Publicidade

Estado de Minas

Yamaha MT-01 SP - Orquestra musculosa

Novo modelo mantém o enorme motor de dois cilindros em V, que proporciona muito torque e um belo som. Mas o visual foi modificado, com destaque para pintura em dois tons


postado em 15/04/2009 13:07

Farol tem grandes dimensões e formato de oito(foto: Fotos: Yamaha/Divulgação)
Farol tem grandes dimensões e formato de oito (foto: Fotos: Yamaha/Divulgação)
Apresentado em 2004, em sua versão comercial, o modelo MT-01 teve uma gestação demorada, que começou em 1999, quando foi a grande atração da Yamaha no Tokyo Motor Show, no Japão, ainda como moto-conceito. As linhas gerais foram mantidas, mas o motor, propositalmente à mostra, foi vitaminado para 1.670 cm³, com a arquitetura de dois cilindros em V, inclinados em 48 graus, refrigerado a ar, derivado da pacata custom Road Star Warrior, e devidamente modificado para ganhar um absurdo torque, tipo caminhão trucado.

Em março, a Yamaha lançou uma série especial e limitada, batizada de MT-01 SP, com acabamento ainda mais sofisticado, que incorpora novos componentes técnicos. No Brasil, a MT-01 é importada oficialmente pela montadora e vendida por R$ 52.618, base São Paulo, sem frete e seguro. Porém, a Yamaha não definiu a importação do modelo especial SP, uma motocicleta ainda mais exclusiva, mas que conserva a filosofia milenar do Taikodo: enormes tambores japoneses, que reverberam um poderoso som e que norteou a construção da máquina.

Ritmo
O grande motor à mostra e as enormes ponteiras do escapamento, como dois megafones laterais, com saída alta e elementos de titânio, fazem parte dessa orientação. A batida ritmada e cadenciada do propulsor, reverberada pelas cornetas do escapamento, de um lado lembram o som do Taikodo, mas de outro aumentam as taxas de adrenalina do piloto, que, embalado por essa música, fica quase intimado a "enrolar o cabo" e aproveitar toda a musculatura, em sacrifício da potência, que é de 90 cv a 4.750 rpm.
Rodas douradas e os enormes escapes compõem o visual agressivo
Rodas douradas e os enormes escapes compõem o visual agressivo

Nessa tarefa, o piloto tem à sua disposição nada menos que 15,3 kgfm de torque a apenas 3.750 rpm. Basta girar o acelerador, em qualquer situação ou marcha, que o motor empurra generosamente, sem titubear. Só para exemplificar, a uma velocidade de 100 km/h o propulsor está trabalhando quase em marcha lenta, a ínfimas 2.300 rpm. Todo esse muque, entretanto, fica abrigado em um quadro compacto, construído em alumínio, com modernas técnicas metalúrgicas (semelhantes a empregada na superesportiva R-6), que reduzem dimensões e necessidade de soldas. Com isso, a distância entre os eixos pode ser reduzida (1.525 mm), aumentando a sua agilidade em trechos mais travados.

Diferença
O modelo MT-01 SP ganhou uma pintura especial, com detalhes em vermelho no para-lama dianteiro, tanque de combustível e banco, além de rodas e canelas da suspensão dianteira dourados. Na parte técnica, as suspensões são completamente novas, da badalada marca Ohlins. Na dianteira, canelas invertidas, com 43 mm de diâmetro e 120 mm de curso. Na traseira, sistema mono, com 117 mm de curso. Ambas plenamente reguláveis, conforme a conveniência do piloto e condições de tocada.

Outra mudança foi a adoção de pneus mais esportivos, com medida de 120/70 na dianteira e largos 190/50 na traseira, além de rodas de liga leve de 17 polegadas de diâmetro. Com as alterações, a posição do guidão foi levemente mudada. Para brecar, os mesmos componentes da superesportiva R-1: dois discos de 320 mm na dianteira, com pinças radiais de seis pistãos, e na traseira um disco simples de 267 mm. O câmbio tem cinco marchas e o peso a seco é de 240 kg. Para completar o visual, enorme farol com formato de oito e painel com elementos digitais e analógicos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade