Publicidade

Estado de Minas

Honda CB 1000R Extreme - Maionese italiana

Com visual semelhante ao da Hornet e mecânica da CBR 1000 RR Fireblade, nova versão tem pintura exclusiva e conserva o estilo naked, que deixa o motor de 125cv à mostra


postado em 14/09/2009 12:00

(foto: Honda/Divulgação)
(foto: Honda/Divulgação)

O modelo naked CB 1000R foi apresentado em novembro de 2007, durante o Salão de Milão, na Itália, quando todo o mercado apostava no surgimento de uma Hornet 900, em função do sucesso da irmã caçula: a Hornet 600. A surpresa foi maior ainda ao se constatar que a nova motocicleta ocuparia o espaço da pretensa Hornet 900, barrando seu provável lançamento. Passada a surpresa, o novo modelo conquistou seu espaço, em função da ousadia do desenho, elaborado pela famosa escola italiana de design, e da mecânica confiável, herdada da superesportiva CBR 1000 RR Fireblade, já largamente testada.

Agora, a Honda lança a CBR 1000R, versão Extreme, já como modelo 2010, com requintes de acabamento e pintura exclusiva. O visual, que preserva certa semelhança com a Hornet, tem uma explicação. Os dois modelos nasceram das mesmas pranchetas, frutos da liberdade criativa e bênção que a matriz japonesa proporcionou à filial da Itália, permitindo aos projetistas “viajar na maionese” sem culpa. No caso da nova CB 1000R Extreme, a história começa com a apresentação do modelo conceito 1000 XESS, ou Extreme European Streetfighter Styling, em 2008, que agradou tanto que acabou servindo de base para o lançamento do modelo CB 1000R, em sua versão Extreme.

Versão

O centro de desenvolvimento da marca em Roma, em colaboração com o estúdio Rossocromo, iniciou os estudos para elaboração do projeto partindo do pressuposto de que alguns consumidores personalizavam seus modelos, para fugir do lugar comum. O que a marca propôs então foi criar um modelo, com base na CB 1000R, já personalizado de fábrica, com formas agressivas, materializado na 1000 XESS. Com um formato devidamente suavizado, a “maionese” foi viabilizada, embora de forma bem mais comportada. O modelo Extreme ganhou pintura exclusiva, conservando a base mecânica e também a possibilidade de sistema de freios ABS.

O motor é um quatro cilindros em linha, com 998cm³, equipado com injeção eletrônica de combustível e refrigeração líquida, herdado do modelo Fireblade 2007 e não do modelo 2008, que foi completamente reformulado e não se enquadraria na nova proposta. O propulsor foi retrabalhado, ganhando cabeçote com elementos em magnésio, novo mapeamento da injeção e outros desenvolvimentos, que resultaram em uma potência de 125cv a 10.000 rpm e um torque de 10,1kgfm a 7.750rpm. O escape tem saída única, pelo lado direito, em posição mais baixa, para reduzir o centro de gravidade, além de seguir a tendência atual de estilo.

Guerreira

O estilo naked agressivo, ou streetfighter (guerreiro urbano, em português), fica caracterizado pelo motor deixado à mostra de forma proposital, e pintado de preto, assim como os aros de rodas, que são em liga leve e têm diâmetro de 17 polegadas, medida que também confere maior agilidade nas mudanças de direção, exatamente como nas esportivas. O quadro é feito em alumínio e tem uma viga central, como uma espécie de espinha dorsal, e utiliza o motor como parte integrante para reduzir peso, dimensões e conferir rigidez ao conjunto. O farol bicudo tem lâmpada inferior, do tipo canhão, e faz conjunto na ousadia com a traseira, que tem suporte de placa dependurado.

Incrustado na minicarenagem do farol, o painel é completamente digital e dividido em módulos. Na parte central, há um grande conta-giros, com escala horizontal. O freio dianteiro tem dois discos de 310mm, com pinças de ataque radial Tokico. O freio traseiro tem disco de 256mm de diâmetro. O sistema antitravamento ABS, com CBS (que distribui a frenagem entre as duas rodas, conforme a necessidade), é opcional. A suspensão dianteira é invertida, com tubos de 43mm de diâmetro e 120mm de curso. A traseira tem monobraço e monoamortecimento, com 128mm de curso. O peso da moto abastecida é de 217kg e o câmbio, de seis marchas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade