Publicidade

Estado de Minas

Copa TR50F - Brincadeira de gente grande

Minimotos em circuito oficial, com adultos no comando, no lugar de pilotos mirins. Resultado é uma mistura tão improvável quanto veloz, que também chega ao Brasil


postado em 15/06/2007 23:57

As pistas são as mesmas de disputa do Campeonato Brasileiro de Motocross(foto: Fotos: Neilton Fernandes/Vipcomm/Pro Tork/Divulgação - 11/6/07)
As pistas são as mesmas de disputa do Campeonato Brasileiro de Motocross (foto: Fotos: Neilton Fernandes/Vipcomm/Pro Tork/Divulgação - 11/6/07)
O circo do Campeonato Brasileiro de Motocross, disputado em oito etapas pelo país, tem uma curiosidade e brincadeira nas pistas, levadas muito a sério. Trata-se da Copa TR50F, disputada paralelamente ao campeonato, que, ao contrário das motos tradicionais, de altíssimo rendimento e performance, tem apenas as minimotos de 50 cm³ de cilindrada, 47 quilos de peso e 3 cv de potência. Na disputa, outra surpresa invertida. Nada de crianças, como seria de se supor, mas somente pilotos adultos (maiores de 18 anos), por exigência do regulamento.
As pequenas motos têm desempenho de máquinas grandes
As pequenas motos têm desempenho de máquinas grandes

Esse tipo de competição, comum na Europa e Estados Unidos, chega agora também ao Brasil, por intermédio da Pro Tork, empresa fabricante das minimotos TR50F e de peças e equipamentos para motos, que patrocina a copa e a exótica combinação. Os primeiros testes foram feitos no Campeonato Paranaense de Motocross de 2006, provando que as bravas motinhas suportam o castigo de pilotos de até 100 quilos. Para apimentar a disputa, o regulamento permite a preparação delas.

O motor pode ser alterado sem restrições, tanto na cilindrada quanto na potência, desde que seja mantido o bloco e sua posição horizontal. As suspensões, os freios e até a parte elétrica têm preparação livre. O quadro não pode ser alterado, mas apenas reforçado, para agüentar os maus-tratos dos marmanjos, assim como a balança da suspensão traseira. A roda traseira pode ter no máximo 12 polegadas, e a dianteira, 14 polegadas. Os freios são a disco e o câmbio de três marchas.

O resultado é uma minimoto com desempenho bastante melhorado, capaz de encarar a pista oficial, com saltos, valas e subidas, além de um time de experientes pilotos das principais categorias, acelerando forte, em baterias de até oito minutos e mais uma volta. É pura diversão, tanto para o público quanto para os próprios pilotos. Inclusive para os mirins, que ficam só assistindo. É que o vencedor de cada etapa leva uma TR50F zero para casa. Informações no site Protork.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade