Sapato errado - Entre o carro e o piso

Quando se usa veículo 4x4 somente na cidade é errado equipá-lo com pneus para rodar no fora-de-estrada

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 04/10/2008 10:55 Eduardo Aquino /Estado de Minas
Pneumático inadequado pode gerar ruído e desgaste prematuro e irregular - Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press - 30/7/08 Pneumático inadequado pode gerar ruído e desgaste prematuro e irregular
As vendas de picapes e utilitários-esportivos estão em alta. Como esse tipo de veículo geralmente tem alguma aptidão para o fora-de-estrada (tração 4x4, boa altura do solo, bons ângulos de ataque e saída, etc.), o comprador logo pensa em equipá-lo com pneus próprios para a terra, lama e areia. Às vezes, a troca é feita por motivos estéticos, para deixar o carro mais bonito e com aparência mais esportiva. O problema é que, na maioria dos casos, o dono do carro roda quase 100% do tempo no asfalto e raramente encara estrada de terra. Saiba quais são os problemas gerados pelo uso do "sapato" inadequado para o veículo.

Apropriados
Assim como outros componentes, os pneus também incorporam alto nível de tecnologia e são desenvolvidos para uso cada vez mais específico. Quem acompanha as corridas de Fórmula 1, sabe da importância de se escolher um "pisante" adequado para a pista seca, molhada ou intermediária. Uma opção certa ou errada do pneu acaba sendo determinante para a vitória, saída de pista ou batida. E embora em nível de sofisticação menor, a compra do pneu adequado, para o uso no asfalto ou no fora-de-estrada, é determinante para a performance do veículo e o bolso do proprietário.

Borracha
De acordo com Roberto Giorgini, coordenador de produto SUV (utilitários) e ULT (picapes leves) da Goodyear, pneus de uso misto (terra/asfalto) são feitos com um pouco mais de borracha natural na banda de rodagem, para suportar a abrasividade do piso (necessidade maior de tracionamento) e não permitir o arrancamento (soltar pedaços), no caso de derrapagem ou giro em falso na terra, por exemplo. "Ao rodar constantemente no asfalto, esse produto apresenta desgaste mais irregular e acentuado, nível de ruído mais elevado e desempenho pior, principalmente em estabilidade", explica Giorgini.

Ombros
Na prática, significa que o motorista deve tomar mais cuidado, principalmente em curvas, e que vai conviver com barulho irritante durante a viagem, o que pode gerar mais cansaço. Flávio Santana, gerente de marketing e produtos para pneus de passeio e caminhonetes da Michelin, explica que o pneu desenvolvido para o asfalto tem gomos mais compactos e se apoia mais nos "ombros" nas curvas, enquanto aqueles criados para o fora-de-estrada tem o "ombro" mais recortado, o que reduz um pouco o apoio e, conseqüentemente, a estabilidade.

Prejuízo
Além de todos esses inconvenientes, ao rodar sempre no asfalto com pneus mais voltados para o fora-de-estrada, o proprietário do veículo também vai gastar mais, pois os produtos mais específicos para a terra, lama e areia costumam ser bem mais caros (até 40%) do que aqueles desenvolvidos para pisos mais lisos. Tomando como exemplo dois Wranglers, da Goodyear, na medida 235/75 R15, o RT/S (70% asfalto/30% terra) custa em média R$ 445, enquanto o AT/S (50% asfalto/50% terra) tem preço médio de R$ 494.

Liso
O motorista que encara trechos de terra com pneu liso (para o asfalto) também vai enfrentar vários problemas. Como a escultura não é voltada para soltar a terra, o cascalho e a areia, os sulcos logo se enchem e a banda fica ainda mais lisa do que antes, perde até mesmo a aderência que tinha no asfalto, tornando perigosas as curvas e freadas. A falta de reforço na banda de rodagem também pode ocasionar dano irreversível logo no primeiro choque com uma pedra.
Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação