Três letras, uma moto

Nova geração da Honda CB 500 chega ao Brasil este ano

A nova linha, com os modelos CBR 500R, CB 500F e CB 500X, chega modernizada no visual e na técnica, com regulagem na suspensão dianteira. Motor de dois cilindros é para todos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 08/06/2016 15:00 / atualizado em 10/06/2016 13:57 Téo Mascarenhas /Estado de Minas
Honda/Divulgação
Quando a Honda apresentou a nova linha CB 500 no Brasil, em 2013, composta dos modelos F, para uso urbano; R, mais esportiva; e X, do tipo aventureira, também estava resgatando a mística cilindrada que ficou esquecida por mais de uma década. A estratégia foi projetar um modelo que dividisse praticamente tudo, reduzindo os custos de produção, mas com três roupagens diferentes para atender a três segmentos distintos. A nova geração, com modernizações visuais e técnicas, chega ao mercado brasileiro quase simultaneamente ao lançamento mundial no segundo semestre.

Produzida em Manaus, a linha CB 500 tem compacto motor de dois cilindros em linha, com 471cm³ de cilindrada, refrigeração líquida e injeção eletrônica. São 48cv de potência a 8.500rpm e torque de 4,55kgfm a 7.000rpm. O mesmo propulsor equipa os três modelos, assim como o quadro em tubos de aço, do tipo diamond. As rodas de liga leve têm aros de 17 polegadas de diâmetro. Os freios, com disco único de 320mm de diâmetro na dianteira e 240mm na traseira, são equipados com ABS de série.

ESPORTIVA O modelo R tem um R a mais no nome para confirmar a orientação esportiva. A CBR 500R tem a roupagem mais agressiva, semelhante à superesportiva Fireblade (CBR 1000RR), com o conjunto de iluminação composto de duplo farol mais afilado e com luz de posição de LED. A carenagem também ganhou contornos mais vincados e a rabeta entradas de ar, como na prima mais esportiva. O tanque de combustível com nova tampa articulada teve a capacidade aumentada em 1 litro, passando para 16,7 litros.

Lado a lado, as Honda CB 500F, CB 500R e CB 500X - Honda/Divulgação Lado a lado, as Honda CB 500F, CB 500R e CB 500X
Outra medida para conferir visual mais esportivo e também ronco mais encorpado foi no sistema de escapamento, que está menor, e a ponteira tem desenho trapezoidal, conforme tendência mundial de estilo. Além disso, o manete de freio passa a ter cinco regulagens de altura. Na parte técnica, a suspensão dianteira, com tubos de 41 milímetros de diâmetro e 120mm de curso, ganhou regulagens na pré-carga. A suspensão traseira é do tipo mono, com 119 milímetros de curso. O painel é totalmente digital.

Honda CB 500F - Honda/Divulgação Honda CB 500F
AVENTUREIRA A versão F, CB 500F, é uma naked e também conta com as mesmas medidas de suspensão, tanque de combustível e escapamento, além do banco bipartido da R. Porém, o conjunto óptico tem farol único. Já o novo modelo X, CB 500X, de utilização mista, ganhou tanque ainda maior, com capacidade para 17,5 litros e nova decoração. A posição de pilotagem também é diferente, com guidão mais alto, e o para-brisa ganhou 100 milímetros na altura, aberturas para ventilação, além de dois níveis de regulagem mecânica.

Nova Honda CB 500X - Honda/Divulgação Nova Honda CB 500X
Outra modificação em relação às irmãs F e R está na suspensão dianteira. Como uma aventureira, o curso é mais longo para aguentar a buraqueira e tem 140mm, 20mm a mais, além de regulagens na pré-carga. Outra diferença é no escape, que continua mais longo, mas a curva junto ao motor tem proteção estilo limpa-trilhos. Outra característica única são os pneus de uso misto e o banco inteiriço em dois níveis e com maior altura em relação ao solo: 810mm, contra 785mm das irmãs. O restante do conjunto mecânico, rodas e freios são compartilhados.

Tags: brasil motocicleta honda CB 500X CB 500F CBR 500R Honda CB 500

Veículos

Encontre seu veículo

Ultimas Notícias

ver todas
18 de junho de 2018
11 de junho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação