O futuro do veículo elétrico e híbrido

Os Estados Unidos dizem que em 2025 cada família americana terá pelo menos um veículo verde na garagem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 18/07/2013 15:38 / atualizado em 18/07/2013 15:57 Evaldo Costa /Vrum Verde
NAture Network/Divulgação
Caso perguntássemos aos líderes de diferentes nações, sobre o que eles pensam sobre o futuro do veículo híbrido e elétrico, o que você imagina que eles responderiam? Provavelmente, esses líderes nos dariam respostas variadas, pois dependendo da parte do mundo em que ela for formulada, a visão será distinta.

Recentemente, por exemplo, o secretário de Transportes dos Estados Unidos, Ray LaHood, compartilhou o seu ponto de vista sobre o futuro do transporte nos próximos 25 anos em seu país. Ele revelou que doze anos é o tempo que levará para a transição de veículos a combustão interna para híbridos e elétricos.

Segundo LaHood, "Em 2025, cada família em seu país, terá algum tipo de veículo híbrido ou elétrico", e continuou: "Isso é a forma como os fabricantes de automóveis devem estar encarando a situação, desde que nós definimos as normas de economia de combustível (54,5 mpg). Tudo será híbridos ou alimentados por bateria", garante.

As vendas de veículos elétricos e híbridos estão aumentando em quase todas as partes onde eles são comercializados. Na China, segundo a Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis, as vendas cresceram 43% nos primeiros seis meses de 2013, em relação ao mesmo período do ano anterior.

O número de modelos de carros elétricos e híbridos disponíveis no mercado global está aumentando a cada dia. Atualmente, a maioria das grandes montadoras, tem modelos consagrados, como é o caso do Honda Fit EV, Toyota Prius, Toyota Rav4, Chevy Volt, VW Jetta Hybrid, Mercedes-Benz GLK250 BlueTEC, Mitsubishi i-MiEV, Ford Focus EV, Ford C-Max, Ford Fusion, Smart For Two, Renault Twizy, Renault Fluence Z.E, Nissan Leaf, Tesla S, Kia Optima Hybrid entre tantos outros.

Aliás, vale salientar que a Toyota, sozinha já vendeu mais de três milhões de híbridos. Ressalta-se ainda que dificilmente, nos dias atuais, um fabricante lança um carro que não seja híbrido ou elétrico. Os fabricantes sabem que dificilmente o preço dos derivados do petróleo, especialmente a gasolina e diesel, reduzirão a patamares capazes de voltar a estimular o consumo, assim como as regras de governo em busca de mais eficiência energética e redução das emissões de gases poluentes, não cessarão.

O que ainda dificulta a venda dos veículos híbridos e elétricos é o fato do consumidor não conhecer os seus benefícios, assim como parece não haver dúvidas de que ele não está disposto a pagar mais caro por um produto a bateria. O automóvel é um bem de importante valor, na maioria das ocasiões ele fica atrás apenas da casa própria. Logo, diante da decisão de compra, é natural que o consumidor seja conservador.

Porém, é inegável que a tecnologia dos veículos elétricos e híbridos está evoluindo, significativamente. As baterias estão aumentando a capacidade de carga e o tempo de carregamento está reduzindo. Também, novas soluções estão surgindo, sendo aprimoradas ou ampliadas, como é o caso do carregamento por wireless, estrada que carrega a bateria enquanto o veículo se desloca, capacitores mais leves e potentes, infraestrutura de abastecimento robusta, serviços de CarSharing etc.

Finalmente, pelo que tudo indica, diferentemente do que ocorreu com o motor a combustão interna, dificilmente o veículo híbrido e elétrico serão maioria em todas as partes do nosso planeta. Provavelmente, nos países detentores de grandes reservas de petróleo, eles serão minoria e nos locais onde o petróleo é escasso e caro, eles evoluirão rapidamente, devendo portanto dominar o mercado urbano dessas regiões.

Diante de tantas incertezas, uma coisa parece certa, o fabricante que ignorar o potencial dos veículos elétricos e híbridos, pagarão caro pela infeliz aposta.

Veículos

Encontre seu veículo

Outros artigos

ver todas
10 de março de 2014
18 de julho de 2013
26 de junho de 2013
30 de maio de 2013
27 de maio de 2013

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação