Publicidade

Estado de Minas

Yamaha XTZ 250X - O duplo X

Fabricante japonês lança segundo modelo com mesmo nome, no segmento supermoto, próprio para rodar no asfalto mas com mecânica baseada na Lander 250


postado em 02/04/2008 23:59

Nova XTZ 250X tem aros de alumínio mais largos e menores(foto: Yamaha/Divulgação)
Nova XTZ 250X tem aros de alumínio mais largos e menores (foto: Yamaha/Divulgação)
A Yamaha do Brasil acaba de apresentar, conforme o caderno Veículos havia antecipado, seu segundo modelo do segmento supermoto, no seu conceito chamado X. A nova XTZ 250X foi baseada em sua irmã do tipo fora-de-estrada, a XTZ 250 Lander, assim como a pioneira XTZ 125X foi inspirada na XTZ 125. Essa escolha, ou predileção, não é mera coincidência, já que as motos do tipo supermoto são exatamente modelos do tipo off-road, adaptados para o asfalto e uso urbano.

Essa combinação proporciona motocicletas bastante divertidas na pilotagem, pois reúnem a ergonomia mais relaxada, das motos tipo fora-de-estrada, com suspensões de longo curso, pneus e rodas esportivas, freios poderosos e grande ângulo de esterçamento do guidão, além de visual agressivo, diferente e esportivo. Por isso mesmo, esse segmento, surgido a partir das competições entre pilotos do asfalto e da terra, que, para nivelar a disputa, desenvolveram uma moto neutra, é um dos que apresenta maior crescimento.

Características
A nova Yamaha XTZ 250X tem como principais características visuais o novo pára-lamas dianteiro, mais curto e estreito e em forma de lança; nova tampa do tanque de combustível; indicadores de direção com lente cristal; banco com cores e textura próprias; inédito pára-lamas traseiro, com suporte de placa dependurado, como nas supersportivas YZF R-6; lanterna do tipo LED, composta por 15 diodos; e bloco do motor, escape (inclusive a proteção), aros e balança da suspensão traseira pintados de preto.

As bengalas da suspensão dianteira também foram pintadas de preto, e ganharam protetores plásticos na mesma cor. O quadro, pedais e suportes são pintados de preto. Na parte técnica, as marchas ficaram mais longas, com adoção de uma relação secundária apropriada para uso no asfalto, com coroa de 44 dentes. Os aros das rodas agora são de alumínio, mais largos (para receber pneus esportivos) e menores, com 17 polegadas de diâmetro (para conferir maior agilidade nas mudanças de direção), no padrão supermoto.

Freios
O freio dianteiro passou de 240 mm de diâmetro (originalmente instalado na Lander) para 245 mm, aumentando a capacidade de frenagem da nova XTZ 250X, que também tem maior velocidade final. O freio traseiro continua com disco de 203 mm de diâmetro. A suspensão dianteira é do tipo telescópica e tem 240 mm de curso, o mesmo da Lander, mas ganhou nova calibragem, para rodar no asfalto. A suspensão traseira é do tipo mono, tem 220mm de curso e não foi alterada em relação à Lander.

Já a altura do banco foi reduzida em 5mm, passando para 870mm, assim como a altura mínima do solo, de 245 mm para 225 mm, facilitando a vida dos mais baixos. O peso a seco aumentou de 130 kg para 132 kg. O motor de um cilindro, que desenvolve 21 cv a 7.500rpm e torque de 2,10 kgfm a 6.500 rpm, tem alimentação por injeção eletrônica. O painel é digital, como na Lander. O preço sugerido (posto em Manaus) é de R$ 12.060.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade