Publicidade

Estado de Minas

Bianco - Ficção científica

As linhas esportivas herdadas do Fúria deram ao modelo aspecto de nave espacial. Modelo era equipado com motor Volkswagen 1.6 que desenvolvia tímidos 65cv de potência


postado em 22/12/2009 14:35

(foto: Fotos Bianco/Divulgação)
(foto: Fotos Bianco/Divulgação)
O Bianco foi apresentado no Salão do Automóvel de 1976. Sua cara de superesportivo foi herdada do Fúria, um dos tantos modelos que o projetista italiano Toni Bianco criou para as pistas. A carroceria de plástico reforçada com fibra de vidro apresentava linhas aerodinâmicas e um enorme para-brisa. O modelo tinha um par de faróis duplos redondos na dianteira e nada menos que seis lanternas traseiras. Com apenas dois lugares, o esportivo era compacto: 3,8 metros de comprimento, 1,66m de largura, 1,16m de altura, 2,4m de entre-ixos e pesava 825kg.

Assim como vários outros esportivos nacionais, a mecânica e o chassi usados no Bianco eram da Volkswagen. O motor 1.6 litro refrigerado a ar tinha dois carburadores de corpo simples e rendia 65cv de potência e velocidade máxima próxima dos 150km/h. Para dar mais segurança, os freios dianteiros eram a disco. As rodas de magnésio eram de 13 polegadas. O interior era luxuoso, com bancos em couro sintético, rádio e relógio. O Bianco tinha o painel de instrumentos completo, com conta-giros, velocímetro, voltímetro, pressão e temperatura do óleo. O volante, a manopla do câmbio e a alavanca do freio de mão eram de madeira.

Veja mais fotos do Bianco e do Tarpan!

Em 1978, foi lançada uma segunda série do Bianco, com pequenas alterações estéticas: basicamente a transferência da entrada de ar do capô para as laterais, à frente da caixa de roda traseira. Por dentro, o painel recebeu novo desenho. A segurança também aumentou com cintos de segurança de três pontos.

Tarpan

O conversível Tarpan estreou em 1978, mas não foi projetado por Tony Bianco
O conversível Tarpan estreou em 1978, mas não foi projetado por Tony Bianco


Também naquele ano o fabricante lançou o Tarpan, que já não era projeto de Toni Bianco. Os faróis redondos atribuíam certa semelhança com outros esportivos clássicos. Nas laterais se destacavam as grandes tomadas de ar na frente da caixa de roda traseira. A traseira tinha as mesmas lanternas do Bianco. O Tarpan também era maior que seu irmão: 4,35 metros de comprimento. O motor usado foi o mesmo 1.6 refrigerado a ar. Esse modelo também podia ser encontrado com carroceria conversível. Em 1981, chegou ao mercado o Tarpan TS, com motor 1.6 refrigerado a água do Passat TS, com 88cv de potência. A fábrica fechou suas portas em meados da década de 1980.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade