Eixo do Stilo - Muito além da coincidência

Relatos de proprietários do modelo, que sofreram acidente, em que houve soltura da roda, sugerem defeito no automóvel. Veículos teve acesso a cinco casos semelhantes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 07/06/2008 18:30 Paula Carolina /Estado de Minas
Testemunha afirma ter visto Testemunha afirma ter visto "pneu" se soltar do automóvel de Carla antes da batida
Já são cinco os relatos de proprietários de Fiat Stilo, que sofreram acidente, em que houve a quebra da roda traseira, em alguns casos do lado direito; em outros, do esquerdo. Na semana passada, publicamos informações de dois proprietários de Stilo 07/07 que se acidentaram depois de perder o controle do carro (leia no Veja Também, no canto superior direito deata página), que teve uma das rodas separada do eixo, em um dos casos, junto com o cubo. Os dois motoristas acreditam que o acidente teria sido provocado pela soltura da roda; enquanto a montadora, que recolheu peças para análise, afirma que a quebra da roda foi decorrente da colisão. Veículos, no entanto, teve acesso a relatos de outros três acidentes, bem semelhantes.

Veja como foi o videochat com a Fiat e comente sobre o assunto!

O mais sério foi em setembro do ano passado, na BR-040, próximo a Sete Lagoas (MG), com o técnico em informática Márcio Gomes de Menezes. Ele dirigia um Stilo 06/06, com 21 mil quilômetros rodados. Junto com Márcio, havia duas pessoas no carro e uma delas morreu no local. "Eu senti o carro desgovernar e vi a roda traseira direita passando na minha frente", lembra. Segundo Márcio, a roda não foi encontrada, e o carro foi levado pela seguradora, que providenciou a indenização por perda total.

Veja mais fotos de Stilos que supostamente tiveram problemas com o eixo traseiro!

Não menos grave, foi o ocorrido com a guia turística Carla Barbosa, moradora de Sobradinho (DF). Ela voltava de viagem a Fortaleza, em fevereiro, quando perdeu o controle do carro, na BR-242, na Bahia. Carla estava com o marido e as três filhas. Uma delas teve traumatismo craniano, mas se recuperou sem seqüelas. Carla conta que sentiu o carro, sem controle, primeiro girar para a direita e depois para a esquerda. Em seguida, bateu em um barranco e saiu arrastando. "Saímos do carro sem saber o que tinha acontecido. Foi quando um rapaz veio gritando, dizendo que havia visto a roda sair. Ele veio trazendo a roda, numa distância de 100 m", diz. A roda quebrada foi a traseira esquerda, e o carro, um Stilo Sporting 07/07, adquirido em outubro do ano passado.

Há pouco mais de dois anos, em outubro de 2005, outro proprietário de Fiat Stilo 05/06, que prefere não se identificar, sofreu acidente parecido, na BR-381, próximo à cidade de Oliveira, sentido Belo Horizonte/São Paulo. O carro tinha apenas 2 mil quilômetros rodados e o acidente foi de menor gravidade. A roda perdida foi a traseira esquerda. "No meu caso, fica ainda mais nítido que a roda soltou antes, pois não bati em nada, fui direto no canto da rodovia, entrando no mato. O carro não sofreu nenhum dano na estrutura", afirma. Depois de deixar o automóvel para ser reparado em concessionária autorizada, ele questionou o fato, mas a resposta foi a mesma dada aos demais proprietários: a roda teria soltado em função do acidente. Ele vendeu o carro logo depois.
Mesma situação, porém sem colisão, já havia ocorrido, dois anos antes, na BR-381 - Arquivo Pessoal Mesma situação, porém sem colisão, já havia ocorrido, dois anos antes, na BR-381

Perícia
O Stilo Sporting de Carla Barbosa está no pátio da concessionária OK Automóveis, em Brasília. Antes, porém, de o veículo ser submetido à análise da montadora, Carla contratou um profissional para realizar uma perícia, que constatou, depois de examinar o carro e o local do acidente, que o "eixo da roda traseira esquerda quebrou-se, ocasionando a perda de rumo do veículo e fazendo-o colidir com o barranco". O laudo técnico relata, ainda, depoimento de um motorista que trafegava logo atrás e diz ter visto "um pneu" sair do veículo antes da colisão.

Carla também procurou vários órgãos de defesa do consumidor e entrou, em abril, com um processo no Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão do Ministério da Justiça, pedindo a análise do caso e a possível exigência de convocação de recall pela Fiat. Nossa equipe de reportagem fez o mesmo questionamento ao DPDC, que não retornou até o fechamento desta matéria.

Inválida
Segundo a Fiat, a perícia contratada por Carla Barbosa não é válida, por ter sido apenas visual. De acordo com a montadora, todas as peças foram analisadas e não foi constatada nenhuma irregularidade, como nos casos anteriores (relatados no Veja Também). A assessoria da fábrica acrescenta que, exatamente por isso, o processo foi arquivado no Procon de Brasília. No entanto, não soube informar se as testemunhas apontadas foram contatadas pelo fabricante, em busca de uma apuração mais rigorosa do caso. Ainda segundo a assessoria, a análise do eixo do Stilo se limitou aos veículos acidentados (automóvel de Carla Barbosa e dos dois outros proprietários ouvidos pela nossa equipe na matéria "Defeito ou batida?").

Já em relação aos outros dois casos citados nesta reportagem, a assessoria afirma que serão investigados, dentro das possibilidades da fábrica, já que não há mais como ter acesso às peças e veículos acidentados. A montadora é firme na posição de que não há nenhum problema com o eixo do Stilo.
Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação