HONDA CBR 250R

Quero ser grande

Com motor de um cilindro, mas carenagem integral, como nos modelos esportivos, além de freios C-ABS opcionalmente, nova moto vai explorar diferentes segmentos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 22/01/2011 17:01 Téo Mascarenhas /Estado de Minas
Fotos: Honda/Divulgação
A nova esportiva Honda CBR 250R, apresentada no fim de 2010, mas que só estará disponível no início do segundo trimestre, chega com motor totalmente novo e visual inspirado nas primas maiores do segmento. Inicialmente voltada para os mercados asiáticos e europeus, também pode estender a comercialização para outros continentes, dependendo da demanda. O motor, com um cilindro e 249,4cm³, é equipado com quatro válvulas, injeção eletrônica e refrigeração líquida. O projeto, embora moderno e tecnológico, curiosamente prioriza o baixo atrito e a robustez, características de modelos utilitários, para uso versátil.

Desta forma, embalagem e conteúdo entram em choque. De um lado, o visual com pretensões esportivas e, do outro, um motor contraditoriamente mais econômico e robusto. A aparente incompatibilidade tem uma explicação. Produzido na Tailândia, o motor, que fornece 26,4cv a 8.500rpm e torque de 2,34kgfm a 7.000rpm, segue a receita dos mercados emergentes locais, que consomem enormes quantidades de motos de baixa cilindrada, usadas impiedosamente e que por isso precisam de robustez. Já as linhas esportivas são baseadas e inspiradas no modelo VFR 1200, porém a moto é considerada uma touring, apesar da designação CBR, que identifica as superesportivas da marca.
A carenagem é inspirada nos modelos maiores da marca - A carenagem é inspirada nos modelos maiores da marca


FÔLEGO Se desembarcar no Brasil, vai enfrentar a concorrência da nacionalizada Kawasaki Ninja 250, equipada com motor (também produzido na Tailândia) de dois cilindros paralelos, que fornece 33cv, e da Kasinski Comet GT-R 250, com tecnologia sul-coreana da Hyosung, equipada com um dois cilindros em V e 32,5cv. A nova CBR 250R, entretanto, conta opcionalmente com freios do tipo C-ABS (Combined ABS), que evita o travamento das rodas e distribui automaticamente a intensidade da frenagem entre as rodas, conforme a necessidade. Um equipamento até então só disponível em modelos maiores e mais sofisticados, pela primeira vez em uma 250cm³.

O freio dianteiro tem disco único de 296mm de diâmetro, enquanto o traseiro tem 220mm. O sistema C-ABS acrescenta 3,2kg ao peso da moto, que passa de 162,8kg para 166kg em ordem de marcha ou abastecida. Para atenuar a discreta obesidade, o banco fica a 784mm do solo, permitindo ao piloto colocar os dois pés no chão. A ergonomia também não exige malabarismos do condutor, como nas superesportivas puras, oferecendo mais conforto para também rodar utilitariamente nas cidades. Para tanto, o painel digital fornece todas as informações, inclusive o nível do combustível do tanque de 13 litros.


FAMÍLIA A Honda CBR 250R também sinaliza o nascimento de uma família, composta pela também nova CBR 125R, com a mesma filosofia, e reforça a tradição dos motores com cilindrada padrão (125, 250, 500, 750 e 1.000cm³), curiosamente desobedecida no Brasil com a linha de 300cm³. Aqui, para obedecer às rígidas normas de controle de emissões, regulamentadas pelo Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Similares (Promot), a Honda retirou de linha a Twister e a Tornado, ambas com motor de 250cm³, para substituir pelas CB 300 e XRE 300, com propulsor de 300cm³, que, de quebra, também substituiu a Falcon 400.

Portanto, um novo motor de 250cm³, para um segmento não explorado, não estaria descartado no Brasil. A suspensão dianteira é convencional, telescópica, com tubos de 37mm de diâmetro e 130mm de curso. A suspensão traseira é do tipo mono, com 104mm de curso. O quadro tem dupla trave, mas é de aço, diferentemente das primas maiores, que são de alumínio. Já as rodas, com aros de 17 polegadas, são como as das primas, em liga leve. O escape tem grandes dimensões e saída baixa pelo lado direito. A carenagem é integral e integrada ao grande farol assimétrico, como nos modelos maiores que serviram de inspiração.

Tags: moto

Veículos

Encontre seu veículo

Ultimas Notícias

ver todas

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação