Esportividade sem brilho

Testamos o Fiat Argo 1.8 HGT, que tem visual interessante, bom conteúdo, mas falta motor

Versão topo de linha do novo hatch da marca italiana apresenta predicados interessantes para encarar a concorrência, mas tem no desempenho mediano um dos seus pontos fracos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 22/07/2017 19:46 / atualizado em 22/07/2017 20:11 Pedro Cerqueira /Estado de Minas

Edésio Ferreira/EM/D.A. Press
 

A Fiat não erra em confiar ao Argo a tarefa de levá-la de volta à liderança do mercado nacional. Mesmo com a primeira impressão de que os R$ 46.800 cobrados pela versão de entrada são um preço muito elevado para um modelo de volume, o mercado responde trazendo como veículos mais vendidos o Chevrolet Onix (a partir de R$ 41.690 na carroceria antiga e R$ 46.150 na reestilizada) e o Hyundai HB20 (a partir e R$ 43 mil), sinalizando que os ditos compactos premium estão vendendo mais que os de entrada.

Edésio Ferreira/EM/D.A. Press

Nascido com a missão de substituir três modelos – as versões mais caras do Palio, o Punto e até o Bravo – a Fiat “armou” o modelo para combater em várias frentes de batalha com motores 1.0, 1.3 e 1.8; câmbios manual, automatizado e automático; e diferentes versões de conteúdo. Porém, o novo Fiat Argo só convence mesmo como sucessor do Punto. Recebemos para teste a versão HGT 1.8 com câmbio manual, que vai disputar terreno entre os hatches compactos premium com visual (só visual!) esportivo.

Edésio Ferreira/EM/D.A. Press

A versão HGT traz como elementos esportivos um acabamento vermelho na grade inferior, spoiler nos para-choques, molduras nas caixas de roda e na base da lateral, aerofólio e capa dos retrovisores em cinza, ponteira de escapamento larga e rodas de liga leve de 16 polegadas. Como opcional, a unidade testada estava equipada com rodas de 17 polegadas. Se você gostou desse azul do modelo das fotos, saiba que a pintura é sólida e não tem custo adicional.


CASAMENTO O Argo incorpora a nova linguagem visual da marca, um rompimento claro com a escola italiana de design. Se o mercado tivesse alguma coerência, seria de se duvidar que o consumidor reconhecesse ali um substituto do Punto. O modelo tem frente alongada e um capô repleto de vincos. As linhas musculosas seguem pelas laterais e terminam na traseira curta, que traz lanternas com LEDs e um grande aerofólio. O interior também escancara a integração entre as marcas da FCA, em um painel de instrumentos nos moldes do Jeep Renegade, com dois mostradores analógicos e uma tela central de alta definição.

Edésio Ferreira/EM/D.A. Press

DENTRO No interior, uma faixa vermelha na parte central do painel caracteriza a versão esportivada. Fora isso, tudo dentro do carro é preto: painel, bancos, colunas e revestimento do teto. O visual pode agradar, mas, se precisar achar algum objeto ali dentro à noite, nem adianta acender as luzes, é como se elas não existissem. O acabamento leva muito plástico (sempre de boa aparência), com detalhes em couro nos painéis das portas dianteiras e algumas molduras cromadas para quebrar a mesmice. Os bancos revestidos em couro são opcionais. Tapetes acarpetados também melhoram a aparência do interior.

Faixa vermelha que atravessa o painel é detalhe na versão HGT - Edésio Ferreira/EM/D.A. Press Faixa vermelha que atravessa o painel é detalhe na versão HGT

A junção entre o painel e os painéis das portas tem uma integração. Apesar de ter um desenho interessante, os painéis das portas são formados por muitas peças, possivelmente para a personalização das diferentes versões, comprometendo o visual. O espaço interno é bom para um compacto. O motorista encontra boa posição para dirigir ajustando o banco (também em altura) e o volante (altura e distância). O banco traseiro tem apoios de cabeça e cinto de segurança de três pontos para todos os ocupantes. O porta-malas oferece bom espaço e ainda guarda o estepe, que é de uso temporário.
Banco traseiro tem itens de segurança para os três passageiros - Edésio Ferreira/EM/D.A. Press Banco traseiro tem itens de segurança para os três passageiros

MORNO A interação entre o motor 1.8 e o câmbio manual de cinco marchas não mostra qualquer brilho. O responsável pelo desempenho morno é mesmo o câmbio, que parece ter sido escalonado para obter baixo consumo de combustível. Se precisar de uma resposta mais imediata, é preciso reduzir e explorar até o fim cada marcha, elevando o giro sem ter dó. Na cidade, até que o comportamento do Argo é adequado (sem sobras!), mas é na estrada que ele precisaria de uma vitamina. A suspensão oferece conforto aos ocupantes e confiança para o motorista explorar as curvas. A direção tem assistência elétrica, com pesos adequados tanto para velocidade elevada quanto para fazer manobras.
Porta-malas tem 300 litros de capacidade - Edésio Ferreira/EM/D.A. Press Porta-malas tem 300 litros de capacidade

CONCORRENTES Entre os compactos com visual esportivo, o Argo 1.8 HGT é o mais caro. Entre os itens de série ele se destaca pelo controle eletrônico de tração e estabilidade, mas perde pontos por não ter navegação. O Peugeot 208 Sport custa quase o mesmo preço, mas tem teto solar, GPS e ar-condicionado digital de dupla zona. Já o Hyundai HB20 tem uma versão esportivada chamada R Spec (R$ 62.430), porém só oferecida com câmbio automático. O Ford Fiesta SEL Style beira os R$ 60 mil e tem pacote bem completo, com ar-condicionado digital, controle de tração e estabilidade e sistema multimídia com navegação. Já o Renault Sandero GT Line é o esportivado mais em conta, e fica devendo apenas controle de tração e estabilidade.

Motor 1.8 desenvolve 139cv com etanol, mas desempenho não é dos melhores - Edésio Ferreira/EM/D.A. Press Motor 1.8 desenvolve 139cv com etanol, mas desempenho não é dos melhores

Mesmo se tratando da versão topo de linha do Argo, o conteúdo mais interessante da unidade testada – comodidades como acesso ao veículo e partida por chave presencial, sensores de chuva e crepuscular, ar-condicionado digital, sensor traseiro de estacionamento e câmera de ré e retrovisores com rebatimento elétrico (que se recolhem sempre que o veículo é trancado) – são opcionais que acrescentam R$ 9 mil ao preço inicial.

CONECTIVIDADE A Fiat vacilou em não oferecer a função de navegação na central multimídia Uconnect. Apesar de o sistema permitir espelhamento com smartphones compatíveis (pelos sistemas Android Auto e Apple CarPlay), não é sempre que se pode usar um aplicativo de navegação do celular para suprir esta falta. Isso porque nem sempre o sinal de internet móvel está disponível – como na estrada ou em cidades pequenas –, o que obriga o usuário a baixar mapas off-line (quando a situação é previsível!). Funcionando a partir da tela tátil de sete polegadas, o sistema é fácil de ser operado. As mídias disponíveis são rádio, duas entradas USB, uma auxiliar e Bluetooth (com streaming). A telefonia pode ser usada por comando de voz e oferece leitura de mensagens SMS (já em desuso).
As rodas de liga leve de 17 polegadas são opcionais - Edésio Ferreira/EM/D.A. Press As rodas de liga leve de 17 polegadas são opcionais

FICHA TÉCNICA

MOTOR
Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, 1.747cm³ de cilindrada, flex, que desenvolve potências máximas de 135cv (gasolina) e 139cv (etanol) a 5.750rpm e torques máximos de 18,8kgfm (g) e 19,3kgfm (e) a 3.750rpm

TRANSMISSÃO
Tração dianteira, com câmbio manual de cinco velocidades

SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, McPherson, com braços oscilantes inferiores transversais e barra estabilizadora; e traseira tipo eixo de torção /de liga leve de 6,5 x 17 polegadas (opcional) / 205/50 R17

DIREÇÃO
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

FREIOS
A discos na dianteira e tambores na traseira, com ABS

CAPACIDADES
Do tanque, 48 litros; e de carga útil (passageiros mais bagagem), 400 quilos


EQUIPAMENTOS

DE SÉRIE
Airbag duplo; freios ABS com EBD; cintos de segurança traseiros retráteis de três pontos; apoio de cabeça central traseiro; controle de tração e estabilidade; Isofix; sinalização de frenagem de emergência; sistema de monitoramento de pressão dos pneus; estepe de uso emergencial; alarme; assistente de partida em rampa; alertas de limite de velocidade; faróis de neblina; limpador e desembaçador do vidro traseiro; ar-condicionado; vidros elétricos dianteiros e traseiros com one touch; banco do motorista com regulagem de altura; banco traseiro bipartido 60/40 e rebatível; volante com regulagem de altura e distância; volante revestido em couro; chave-canivete; computador de bordo; iluminação no porta-malas; retrovisores com ajustes elétricos, função Tilt Down e setas integradas; rodas de liga leve de 16 polegadas e pneus 195/55 R16; sistema Start&Stop; central multimídia com tela de sete polegadas; molduras sobre as caixas de roda; aerofólio traseiro e capa dos retrovisores na cor cinza; escapamento traseiro esportivo; para-choque traseiro com moldura inferior exclusiva; suspensão com calibração esportiva.

OPCIONAL
Kit Stile (bancos revestidos em couro e rodas de liga leve de 17polegadas), R$ 2.500; Kit Tech (ar-condicionado digital, retrovisores com rebatimento elétrico e luz de conforto, Keyless, retrovisor interno eletrocrômico, sensores de chuva e crepuscular, R$ 2.800; airbags laterias, R$ 2.500; e Kit Parking (sensor de estacionamento traseiro e câmera de ré), R$ 1.200.


QUANTO CUSTA
O Fiat Argo 1.8 HGT tem preço sugerido de R$ 64.600. Com todos os opcionais listados, o veículo testado custa R$ 73.600.


Notas (0 a 10)

Desempenho 7
Espaço interno 8
Porta-malas 8
Suspensão/direção 8
Conforto/ergonomia 8
Itens de série/opcionais 8
Segurança 8
Estilo 8
Consumo 8
Tecnologia 8
Acabamento 8
Custo/benefício 7



FIAT ARGO 1.8 HGT x CONCORRENTES

FIAT ARGO 1.8 HGT x PEUGEOT 208 1.6 SPORT x HYUNDAI HB20X 1.6 STYLE x FORD FIESTA 1.6 SEL STYLE x RENAULT SANDERO 1.6 GT LINE

Potência (cv)                   135 (g)/139 (e) 115 (g)/122 (e) 122 (g)/128 (e) 125 (g)/128 (e) 115 (g)/118 (e)
Torque (kgfm)                 18,8 (g)/19,3 (e) 15,5 (g)/16,4 (e) 16 (g)/16,5 (e) 15,5 (g)/15,7 (e) 16 (g/e)
Dimensões (A x B x C x D) (m) (*) 4,00x1,75x1,50x2,52 3,96x1,70x1,47x2,54 3,94x1,71x1,55x2,50 3,97x1,72x1,46x2,49 4,06x1,73x1,53x2,59
Peso (kg)                         1.243 1.146 1.031 1.123 1.079
Porta-malas (litros) (**)     300 285 300 281 320
Velocidade máxima (km/h) (**) 190 (g)/192 (e) 191 (g)/198 (e) ND ND 182 (g) /185 (e)
Aceleração até 100km/h (s) (**) 9,6 (g)/9,2 (e) 10,2 (g)/9,7 (e) ND ND 10,3 (g)/9,8 (e)
Consumo cidade (km/l) (***) 11,4 (g)/7,8 (e) 12,3 (g)/8,5 (e) 11,6 (g)/8,3 (e) 11,2 (g)/7,8 (e) 12,5 (g)/8,4 (e)
Consumo estrada (km/l) (***) 13,3 (g)/9,2 (e) 14 (g)/10 (e) 13,4 (g)/9,8 (e) 14,9 (g)/10,3 (e) 13 (g)/8,9 (e)
Preço (R$)                             64.600 64.190 61.445 59.790 56.200

(*) A: comprimento; B: largura; C: altura; e D: entre-eixos
(**) Dados dos fabricantes
(***) Dados do Inmetro
(g) gasolina; (e) etanol
ND: Não disponível

Tags: fiat argo hgt 1.8 teste hatch compacto vrum estado de minas

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
18 de dezembro de 2016
14 de dezembro de 2016

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação