canto superior direito desta página.

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação