Museu Yamaha - Olho no retrovisor

Acervo de motos históricas da marca na sede da empresa no Japão exibe parte dos 51 anos da trajetória e mostra como é feita a restauração dos modelos antigos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 16/01/2007 23:47 Téo Mascarenhas /Estado de Minas
YA-1 125 cm³ de 1955 e TDS-1 250 cm³ de 1969 - Fotos: Téo Mascarenhas/EM - 15/1/07 YA-1 125 cm³ de 1955 e TDS-1 250 cm³ de 1969
Para contar um pouco de sua história de 51 anos, a Yamaha mantém no escritório central de sua sede em Iwata, na região de Hamamatsu, ao sul de Tóquio, (Japão), um imponente prédio, batizado de Communication Plaza, que reúne em três andares, vasta coleção de motos e veículos que fizeram parte de sua evolução. O público pode conhecer a exposição, agendando visitas. A estrutura, conta, além dos modelos expostos, com simuladores de pilotagem, loja de suvenir e equipamentos, biblioteca, auditório, café, etc, e também com uma seção que mostra os passos de uma restauração de motos antigas.

A visita começa com o primeiro modelo, o YA-1 (Y de Yamaha e A-1 por ser a número 1), apresentado em 1955, foi o pioneira da marca e fica em destaque na mostra. Com motor do tipo dois tempos e 125 cm³, era um clone aprimorado da alemã DKW RT 125 e desenvolvia 5,6 cv a 8.000 rpm. O peso era de 95 kg e a velocidade final de 80 km/h. Bem acabada e batizada de Red Dragonfly (dragão vermelho voador), tinha o requinte de suspensões dianteira e traseira, além e conseguir expressivas vitórias em competições e a confiança do consumidor.

Rumo
YZR 750 cm³ de 1978 e GTS 1000 cm³ de 1993 - YZR 750 cm³ de 1978 e GTS 1000 cm³ de 1993

O modelo mudaria o rumo e o destino da Yamaha, que nasceu originalmente produzindo pianos e órgãos musicais. Daí, o símbolo da marca, com três diapasões entrelaçados. As motocicletas vieram depois da segunda Guerra, para ocupar a ociosidade de seu parque industrial e abastecer a população de meios de transporte. Hoje, a Yamaha tem fábricas em 35 países, inclusive no Brasil, onde está há 31 anos. A unidade de Guarulhos, (SP), foi a pioneira no pais, entre as grandes montadoras. Em 86, a produção foi transferida para Manaus.

Em 1957, lança o modelo 250 YD-1, com dois cilindros paralelos e considerada a primeira moto totalmente original Yamaha. Este modelo seria o embrião da 250 YDS-1, de 1959, com quadro tubular e câmbio de cinco marchas, que seria a base para o desenvolvimento das novas 250 e 350 das duas décadas seguintes. Este modelo fez sucesso em competições, tanto no asfalto quanto na terra. Em 1965, com apenas 10 anos de fundação a Yamaha já produzia 160 mil unidades e já estava estabelecida na Europa, com base na Holanda. Parte do sucesso foi creditado à entrada no mercado americano e aos avanços técnicos.

Quatro

Especialista em motores do tipo dois tempos, desenvolveu o sistema Autolube, que misturava o óleo à gasolina automaticamente. O mercado americano, porém, exigiu o desenvolvimento de motores do tipo quatro tempos, preferido pelos consumidores. A primeira XS-1, de 1970, tinha dois cilindros, 650 cm³, 53 cv, eram cópias das inglesas Norton e vibravam bastante. No mundial de motovelocidade, a marca estreou em 1961 e em 1963 conquistava sua primeira vitória na categoria 250cm³. Depois disso, coleciona títulos em todas as categorias. Entre seus pilotos campeões, figuram Giacomo Agostini e Kenny Roberts.

A Yamaha também foi praticamente a inventora das motos de fora-de-estrada em massa. Em 67, lança a DT-1 Trail, com 250 cm³ e 18,5 cv, para rodar na cidade e no campo. Em 1969, lança a versão com 125 cm³. Esta linha introduziu o sistema de admissão Torque Indiction em1971. Em 1982, ganharam refrigeração líquida. No motocross, vence pela primeira vez o mundial em 1973, com o modelo YZ, que inovou com o sistema Cantilever, de amortecedor único na traseira. Outra revolução, foi o lançamento da primeira big trail, XT 500, vencedora do primeiro rali Paris Dakar.

Veículos

Encontre seu veículo

Ultimas Notícias

ver todas

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
Queremos sua ajuda para deixar a experiência no VRUM ainda melhor! Participe Participe