Publicidade

Estado de Minas

Um modelo especial

Ferrari Michelloti Cupê é modelo único numa época em que tradição dos encarroçadores estava sendo esquecida


postado em 28/01/2007 19:34

Na grade, o imponente cavalinho; debaixo do capô, um V12 de 300 cv. De perfil, esportivo se destaca pela forma alongada e rodas raiadas(foto: Fotos: Chip Riegel/Christies/Divulgação)
Na grade, o imponente cavalinho; debaixo do capô, um V12 de 300 cv. De perfil, esportivo se destaca pela forma alongada e rodas raiadas (foto: Fotos: Chip Riegel/Christies/Divulgação)
Criada por Enzo Ferrari na década de 40 para financiar as competições da escuderia, a marca Ferrari começou produzindo carros de passeio sobre chassis de veículos de corrida. No início, a maioria dos modelos tinha a carroceria desenhada e produzida por encarroçadores como Vignale e Pininfarina. Mas à medida que a demanda crescia, ficava mais difícil a personalização dos modelos. Já nos anos 50, quase todos os carros saíam prontos da linha de montagem e, com os modelos 250GTE e 330GT dos anos 60, as carrocerias personalizadas foram praticamente abandonadas. Quando feitas, eram séries especiais, e, não, modelos únicos. Foi o caso da 500 Superfast e 365 California Spyder.

Mas um norte-americano impediu que a tradição morresse. O ex-piloto Luigi Cunetti era um dos maiores importadores da Ferrari nos Estados Unidos. Além de entusiasta, sabia da importância de manter a mística em torno dos carros do Cavalino. Por isso, foi responsável por quase todas as Ferrari com carrocerias especiais durante as décadas de 1960 e 1970.
A cor vermelha escura foi escolhida para realçar os detalhes cromados. Interior traz a marca da Michelloti: alto padrão de acabamento
A cor vermelha escura foi escolhida para realçar os detalhes cromados. Interior traz a marca da Michelloti: alto padrão de acabamento

A Ferrari Michelloti Cupê de 1967 é um exemplo dos trabalhos encomendados por Cunetti. Feita usando o chassis da 330GT Series II, é um modelo único, com motor V12 4.0 de 300 cv de potência. O corpo foi desenhado por Giovanni Michelloti. O designer de Turim trabalhava de forma singular. Formado pelo famoso estúdio Stabilimenti Farina, partiu para carreira solo após a 2ª Guerra Mundial. Em vez de ter uma oficina em que produzia as carrocerias, começou trabalhando apenas como estilista. As estamparias ficavam com a Ghia, Bertone e Vignale, para quem desenhava com mais freqüência. Seu modo de trabalho também permitiu que projetasse para marcas como BMW, Triumph, Lancia e Maserati.

Foi apenas na década de 1960 que Michelloti passou a ter a infra-estrutura para produzir seus próprios desenhos e logo ficou conhecido pelo alto padrão de acabamento dos seus veícu los. Quando morreu, em 1980, Michelloti já havia colaborado no projeto e fabricação de 1,2 mil carros.

O primeiro dono da Michelloti Cupê era do estado de Nova York, nos Estados Unidos. Originalmente e, o carro era azul metálico com interior em couro creme. O atual vermelho escuro foi aplicado numa cuidadosa restauração feita em 1987, pelo segundo proprietário. A cor foi escolhida para realçar os detalhes cromados. Em 1989, o cupê participou do concurso de Pebble Beach e ficou em segundo lugar. O prêmio mais recente foi em 2006, quando recebeu o título de Ferrari de Maior Destaque no concurso de elegância de Greenwich, no estado americano de Connecticut. O modelo também deu origem a uma réplica em escala 1/43 feita pela italiana BBR.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade