Usados - Hora de comprar

Crise, que afeta mercado de veículos, cria oportunidades interessantes para quem não faz questão do carro zero. Preços dos chamados seminovos tiveram redução de até 20%

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 02/11/2008 11:00 Paula Carolina /Estado de Minas
Roberto Rocha/RR - 12/11/01
Situação complicada para alguns, momento de oportunidade para outros. Se, por um lado, a crise do mercado financeiro mundial afeta, em parte, o comércio de veículos, com a redução de prazos de financiamento, exigência de maiores entradas e dificuldade na concessão de créditos, por outro pode impulsionar a negociação do carro usado, até então afetada pelas enormes facilidades de compra do zero-quilômetro. Uma das conseqüências imediatas foi a redução da diferença de preço entre os veículos novos e os chamados seminovos (com até dois anos de uso), voltando a ser vantagem investir num carro 2006 ou 2007, em vez de se partir para o zero. Além disso, nos usados, de maneira geral, independentemente do ano, houve queda acentuada nos preços, que chega a 20%, o que aumenta, e muito, as chances de quem pretende comprar à vista. Já nos financiamentos, para resolver o problema da alta dos juros pelos bancos particulares, as financeiras dos fabricantes de veículos investiram em taxas subsidiadas - antes regalia dos zero-quilômetro - também para os usados.

Antes de fechar o negócio, veja alguns cuidados na hora de comprar um usado!

"Os preços caíram muito. Hoje não se vende mais um usado pela tabela Fipe. Um usado que, há seis meses, era vendido por R$ 65 mil, hoje talvez não chegue a R$ 60 mil. É um momento bem interessante para quem quer comprar", avalia o vendedor Ricardo Machado, da ADM Automóveis. Exemplo parecido dá o gerente de vendas da concessionária Chevrolet LiderBH, Dálcio Amorim Carneiro: "Há 30 dias, um veículo usado chegava aqui valendo R$ 20 mil, hoje vale R$ 17 mil, e olhe lá. Os usados baixaram de preço assustadoramente. Logo, é um bom momento para quem quer comprar".

Diferença
O coordenador de usados da concessionária Fiat Automax, Hilton Fonseca, acrescenta que uma das principais vantagens foi a queda de preço do seminovo em relação ao zero-quilômetro. "Quando o mercado estava aquecido, os preços estavam muito próximos e não compensava comprar o usado. Agora, essa diferença compensa", diz. Na tentativa de fazer girar os estoques, desde a semana passada a revenda anuncia 180 carros usados a preço de custo. Oferta que, de acordo com Fonseca, já começou a estimular o mercado de usados.

O Shopping Portal investe em promoções, anunciando a venda de carros usados com preços R$ 2 mil abaixo da tabela Fipe, que é referência no mercado para compra e venda de usados. Segundo o supervisor do Portal, Daniel Demattos, desde o início da promoção, um estoque de 70 veículos já foi vendido, mas a idéia é continuar movimentando os estoques e a tendência é que a proposta dure por todo o mês. "O preço do carro usado caiu muito. Estava hipervalorizado. Agora é o momento de alavancar as vendas", acrescenta o gerente de marketing do Show Auto Mall, Luís Felipe Cavalliere. Em breve, o Auto Mall deve voltar a oferecer seis meses de garantia na compra dos usados, medida que já fez sucesso no passado.

Acomodação
Para o gerente de vendas da concessionária Volkswagen Catalão, Alexandre Peixoto, o mercado de usados está se reposicionando em duas linhas: se por um lado a avaliação caiu, quando o objetivo é a troca por outro carro, a queda é compensada com o melhor preço do usado para o consumidor que deseja comprar. "Hoje, o carro está R$ 5 mil mais barato do que há seis meses", compara. No fim do mês passado, a VW divulgou taxas de juros especiais, de 0,98% (50% de entrada/36 meses), para usados a partir de 2004. A taxa ainda não foi prorrogada, mas o gerente acredita que o banco VW deve, em breve, anunciar outras ações (ou até a mesma) neste sentido. "Foi uma condição boa, vendi mais usados com essa taxa do que um fim de semana antes de sua divulgação, quando houve feirão", afirma.

O mesmo ocorreu com o banco Peugeot. No fim de outubro, a fábrica anunciou taxas para usados acima de 2003 de 0,99%, para compras em 24 meses, ou de 1,19%, para 36 meses, sendo a entrada, nas duas situações, de 25%. Segundo o gerente de vendas, Francisco Albuquerque Neto, também houve fechamentos de negócios em função da taxa especial, o que deve fazer com que a montadora volte a programar ações parecidas. "Os estoques estão muito grandes e os preços dos usados foram realinhados para baixo. É o momento de o consumidor brigar por um bom preço", aconselha.

Ford
Pegando carona na idéia, o Banco Ford anunciou a taxa de 0,99%, com 50% de entrada e prazo de 24 meses, para usados, válida até dia 10. Os juros promocionais são praticados pelas concessionárias Ford que aderiam ao programa oferecido pela banco da fábrica.

. GM anuncia abertura de novo programa de demissão voluntária
.
Vendas de veículos têm 1ª queda do ano em outubro
.
GM amplia férias coletivas para até 4.000 no interior de SP
. Chrysler pode desaparecer após fusão com a GM
. Renault fecha fábrica na França por duas semanas
. Chrysler cortará 6% da força de trabalho nos EUA
. GM anuncia demissões ante sucesso limitado de plano de demissões
. Começam demissões na cadeia automotiva seu texto
Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação