Publicidade

Estado de Minas

Dafra Apache 150 - Namastê, caboclo

Com estilo ousado e apelo esportivo, novo modelo, equipado com motor de um cilindro de 14cv de potência, apresenta bom rendimento e comodidades urbanas no uso diário


postado em 29/09/2010 18:33

(foto: Fotos: Dafra/Divulgação)
(foto: Fotos: Dafra/Divulgação)
Acompanhe também o VRUM pelo Twitter

O modelo Apache 150 nasceu do outro lado do mundo, na Índia, que tem algumas características semelhantes às do Brasil. Lá, como cá, as estradas e o transporte coletivo são deficientes, favorecendo o uso das motos. Essas coincidências facilitaram a aproximação entre a indiana TVS e a brasileira Dafra, sediada em Manaus, culminando com a produção do modelo também aqui, a partir de março. Mesmo assim, a nacionalização exigiu cerca de 80 modificações, milhares de quilômetros de testes e outras tantas horas de simulações em laboratórios. O resultado é um modelo robusto e bem-acertado, com um desenho diferente, que não nega as origens asiáticas.

O motor, do tipo quatro tempos, alimentado por carburador, tem duas válvulas, 147,5cm³, arrefecimento a ar e desenvolve 14cv a 8.000rpm e torque de 1,15kgfm a 6.000rpm. Assim, pode rodar nas cidades com conforto e agilidade e, com alguma moderação, também nas estradas. O visual, com apelo esportivo, chama atenção. Desperta curiosidade e muitas perguntas, fruto do desenho diferente com uma grande carenagem de farol, proteção inferior, tipo limpa-trilhos, rodas em liga leve com filete vermelho e farolete traseiro com LEDs, que saem do lugar-comum, quase exótico, mas harmônico.

Acelerando A posição de pilotagem também é esportiva, embora também possa ser usada utilitariamente. As pedaleiras são mais recuadas (o pedal de câmbio pode ser regulado), deixando as pernas mais dobradas. No comando, semiguidãos, como nas superesportivas, com possibilidade de ajustes. O banco, em dois níveis, proporciona bom encaixe. Dessa forma, o piloto pode vestir a moto, minimizando a fadiga. O painel é bastante completo, com tela de cristal líquido que inclui marcador de combustível, relógio de horas, velocímetro digital, hodômetros e até memória de velocidade máxima atingida. O conta-giros é do tipo analógico. Os comandos contam com lampejador de farol e controle de iluminação de painel, além de corta corrente, setas e afogador.

Na cidade, o motor de um cilindro, com borrachas nos pedais, não apresenta vibrações que incomodem. Nas estradas, com rotações mais altas, aparecem discretamente. No anda e para do trânsito, as retomadas permitem arrancadas mais vigorosas e até surpreendentemente espertas para o pequeno propulsor, justificando em parte a pinta de esportiva. Os freios superam as expectativas. Na dianteira, um disco de 270mm de diâmetro, com estilo margarida, e pinça de dois pistãos, apresenta funcionamento muito preciso e eficiente, inspirando confiança. O freio traseiro é a tambor, com 130mm de diâmetro e comportamento normal.

Atenção O câmbio tem cinco marchas e uma certa imprecisão no acionamento. O guidão baixo deixa os retrovisores na altura dos espelhos dos carros nos corredores, exigindo atenção e um pouco de malabarismo, que é característica comum aos modelos do tipo street. Entretanto, nas mudanças rápidas de direção, a roda dianteira aro de 17 polegadas deixa o modelo mais ágil. A roda traseira tem aro de 18 polegadas. Outra boa característica urbana é a partida elétrica, sem dispensar o pedal e o descanso central. Além disso, o passageiro conta com alças para as mãos e pedaleiras suspensas para os pés, ligadas diretamente ao quadro, eliminando incômodas oscilações.

A suspensão dianteira é do tipo telescópica, com 105mm de curso. A suspensão traseira tem dois amortecedores, equipados com a sofisticação dos reservatórios de expansão de gás e molas reguláveis, mas apenas 50mm de curso, para desespero dos rins nas crateras da vida. O tanque, com capacidade para 16 litros, tem tampa com estilo de competição, além de faixa superior na pintura. O quadro é em tubos de aço, do tipo berço duplo, pintado de preto, assim como o motor e as rodas, para completar o apelo esportivo. A Dafra Apache 150 tem preço sugerido de R$ 6.590.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade