Catalizador - Marmita vazia ataca pulmões

Componente que reduz emissão de gases tóxicos segue ignorado por grande parte dos proprietários de carros, contribuindo no aumento da poluição do ar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 10/05/2008 11:35 Caderno de Veículos /Estado de Minas
Consumidor precisa ficar atento à manutenção do componente, que deve ser feita por profissionais especializados - Fotos: Arquivo/EM Consumidor precisa ficar atento à manutenção do componente, que deve ser feita por profissionais especializados
O cidadão brasileiro reclama muito da poluição do ar nas grandes cidades, mas nem sempre pensa se tem contribuído para reduzir a emissão de gases poluentes no ar. É o caso dos proprietários de automóveis. É comum vermos carros trafegando pelas ruas e estradas liberando fumaça tóxica, que aumenta os índices de poluição e doenças respiratórias. Muitos deles estão com o catalisador vencido ou simplesmente sem o componente, tornando a situação ainda mais grave. Quantos são os motoristas que se lembram de fazer uma revisão no catalisador? A prática mostra que são poucos.

De acordo com Carlos Eduardo Moreira, gerente de Desenvolvimento de Novos Negócios da Umicore, fabricante de catalisadores automotivos, um automóvel que circula sem esse componente ou algum outro do sistema de exaustão emite 100% de gases tóxicos no ar. Estudo realizado em parceria pela Umicore, Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental (Cetesb) e a Mastra Escapamentos aponta que um em cada quatro carros do estado de São Paulo circula com catalisadores falsos ou com a peça sem o núcleo cerâmico. Ou seja, com a marmita vazia.

Função
Os gases produzidos pelo motor do carro percorrem todo o sistema de exaustão e no catalisador são convertidos em substâncias inofensivas ao meio ambiente. De acordo com o fabricante, o catalisador foi projetado para ter a mesma durabilidade do automóvel, mas pancadas, má conservação do carro e uso de combustível adulterado contribuem para reduzir o tempo de uso do equipamento.

Prevenção
É fundamental fazer manutenções preventivas no sistema de exaustão, procurando detectar e solucionar problemas como amassados, rachaduras, vazamentos e furos nos componentes.

Efeitos
O motorista que mantém o carro com falso catalisador ou com o equipamento com sua eficiência comprometida corre o risco de ter os seguintes problemas: emissão sem controle de gases poluentes; sistema de injeção eletrônica desregulado; alteração da contrapressão do sistema de escapamento; aumento do consumo de combustível e perda de rendimento do motor.

Quando trocar
O catalisador deve ser trocado quando ocorrer perda de força do motor ou se for notado barulho no escapamento, como se tivesse uma peça solta. O catalisador novo deve ter certificado de garantia e deve-se exigir nota fiscal.

Danos à saúde
Saiba quais são os gases emitidos por automóveis sem catalisador ou com o componente adulterado. Veja ainda as conseqüências para a saúde e o resultado da catálise feita por um equipamento original:

Gases
. HC (hidrocarbonetos);
. CO (monóxido de carbono);
. NOx (Óxido de nitrogênio);
. O3 (oxidantes fotoquímicos, ozônio e aldeídos);

Efeitos
. Irritação nas vias respiratórias, anemia, leucemia e câncer pulmonar;
. Asfixia sistêmica, pneumonia e danos cerebrais;
. Provoca bronquite, enfisema, insuficiência respiratória, ardência nos olhos, nariz e mucosas, além de mutações genéticas;
. Irritação nos olhos, garganta e infecções generalizadas;

Após a catálise
. Transforma-se em vapor de água e gases inofensivos;
. Transforma-se em gás carbônico (gás exalado ao respirarmos);
. Transforma-se em N2 (nitrogênio), que representa 75% do ar que respiramos;
. São originadas das reações fotoquímicas da luz solar com os poluentes HC, CO e NOx.

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação