Numeração do motor - Fim do tormento?

Autorização do Detran-MG para que três empresas façam remarcação em Minas Gerais pode acabar com o calvário de motoristas que tentam transferir seus veículos desde 2004

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 23/02/2008 23:41 Caderno de Veículos /Estado de Minas
Autorização do Detran-MG facilita remarcação de número do motor em caso de troca - Marlos Ney Vidal/EM - 29/9/05 Autorização do Detran-MG facilita remarcação de número do motor em caso de troca
Foi publicado, ontem, no diário oficial do estado, Minas Gerais, extrato de autorização, que permite a "gravação, regravação ou remarcação de chassi ou monobloco, motor ou agregado, em veículos automotores". Com isso, o Detran-MG espera resolver a situação de muitos motoristas que esperam, desde 2004, a possibilidade de transferir seus veículos, regularizando o problema do motor, que teve o número apagado ou precisou ser trocado, por algum motivo. Por enquanto, estão autorizadas as empresas Auto Socorro Frei Galvão, em Belo Horizonte; Starlub Automotivos Ltda., em Pouso Alegre, Sul de Minas; e Pneus Cap, em Capelinha, na região do Jequitinhonha/Mucuri. Mas o Detran-MG já analisa a autorização para três outras empresas.

"O Detran cumpriu seu papel institucional, autorizando as firmas a fazerem a remarcação. Com isso, esperamos resolver todas as situações pendentes no estado", afirma o delegado Luiz Cláudio Figueiredo, coordenador administrativo de trânsito do Detran/MG. Ele informa, ainda, que o sistema está informatizado, o que dará maior agilidade e segurança ao processo. Para resolver a situação, o motorista deve procurar o Detran ou Ciretran (nas cidades do interior) e solicitar a autorização para a gravação. Em seguida, já pode procurar uma das empresas credenciadas para o serviço.

O problema é que como apenas três oficinas foram autorizadas a realizar o procedimento, em diferentes regiões do estado, não há concorrência, sendo o preço estabelecido pelas próprias empresas. Segundo Cristiane Teixeira Belo de Castro, proprietária da Auto Socorro Frei Galvão, os serviços vão começar a partir da segunda-feira e os preços ainda estão em estudo, mas devem variar de acordo com o veículo e modelo.

Martírio
O calvário dos motoristas começou em setembro de 2004, quando entrou em vigor, a portaria 17 do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), impedindo que motores de reposição sejam marcados fora da montadora, podendo, caso contrário, não ser registrados no Renavam e gerando dificuldades para consumidores com a documentação de seus veículos. O propósito de tal portaria é impedir o desmanche de carros roubados e a comercialização de suas peças, mas, mesmo em casos em que a troca não é realizada, o rigor da medida prejudicava, ainda que, indiretamente, quem pretendia vender, comprar e transferir automóvel.

O orçamentista Richardson Pereira Gomes comprou um Ford Ka, ano 1998. Quando foi transferir o veículo teve uma surpresa desagradável: a documentação não conferia com o número do motor que estava no seu carro. O delegado de trânsito queria tirar o propulsor do carro e apreender, por não haver registro, conta. Posteriormente, Gomes foi informado pela antiga proprietária de que o motor tinha fundido com apenas dois meses de uso e que, por isso, havia sido trocado em garantia na concessionária Brasauto, em Ipatinga, região do Vale do Aço. "Deram-me uma carta laudo dizendo que o motor foi trocado, mas isso não tem valor judicial e não consigo transferir o veículo", diz Gomes.

Segundo Adriano Fortes da Silveira, diretor administrativo da Brasauto, a troca do motor foi realizada quando a concessionária era de outro proprietário e a substituição não foi confirmada. Além disso, Silveira alega que conseguiu solucionar o caso, mas que Richardson não aceitou os termos propostos. "Consegui uma autorização com o delegado de trânsito, que prometeu que, se ele e nós assinarmos a declaração de procedência e licitude do motor, o veículo seria transferido para seu nome. Mas ele quer um componente novo", afirma Silveira. Richardson nega que queira um novo propulsor e afirma que reclama a emissão de nota fiscal na justiça para realizar a transferência do veículo.

Desgaste

O mecânico André Luiz Rezende comprou caminhonete S10, ano 2000, e não conseguiu transferi-la. "Pediram o número do decalque, mas a etiqueta é de papel e se desgastou com o tempo, se dissolveu", afirma. A concessionária forneceu carta-laudo da General Motors, mas também não foi aceita, assim como o número gravado no bloco da picape. Até me deram uma foto na concessionária, para mostrar como a etiqueta fica disposta no motor, conta Rezende.

O analista de sistemas Fabrizio Colombo Machado também enfrenta problemas com sua S10. Quando foi vender o veículo, descobriu que os números constantes no motor e no documento são diferentes. "O número que está no documento não tem padrão com nenhuma montadora, mas o do motor está correto", conta. O problema, segundo Machado, é que o número que está no motor de sua picape é o mesmo de outra caminhonete. O analista de sistemas afirma ainda que pediu uma carta laudo da GM, por intermédio de seu despachante, para certificar se o número do chassis conferia com o do motor e, assim, tentar uma solução para o caso, porém, sem ainda saber se o documento terá validade.

Segundo a General Motors, é possível verificar o número dos motores registrados no Renavam a partir do ano de 1992. A responsabilidade da averiguação é do Detran, Ciretran ou de delegacias de polícia, variando de acordo com a cidade do residente, que expedem um ofício solicitando as informações necessárias para a montadora, cabendo a ela a emissão de uma carta laudo. A GM informa ainda que cada caso é tratado de acordo com sua necessidade.

De acordo com Luiz Cláudio Figueiredo, existe um pré-cadastro dos veículos que saem das montadoras interligado com o Base de Índice Nacional (BIN) - que regula toda a frota de automóveis no Brasil. Se o resultado da consulta não indicar divergências entre os dados do veículo, o que poderia ser um indício de peças furtadas repostas no mercado, a transferência é realizada normalmente. Caso haja diferenças, o órgão responsável pela averiguação expede um ofício à montadora solicitando as informações necessárias por carta laudo. Se os dados do documento conferirem com os do automóvel a transação é efetivada. Figueiredo explica ainda que o proprietário não tem que pagar a multa pela não transferência em 30 dias. "Como demanda algum tempo para receber as informações da montadora, não há multa", diz.
Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação