BRX 140 e 250 - Vitrine de Minas

A marca argentina MVK, de origem chinesa, lança dois novos modelos fora-de-estrada no mercado nacional, com apresentação em Governador Valadares em feira agropecuária

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 09/07/2008 19:26 Téo Mascarenhas /Estado de Minas
Modelo 250 tem freios a disco tipo margarida, partida elétrica e suspensão dianteira invertida - Fotos: Jean Betoven /MVK/Divulgação Modelo 250 tem freios a disco tipo margarida, partida elétrica e suspensão dianteira invertida
O potencial do mercado brasileiro de motocicletas continua atraindo diversas marcas asiáticas, que vão se estruturando, quase sempre, a partir de Manaus, onde montam seus modelos. A lógica da marca MVK também foi essa, mas por caminho surpreendente. Instalada na Argentina há 18 anos, desembarcou "mineiramente" no Brasil, em 2002, sob o comando do grupo argentino Maverick, e segue ampliando rede de concessionárias e linha de modelos, que conta com motos do tipo custom, utilitárias street, motonetas, motard e quadriciclos.

A apresentação oficial dos novos modelos começou na sexta-feira em três cidades brasileiras. A linha de motos tipo fora-de-estrada, batizadas de BRX, inclui modelos de 140 cm³ e 250 cm³, escolhendo também as vitrines da 39ª Expoagro, Exposição Agropecuária de Governador Valadares, região do Rio Doce de Minas, que termina domingo, simultaneamente com a Expo 2008 de Araçatuba, São Paulo, e o Salão de Motos de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Um caminho pouco usual, que passa pela interiorização da marca.

Terra
Com a estratégia de ir avançando pelas beiradas, espera atingir 3% do mercado em 2011. Em Minas, são sete revendas e todas no interior. O segmento das novas motocicletas MVK é o fora-de-estrada puro, que, "coincidentemente", também tem forte participação mineira, considerada o berço da modalidade no Brasil. O modelo de entrada é o BRX 140, que tem rodas menores, com aro de 14 polegadas na dianteira, 12 na traseira e altura do banco a 76 cm do chão.
A BRX 140 é o modelo de entrada, com aros menores para pilotos mirins - A BRX 140 é o modelo de entrada, com aros menores para pilotos mirins

As dimensões permitem que pilotos mirins se iniciem nos esportes fora-de-estrada. A BRX 140 tem motor de um cilindro, do tipo quatro tempos, refrigerado a ar que fornece 11,6 cv a 7.500 rpm. O câmbio tem quatro marchas e a partida é por pedal. A suspensão dianteira é por garfo telescópico e a traseira, mono regulável. Os freios são a disco nas duas rodas, com o formato margarida, e as mangueiras do fluído são com malha, tipo Aeroquip, para aumentar a precisão das freadas.

Maior
A BRX 140 ainda conta com tanque de 3,2 litros e o peso a seco é de 67 kg. O preço sugerido é de R$ 4.280, sem frete e seguro. O modelo BRX 250 é bem mais encorpado e aprapriado para o fora-de-estrada e nem tem farol. Os aros são de 21 polegadas na dianteira e de 18, na traseira, com pneus do tipo cross. Os freios também são a disco, com formato margarida e mangueiras revestidas, tipo Aeroquip, para evitar o efeito "borrachudo" no manete e no pedal de freio.

A suspensão dianteira tem garfo invertido, e a traseira é do tipo mono regulável. O motor, do tipo quatro tempos, com um cilindro refrigerado a ar e 229 cm³ de cilindrada, conta com partida elétrica e câmbio de cinco marchas, e desenvolve 15,6 cv a 6.500 rpm. O quadro é em tubos de aço, com arquitetura de berço semiduplo. O tanque, entretanto, tem pouca capacidade, de apenas 3,5 litros, limitando a autonomia. O peso a seco é de 106,5 kg e a altura do banco é de 91 centímetros. O preço sugerido é de R$ 7.280, sem frete e seguro.

Veículos

Encontre seu veículo

Ultimas Notícias

ver todas
20 de novembro de 2017
04 de novembro de 2017

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação