Publicidade

Estado de Minas

KTM 690 SMR Supermoto - Adrenalina de série

Modelo apresenta mistura de estilos, com manequim fora-de-estrada e roupagem de asfalto, além de versatilidade e motor forte e compacto, que garante bom desempenho


postado em 26/11/2008 14:30

Nas curvas, o conjunto parece encaixado em trilhos(foto: Mário Villaescusa/KTM/Divulgação)
Nas curvas, o conjunto parece encaixado em trilhos (foto: Mário Villaescusa/KTM/Divulgação)
Os modelos do tipo supermoto, supermotard ou simplesmente SM, como são chamadas as motos com projetos originados no fora-de-estrada, mas transformadas para o asfalto, talvez sejam os mais divertidos na hora de pilotar de forma mais apimentada. Além disso, o figurino exótico, misturando os estilos asfalto e terra, resulta em motocicletas no mínimo diferentes, que fogem do lugar-comum e que por isso vão atraindo cada vez mais admiradores, inclusive no Brasil.

A KTM, com o modelo 690 SMR, é um dos exemplos mais característicos. Especialista em motos do tipo fora-de-estrada, com um currículo que inclui diversas vitórias no rali Paris-Dakar, títulos mundiais de enduro e uma extensa linha de motos para terra, foi bem mais fácil para a marca austríaca adaptar seus modelos, criando a sua família supermoto. O modelo 690 SMR, comercializado no Brasil, tem requintes de acabamento que o deixam ainda mais esportivo.

Pato
Os modelos irmãos 690 Supermoto e 690 SMC têm configurações ligeiramente diferentes, com rodas raiadas e quadro pintado em preto. Já a 690 SMR tem acabamento mais esmerado e é equipada com rodas de liga leve e quadro pintado em laranja, cor oficial adotada pela KTM em suas motos de competição, que confere interessante contraste com o resto da "carroceria" pintado em preto, e muito mais agressividade no visual. Todas, porém, conservam o pára-lamas dianteiro em duas partes, com destaque para o estranho estilo bico de pato, integrado ao farol.

Outro destaque são os escapes. Apesar de contar com somente um cilindro, tem duas enormes saídas altas, como um par de chaminés. A agressividade no visual é totalmente correspondida pelo propulsor. Batizado de LC4, foi desenvolvido com ajuda da experiência da marca nas competições. Com um cilindro, 653,7cm³, equipado com injeção eletrônica e refrigeração líquida, tem dimensões extremamente compactas, já que é usado também em competições, com outras especificações.

Adrenalina
O motor proporciona 63 cv de potência a 7.500 rpm e torque de 6,6 kgfm a 6.550 rpm. Números que o credenciam como um dos mais potentes e fortes monocilíndricos comerciais do mundo. Na hora de pilotar, a adrenalina vira item de série. A 690 SMR parece estar encaixada em trilhos nas curvas, ajudada por uma suspensão dianteira White Power invertida, com 48 mm de diâmetro e 210 mm de curso. Na traseira, também uma WP mono, com os mesmo 210 mm de curso.

O quadro em tubos de aço, com arquitetura em treliça, garante rigidez, para exigir segurança dos pneus 120/70 na dianteira e 160/70 na traseira, nas curvas radicais. A posição de pilotagem, mais em pé, estilo fora-de-estrada, proporciona conforto e segurança. Na hora de brecar, um discão de 320 mm de diâmetro, com pinça Brembo de quatro pistãos na dianteira e um disco de 240 mm na traseira, desafiam o cérebro, com uma frenagem absurda. O peso a seco é de 152 kg, o câmbio, de seis marchas, e o preço sugerido, de R$ 43 mil. Informações: (11) 3082-6577.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade