Publicidade

Estado de Minas

Honda NXR 150 Bros - Dupla personalidade

Novo modelo ganhou visual moderno e motor dotado de injeção eletrônica, que teve a potência reduzida e o torque aumentado, podendo rodar tanto no asfalto quanto na terra


postado em 22/03/2009 16:17

Na terra a diversão é garantida, mas exige atenção(foto: Fotos: Caio Mattos/Honda/Divulgação)
Na terra a diversão é garantida, mas exige atenção (foto: Fotos: Caio Mattos/Honda/Divulgação)
De Rio Preto da Eva (AM) - Não sobrou nada do antigo modelo, lançado em 2003. A nova NXR 150 Bros 2009, finalmente apresentada no complexo de pistas de testes da montadora, em Rio Preto da Eva, a 80 quilômetros de Manaus, Amazonas, foi integralmente refeita. Na mecânica, o carburador foi aposentado, com adoção do sistema de injeção eletrônica de combustível, no motor que é derivado da CG 150 Titan. E a suspensão dianteira foi recalibrada. O visual foi modernizado, com novo tanque (12 litros), aletas laterais e faróis maiores. Tem desenho mais agressivo, com garupeira em alumínio e náilon, e alças integradas para comodidade do passageiro.

Na ergonomia, o banco, em dois níveis, ficou ligeiramente mais alto, saltando de 825 mm, para 830 mm. Ficou 10 mm mais estreito, compensando com folga a maior altura, para o pessoal de perna curta. Já o guidão foi ligeiramente recuado e, juntamente com o aro dianteiro de apenas 19 polegadas e o traseiro de 17, proporciona uma pilotagem mais para o asfalto, embora sua proposta também seja rodar nas estradas de terra. O conjunto ficou mais harmônico e muito fácil de pilotar, além de mais atraente visualmente.

Acelerando
No asfalto, a nova Bros 150 parece estar em casa. O motor, herdado da CG 150 Titan, equipado com injeção e comando de válvulas roletado, acionado por corrente (OHC), foi ligeiramente ajustado para oferecer mais torque, permitindo retomadas e arrancadas mais ágeis, sem engasgos. Enquanto na Titan 150 o torque é de 1,32 kgfm a 7.000 rpm, na Bros 150, com o mesmo "coração", é de 1,39 kgfm a apenas 6.000 rpm. Por outro lado, a potência foi ligeiramente reduzida de 14,2 cv a 8.000 rpm, para 13,8 cv a 8.000 rpm. O que se percebe é que arranca mais vigorosamente, em detrimento da velocidade final.
Painel tem marcador de combustível e luz da injeção, enquanto a garupeira conta com encaixe para o baú
Painel tem marcador de combustível e luz da injeção, enquanto a garupeira conta com encaixe para o baú

Bom para quem anda no para-e-anda das grandes cidades e encara uma terra leve nos fins de semana. Neste departamento, a nova Bros 150 é valente, mas tem suas limitações, como o peso a seco de 118kg na versão completa ESD, o pequeno aro dianteiro, mais vulnerável nas imperfeições do piso e uma posição de pilotagem mais "on" do que off-road. Não é à toa que a montadora já deixou pronto o encaixe para o eventual baú, além de uma robusta garupeira. Equipamentos essencialmente urbanos, para atender a maioria de seus potenciais consumidores, ajudados pelo guidão mais alto e que vira muito, facilitando as manobras no trânsito.

Versões
São três versões, disponíveis a partir de abril, da nova Bros 150, nas cores amarelo, vermelha e preta. A KS, com partida a pedal e freio dianteiro a tambor, com preço sugerido, base São Paulo, sem frete e seguro, de R$ 7.590; a ES, com partida elétrica e freio dianteiro a tambor, de R$ 8.190; e a top ESD, com partida elétrica e freio dianteiro a disco, de R$ 8.690. A Honda espera vender em 2009 cerca de 92 mil unidades. As novas linhas sugerem que as irmãs maiores, que vão completar a família, vão seguir desenho semelhante, obedecendo a um padrão inaugurado pela caçula.

A adoção da injeção eletrônica exigiu a instalação do marcador de nível de combustível, agora de série no painel, que, além do velocímetro e hodômetro, conta com luz de funcionamento da injeção e sistema de segurança (shutter key), no tambor da chave. A suspensão dianteira, convencional, tem bom curso de 180 mm e a traseira, do tipo mono, 148,6 mm. Os modelos KS e ES têm freios a tambor de 130 mm na dianteira e 110 mm na traseira, enquanto a versão ESD tem freio a disco na dianteira, com 240 mm. O quadro é em berço semiduplo e o câmbio tem cinco marchas.

(*) Viajou a convite da Honda

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade