Publicidade

Estado de Minas

FYM FY 125 - Chucrute asiático

Com visual ousado, modelo chama muito a atenção. Com dimensões e peso reduzidos, proporciona extrema mobilidade urbana. Motor é um quatro tempos de 9cv de potência


postado em 06/02/2009 12:07

O visual
O visual "magrelo" lembra propositalmente o das bicicletas (foto: Fotos: Ricardo Neves/Fym/Divulgação )
Alguns fabricantes chineses de motocicletas estão adotando estratégias diferentes para conquistar novos mercados. Compram ou se associam a tradicionais marcas europeias, usando sua tecnologia e, quando convém, também o seu nome, já conhecido, queimando etapas no processo de divulgação e consolidação de sua própria marca. A montadora chinesa Fei Ying Motor (FYM), nascida em 1967, e que desembarcou no Brasil com uma extensa linha de motos, usa essa tática.

O exótico FY 125, por exemplo, desenvolvido pela alemã Sachs, que foi encampada no início dos anos 2000 pela marca chinesa, é um desses modelos. Leva no quadro os nomes das duas marcas e mais o seu de batismo: Madass, que se fosse traduzido ao pé da letra seria algo como “bumbum doido”. Entretanto, lá, assume significado diferente, parecido como “bicho louco”. Denominações e possíveis interpretações enviesadas à parte, a FY 125 chama bastante a atenção por seu ousadíssimo projeto

Modernidade
O quadro, em vez das tradicionais arquiteturas com tubos de aço ou vigas de alumínio, tem uma estrutura que lembra propositalmente a configuração das bicicletas, ou das motos do tipo trial. O banco, sustentado por um dos dois tubos que formam a estrutura, parece flutuar, transmitindo uma sensação de leveza. Para reduzir ainda mais o peso, de apenas 95kg a seco, o motor integra o quadro. A aparente singeleza, porém, fica só no visual, pois, a estrutura tem rigidez e suporta piloto e garupa sem problemas.

Os freios são a disco nas duas rodas, com pinças duplas
Os freios são a disco nas duas rodas, com pinças duplas
Para completar as modernas formas, a iluminação dianteira é feita com dois faróis empilhados do tipo canhão. Um para luz baixa e outro para luz alta. A lanterna traseira é formada por LEDs. Já o painel é integralmente digital. O escape tem saída alta, como nas motos do tipo fora-de-estrada, mas a ponteira fica centralizada, sob o banco. O guidão também é mais largo. Com esse conjunto, a FY 125 assume extrema facilidade de manobras apertadas e de mobilidade urbana.

Técnica
Para impulsionar a FY 125, um motor de um cilindro, do tipo quatro tempos, refrigerado a ar, que fica posicionado paralelo ao chão e que desenvolve 9cv a 8.000rpm. O câmbio tem quatro marchas e é acionado mecanicamente. Já a partida é elétrica, sem dispensar o pedal, para eventualidades. O tanque de combustível, instalado dentro do próprio quadro, comporta sete litros. A suspensão traseira é do tipo mono, com amortecedor aparente e possibilidade de regulagens.

A suspensão dianteira é convencional, telescópica. Os freios são a discos ventilados nas duas rodas, com pinças de duplo pistão, que garantem frenagens superdimensionadas. As rodas são de liga leve, com aros de 16 polegadas, calçadas com pneus 90/90 na dianteira e 120/90 na traseira. Para facilitar ainda mais a mobilidade, a FY 125 tem apenas 74 centímetros de largura. A FY 125 pode ser encontrada em Belo Horizonte na Motofit por R$ 8.500. Informações no (31) 2551-0200.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade