Publicidade

Estado de Minas

Antigos do Brasil - Para o trabalho e o lazer

Sem fugir à regra de que os primeiros modelos a serem fabricados no Brasil tinham forte vocação para o trabalho, a Ford lançou em 1957 a picape F100, com seu motor V8


postado em 01/05/2010 21:32

É comum encontrar a picape com alguns toques mais atuais ou no estilo hot rod(foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A. Press)
É comum encontrar a picape com alguns toques mais atuais ou no estilo hot rod (foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A. Press)
A primeira experiência que a Ford teve no Brasil com veículos de passeio foi na década de 1920, quando montou por aqui primeiro o modelo T e depois o A. Mas o primeiro veículo de fato fabricado em território nacional que atendia às necessidades tanto para o trabalho quanto para o transporte de passageiros foi a picape média F100. O início de sua produção se deu em 1957. O modelo aproveitava o motor e a cabine do caminhão F600, que havia sido lançado naquele mesmo ano.

Era uma típica picape da época, com o capô alto e para-lama destacado da carroceria. Entre os faróis circulares, o modelo ostentava com orgulho na grade o emblema V8, referente a seu propulsor de oito cilindros em V, com 4.5 litros. Inicialmente, o motor era importado dos Estados Unidos, mas em 1959 foi nacionalizado.

Veja mais fotos da Ford F100!

Em 1962, o modelo passou por uma reestilização, ganhando linhas atualizadas. A carroceria incorporou os para-lamas, a caçamba ficou maior e a frente ganhou dois pares de faróis duplos. No ano seguinte, foi lançada uma versão cabine dupla, que trazia curiosas três portas, sendo a traseira localizada no lado direito e com abertura no sentido contrário ao convencional.

Três anos mais tarde, a frente do veículo ganhou ligeira alteração, com os faróis mais integrados à grade. Nessa época, a F100 era produzida em duas versões: uma voltada para o trabalho, chamada Rancheiro, e outra mais confortável e bem acabada, denominada Passeio. No ano seguinte, a versão 4x4 chegou para dar conta dos trabalhos mais pesados. Em 1968, o modelo passou por outra reestilização, novamente concentrada na dianteira do veículo: os para-lamas ficaram menos salientes e os faróis retangulares.

Modelo 1967 ainda está na ativa, confirmando a vocação para o trabalho do Rancheiro
Modelo 1967 ainda está na ativa, confirmando a vocação para o trabalho do Rancheiro


Mas em 1971 a F100 passou por uma reestilização mais abrangente, ganhando linhas mais retas, grade dividida ao meio e faróis circulares. Em 1976, o modelo passou a contar também com a opção do motor 2.3 litros de quatro cilindros. Em 1979, a picape entrou para a era diesel, com motor quatro cilindros de 3.9 litros, passando a se chamar F1000. Para poder usar o novo combustível, sua capacidade de carga foi ampliada para 1.050kg.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade