Publicidade

Estado de Minas

Racing Festival - Sai da frente

A categoria Hornet 600 abre a possibilidade de uma disputa equilibrada nas pistas, revitalizando a competição de velocidade. Regulamento impede preparação elaborada


postado em 03/06/2010 13:57

(foto: Fotos: Luis Pires/Vip Comm/Divulgação)
(foto: Fotos: Luis Pires/Vip Comm/Divulgação)
Do Rio de Janeiro - O combalido motociclismo de velocidade nacional ganha oxigenação com a criação da categoria Hornet 600, dentro do Racing Festival, que também inclui competições de carros (Trofeo Línea) e monopostos, com a Fórmula Future, em um dia totalmente dedicado às competições em revezamento. A primeira etapa foi disputada no fim de semana, no autódromo do Rio de janeiro, em Jacarepaguá, que, infelizmente, está em estado terminal, para se transformar em vila olímpica. Foram duas baterias de 25 minutos, mais uma volta em cada prova, que vai contar com seis etapas. A próxima disputa vai ser em Londrina, Paraná, dias 24 e 25 de julho.

Um dos aspectos mais importantes da competição é que as motocicletas são rigorosamente iguais, por força do regulamento e da fiscalização, e com pouquíssimas modificações em relação ao modelo original, para reduzir drasticamente os custos e estimular os competidores, fomentando o esporte. Além disso, a Honda subsidia a motocicleta, que custa R$ 24 mil, e faz uma premiação em dinheiro de R$ 20 mil por etapa, divididos entre os vencedores, até o 15º lugar. Com as motos iguais, o que vale é a sensibilidade de cada piloto no acerto, que também é limitado, e principalmente o braço para acelerar.

Modificações

Para melhor visualização e espaço aos patrocinadores de cada piloto foi adotada uma carenagem inferior para evitar que eventuais vazamentos de óleo caiam na pista, melhorando também a aerodinâmica. Foi também providenciada uma microcarenagem dianteira, acima do farol, para colocação do número e também melhorar a aerodinâmica. Na parte técnica, o escape original foi substituído por outro apropriado para competições, mais alto, para não raspar nas curvas feitas no limite, que, entretanto, obedece aos índices de emissões e de ruídos. A pedaleira de câmbio também foi alterada, com a ordem das marchas invertida, igualmente para não raspar.

As modificações praticamente não alteram o aspecto original da motocicleta. Espelhos retrovisores e as setas são retirados por questões de segurança. Os pneus foram substituídos pelos Pirelli Diablo Corsa III com mais aderência nas laterais, situação em que são mais exigidos, principalmente nas curvas. São dois jogos de pneus por moto, em cada etapa, também com preço subsidiado. O piloto aplica a estratégia que mais lhe convém na utilização dos pneus, que são marcados e fiscalizados. O vencedor da primeira etapa, por exemplo, Maico Teixeira, de Porto Alegre, optou por economizar os pneus nos treinos e largar com pneus novos.

Ajustes

Gasolina e óleo também são fornecidos pela organização, para que ninguém possa utilizar outras misturas mais vantajosas, nivelando a disputa. Um dos poucos ajustes permitidos pelo regulamento é a alteração da relação secundária, com a troca de coroa e pinhão. O piloto pode configurar sua moto conforme as características de cada circuito, ou do tipo de tocada, deixando o modelo mais \"curto", com mais força, ou mais "longo", com mais velocidade final. A suspensão traseira tem regulagem livre, conforme as opções originais, tal como o modelo de rua. A suspensão dianteira pode ser regulada com a troca do óleo interno.

Com poucas alterações, a categoria Hornet nivela o nível das motos na competição
Com poucas alterações, a categoria Hornet nivela o nível das motos na competição


Para os pilotos fazerem a sintonia fina, a organização tem à disposição um dinamômetro de rolo, que pode ser usado em cada etapa. A Honda Hornet 600 é equipada com motor de quatro cilindros em linha, refrigeração líquida e injeção eletrônica, que fornece 102cv a 12.000rpm e torque de 6,53kgfm a 10.500rpm. O quadro é em alumínio, tipo Diamond, e o câmbio, de seis marchas. A suspensão dianteira é invertida e a traseira, do tipo mono. Os freios são a disco, com um par na dianteira e um disco simples na traseira. As pinças e pastilhas também são regulamentadas para não haver vantagens.

(*) Viagem a convite da Honda

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade