Publicidade

Estado de Minas

Para deleite dos americanos

Baseada no modelo Daytona, Ferrari GTC/4 foi produzida no início da década de 70 e fez sucesso nos Estados Unidos. Esportivo oferecia alto desempenho e muito conforto


postado em 31/03/2007 17:11

Cupê recebeu alguns elementos para se adequar à legislação de trânsito americana, como luzes de direção laterais e moldura de borracha contornando a grade(foto: Fotos: Jair Amaral/EM - 15/3/07)
Cupê recebeu alguns elementos para se adequar à legislação de trânsito americana, como luzes de direção laterais e moldura de borracha contornando a grade (foto: Fotos: Jair Amaral/EM - 15/3/07)
Quando a Ferrari apresentou o modelo 365 GTB/4 Daytona, em 1968, não imaginou que o esportivo faria tanto sucesso fora da Europa. E foi exatamente o que aconteceu. Mas, para conquistar os consumidores americanos, acostumados a carros grandes e confortáveis, a fábrica de Maranello sabia que seria preciso fazer algumas modificações. Dessa forma, nasceu a Ferrari 365 GTC/4, da qual foram produzidas apenas 500 unidades, entre 1971 e 1972.

Uma delas pertence a um colecionador de antigos, de Belo Horizonte, e mantém toda a sua originalidade. O cupê esportivo, de formas aerodinâmicas, usa o mesmo chassi da Ferrari Daytona, mas tem algumas diferenças em suas linhas. Desenhada pelo conceituado estúdio italiano Pininfarina, a 365 GTC/4 foi a sucessora dos modelos 330 GTC e 365 GTC. Comparada com a Daytona, a GTC/4 tem os mesmos faróis escamoteáveis, com o capô de linhas mais curvas.
Faróis duplos escamotáveis modificam a frente esportiva. Motor V12 de 340 cv tem carburadors aparentes.Na traseira, chamam a atenção as saídas duplas do escapamento. Acabamento interno é sofisticado, com camurça revestindo o painel
Faróis duplos escamotáveis modificam a frente esportiva. Motor V12 de 340 cv tem carburadors aparentes.Na traseira, chamam a atenção as saídas duplas do escapamento. Acabamento interno é sofisticado, com camurça revestindo o painel

A grade dianteira tem faróis de neblina e lanternas de seta embutidas, e traz, no centro, o cavalinho rampante, símbolo da marca. A grade é contornada por uma larga moldura de borracha, exigência da legislação de trânsito dos Estados Unidos, já que o modelo não tinha pára-choque. A Ferrari teve ainda que instalar luzes de posição laterais - amarelas na frente e vermelhas na traseira -, para atender as normas de trânsito americanas.

De quatro

A Ferrari 365 GTC/4 tem a traseira mais baixa, em relação à Daytona, e conta com lanternas triplas redondas e saídas duplas de escapamento. Outra diferença entre os dois modelos: a GTC/4 tem a distância entre-eixos 10 cm maior, o que resultou em aumento no espaço interno. A fábrica classificou o modelo como um cupê de quatro lugares, mas o banco traseiro leva, no máximo, duas crianças bem pequenas. Já o porta-malas é bem razoável, para um esportivo.

Constata-se que a 365 GTC/4 é um modelo mais sofisticado, devido a seu acabamento interno. O painel é revestido em camurça, e os confortáveis bancos, em couro azul. O console é alto e nele estão todos os comandos, bem ao alcance do motorista, inclusive os do ar-condicionado. O volante tem aro fino e três raios. No painel, ficam os mostradores de temperatura e pressão do óleo, amperímetro, temperatura da água, combustível e o velocímetro.

Motor

Quando se abre o capô desse cupê esportivo, o impacto é grande. O belo motor V12, de 4.390 cm³ de cilindrada, com os carburadores horizontais aparentes, impressiona. Ele gera 340 cv de potência, 12 cv a menos que a Daytona, mas não fica devendo nada. Veículos acelerou o belo automóvel na pista do Mega Space, em Santa Luzia, e a sensação foi das melhores. Com embreagem e direção hidráulicas, o modelo é mais confortável para se dirigir, mas mantém a esportividade. Faz curvas em alta velocidade com segurança, e o ronco do motor lembra o de muitos carros de competição.

As rodas raiadas, com os largos pneus 215/70 R15, eram opcionais para o modelo na época. O câmbio de cinco marchas é instalado junto ao motor, na dianteira, e proporciona trocas macias e precisas, para um esportivo. A Ferrari 365 GTC/4 chama a atenção pelos detalhes e tem valor, por ter sido produzida em pequena escala.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade