Não compre no escuro - Um touché no francês

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 07/12/2008 16:37 Pedro Cerqueira /Estado de Minas
Hatch foi reestilizado em 2003, ganhando faróis maiores com duplo defletor - Fotos: Eduardo Rocha/RR - 29/3/04 Hatch foi reestilizado em 2003, ganhando faróis maiores com duplo defletor
Esta edição da série se debruça sobre o Renault Clio, lançado na Europa em 1990. O modelo chegou ao Brasil em 1996, importado da Argentina. Por ter linhas ultrapassadas e não oferecer opção de motor 1.0, de início o carro não fez muito sucesso por aqui. Em 1999, a Renault lançou a segunda geração do Clio, já fabricado no Brasil, com linhas mais arredondadas e atuais. Para corrigir a falha anterior, o novo modelo oferecia motorização 1.0 (desenvolvido a partir do motor 1.2 europeu) na versão de entrada e duas outras equipadas com novo motor 1.6, de 90 cv. Em 2001, uma versão 1.0 do modelo hatch recebeu cabeçote multiválvulas que desenvolvia 70 cv.

. Não compre no escuro - Ford Fiesta!
. Não compre no escuro - Chevrolet Celta!
. Não compre no escuro - Volkswagen Gol!
. Não compre no escuro - Fiat Palio!

Em 2003, a segunda geração foi reestilizada, ganhando grandes faróis de duplo defletor, grade dividida com o logotipo do fabricante, além das lanternas e pára-choque traseiro. A Renault pecou ao manter o painel praticamente igual ao modelo anterior. Fato curioso é que nesse ano, pela primeira vez, a versão de três portas passou a ser produzida. Em 2004, surgiu a primeira versão bicombustível do Clio. A marca francesa apresentou em 2005 o motor Hi-Power 1.0 16V, de 76 cv, que prometia desempenho de 1.4, substituído no ano seguinte pelo Hi-Flex 1.0, que desenvolvia 77 cv quando abastecido com álcool. Também em 2006 o carro ganhou retoques sutis.
Carroceria com linhas arredondadas e colunas traseiras largas - Carroceria com linhas arredondadas e colunas traseiras largas

O objetivo da série "Não compre no escuro" é prestar informações para auxiliar a compra de um veículo usado e também ajudar quem já tem o modelo analisado a elaborar plano de manutenção. Os modelos são analisados por especialistas em diversas áreas (mecânica, elétrica, lanternagem, pintura, acabamento, emissão de ruídos) que, além de informar os problemas mais comuns de cada modelo, calculam o custo médio desses reparos.

. Melhor custo/benefício entre R$ 30 mil e R$ 45 mil - Caro em conta
. Melhor custo/benefício entre R$ 23 mil e R$ 29 mil - Peladinho com conteúdo

Problemas e orçamento

MECÂNICOS
Entupimento do suspiro do motor, sujando o filtro de ar de óleo de motor
Troca: R$ 227

Vazamento de óleo na junta da tampa de válvula
Troca da junta: R$ 152

Vazamento no anel de vedação do bujão do cárter
Troca do anel: R$ 25

Bomba d'água vaza com freqüência, causando aquecimento do motor
Troca: 582

Folga no setor de direção (direção mecânica)
Troca: R$ 685

Pivô da suspensão desgasta rapidamente
Troca: R$ 374

Rolamento de roda traseiro fazendo barulho
Troca: R$ 315

Lanterna traseira queima com freqüência (e interfere no sistema elétrico)
Troca: R$ 390

Lado direito do coxim do motor quebra
Troca: R$ 110

ELÉTRICOS
Defeito no sensor de rotação ou em seu conector impede partida do motor
Limpeza dos contatos do conector: R$ 60
Troca do conector: R$ 122 a R$ 300

Defeito na bobina de ignição e nos cabos faz o carro falhar
Troca da bobina e cabos: de R$ 380 a R$ 589
Defeito no corpo da borboleta faz acender a luz da injeção eletrônica e o carro pára de acelerar
Troca do corpo, limpeza do coletor e do sistema de respiro de óleo: de R$ 832 a R$ 895

LATARIA/CARROCERIA
Má qualidade das soldas da carroceria fazem com que as chapas de aço se soltem e causem barulho
Refixação dos pontos de solda: de R$ 100 a R$ 500

PROJETO
Coxim de reação é mal dimensionado e se quebra com freqüência
Troca: R$ 310

Coluna "C" (traseira) larga dificulta visibilidade nas manobras

ACABAMENTO
Maçanetas internas e manivelas dos vidros são frágeis

RUÍDOS (causados por)
Má regulagem do capô
Dilatação da base de fixação dos pára-choques e dos faróis
Isolamento precário de componentes internos do painel de instrumentos, fechadura, forro da tampa do porta-malas, lâmina do teto, forração das portas, máquina de vidro, triângulo, estepe, chave de roda e macaco
Folgas no encosto e base de fixação dos bancos
Vibração do bagagito (cobertura do porta-malas)

A mão-de-obra de um tira-grilos, que elimina os ruídos do carro, custa a partir de: R$ 200

Modelos já analisados: VW Gol; Fiat Palio; Chevrolet Celta e Ford Fiesta.

Colaboraram para a reportagem: AutoWay (31-3442-7342);
o "tira-grilos" Luiz Fernando Machado (31-3226-2677); Autowatt (31-2526-4516); Marcha Livre (31-3481-3200) ;Engecar (31-3334-2912).

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
10 de janeiro de 2011
18 de dezembro de 2009

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação