Manutenção - Ar na medida certa

Para que os pneus tenham durabilidade maior, é preciso ter atenção com alguns cuidados, que começam com a checagem da calibragem, seguindo as recomendações do fabricante

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 26/10/2008 18:15 Caderno de Veículos /Estado de Minas
O ideal é calibrar os pneus do carro uma vez por semana, inclusive o estepe, para evitar prejuízos - Maria Tereza Correia/EM/D. A Press - 13/12/00 O ideal é calibrar os pneus do carro uma vez por semana, inclusive o estepe, para evitar prejuízos
Os pneus são o elo entre o carro e o solo, por isso devem ser tratados com o devido respeito, pois são componentes de segurança. Mas muitas pessoas se esquecem de mantê-los conforme os padrões recomendados pelos fabricantes e com isso comprometem a durabilidade, colocando em risco a vidas de quem está no veículo. Saiba quais os cuidados que garantem vida longa aos pneus e segurança à sua família.

Calibragem
Deve ser checada semanalmente para evitar o desgaste prematuro e irregular dos pneus e economizar combustível. De acordo com pesquisa divulgada por um fabricante, um veículo que circula com pneus com 20% a menos da pressão recomendada consome cerca de 2% a mais de combustível. Por isso, o motorista deve seguir as orientações previstas pelo fabricante do veículo, ou seja, deve colocar a pressão indicada no manual do proprietário.

Baixa pressão
Pneus que não são calibrados regularmente perdem a pressão e ficam danificados, com desgaste geral acentuado, além de contribuírem para o aumento do consumo de combustível, devido à maior resistência ao rolamento. Provocam ainda a perda de estabilidade em curvas, devido à menor área de contato com o solo. A direção fica pesada, dificultando as manobras rápidas. O pneu vazio resulta em eventuais rachaduras na carcaça, na área dos flancos, devido ao aumento da flexão e do calor, além da soltura da banda de rodagem, iniciada pelos ombros. Ocorre também o desgaste prematuro dos terminais de direção, causado pelo aumento da exigência do sistema. Um pneu descalibrado, com baixa pressão, apresenta um risco bem maior de sofrer cortes quando o carro passa por buracos.

Pressão alta
Se os pneus forem calibrados com a pressão acima do recomendado pelo manual, estão sujeitos a problemas como: perda de estabilidade em curvas, pois a área de contato com o solo é menor; rachaduras na base dos sulcos, devido ao esticamento excessivo; maior propensão a estouros por impacto, pois a absorção será menor; maior facilidade de perfuração, provocada pela rodagem mais rígida; e desconforto, pois o pneus absorve menos as irregularidades do piso.

Periodicidade
O motorista deve checar a calibragem dos pneus pelo menos uma vez por semana. E isso deve ser feito quando eles estiverem frios. Portanto, o melhor é o motorista fazer a calibragem pela manhã e no posto mais próximo de casa, para evitar que se aqueçam. Não se esqueça de calibrar também o estepe, sempre com umas libras a mais do que os pneus de rodagem.

Tampinha e válvula
Um acessório pequeno, mas importante, é a tampinha da válvula de enchimento do pneu. Sem ela, a válvula pode ser danificada por todo tipo de sujeira, chegando a travar, permitindo que o ar vaze. Quando trocar o pneu, substitua também a válvula, pois o ar comprimido contém impurezas que a resseca.

Desgaste
A lei brasileira segue o padrão internacional: os sulcos dos pneus devem ter, no mínimo, 1,6 milímetro. Pneus "carecas" ou "frisados" (aqueles nos quais alguns borracheiros fazem sulcos novos quando a banda de rodagem está abaixo do limite legal) são um perigo, principalmente nas estradas, quando o veículo está em velocidades elevadas. Pneus muito desgastados reduzem a estabilidade em pisos molhados e facilitam a ocorrência de aquaplanagem (perda de contato do pneu com o solo devido à formação de uma lâmina dágua) em dias de chuva.

EQUILÍBRIO

Alinhamento
Qualquer alteração que ocorra nas especificações de alinhamento, ocasionada por impacto, trepidação, compressão lateral e desgaste dos componentes da suspensão, poderá comprometer o bom comportamento do veículo e provocar desgaste irregular e prematuro da banda de rodagem.

Quando fazer
A cada 5 mil quilômetros ou a cada troca, quando os pneus estiverem apresentando desgaste excessivo na área do ombro e da banda de rodagem; trepidação das rodas dianteiras; volante duro; direção tendendo para os lados quando o motorista larga o volante; ou quando o carro desvia e puxa para o lado.

Balanceamento
Você sabe o que acontece quando as rodas do seu carro ficam desbalanceadas? Elas danificam os pneus, roubam milhares de quilômetros deles e provocam um indesejável desconforto ao dirigir. O dano mais comum ocasionado pela falta de balanceamento é o desgaste acentuado e irregular em pontos alternados da banda de rodagem. O desconforto é ocasionado pela trepidação transmitida ao volante pela oscilação do conjunto pneu/roda, quando estão em movimento. Para obter o equilíbrio ideal entre o conjunto roda/pneu, deve-se fazer uma aplicação de contrapesos de chumbo nos pontos mais leves da roda.

Quando fazer
A cada troca de pneus; por ocasião do rodízio; ao primeiro sinal de vibração ou desgaste irregular da banda de rodagem; e após ter efetuado reparo no pneu ou na câmara de ar.
Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação