Publicidade

Estado de Minas

Antigos do Brasil - Requinte nacional

Aero Willys foi o primeiro sedã grande da marca lançado em 1960, sendo reestilizado dois anos depois e o modelo de luxo Itamaraty chegou em 1966. Saíram de linha em 1971


postado em 21/05/2010 22:17

(foto: Arquivo EM/D.A. Press)
(foto: Arquivo EM/D.A. Press)
O começo da Willys no Brasil foi marcado pela produção de veículos utilitários, como o Jeep Universal e a perua Rural. Depois foi lançado o Dauphine, seu primeiro automóvel graças a um contrato com a Renault. O próximo passo viria em 1960, com a chegada do Aero Willys, um sedã de quatro portas com proporções generosas. O modelo tinha excelente espaço interno, com capacidade para até seis pessoas, e porta-malas enorme. O motor de seis cilindros e 2.6 litros era o mesmo usado no Jeep Universal. Com câmbio de três marchas, sendo a primeira não sincronizada, o modelo alcançava 90cv de potência e atingia a velocidade máxima de 120km/h. Além de grande, o sedã era pesado, 1.440kg.

Veja mais fotos do Aero Willys!

Em 1962, o Aero Willys passou pelo primeiro face-lift, que conferiu mais personalidade brasileira ao modelo, com novo interior, rodas, calotas e frisos. Mas esses retoques não duraram muito tempo porque ainda no fim daquele ano foi lançado o Aero Willys 2.600. O veículo foi totalmente redesenhado, passando a predominar as linhas retas, que podiam ser traduzidas como um design mais moderno. O propulsor também passou por melhorias e agora trazia dois carburadores e novos coletores de admissão que conferiram mais potência, 110cv. Mas o câmbio continuava o mesmo.

Os projetistas da Willys não gostavam de rotina e, já em 1965, apresentaram a reestilização do modelo com ênfase na traseira, que foi alongada, ganhando esportividade. Mas os retoques também alcançaram a frente e o painel do veículo. O câmbio agora era de quatro marchas (sincronizadas), que levavam o Aero aos 140km/h.

TRAJE DE GALA
No ano seguinte, a Willys apresentou o Itamaraty, modelo de luxo feito sob a mesma estrutura e mecânica do primo pobre. As diferenças eram pequenas. O Itamaraty ostentava outra grade, faroletes amarelos e lanternas horizontais. O interior era requintado, com estofamento de couro e painel de jacarandá. Em 1967, o Aero ganha novas lanternas traseiras e o Itamaraty grade com faroletes retangulares e lanternas mais longas. Mas o que mais marcou aquele ano foi a chegada do Itamaraty Executivo, uma limusine com 5,52m de comprimento (confira a galeria abaixo).

Confira a galeria do Willys Itamaraty Executivo!

Na limusine, o espaço dos passageiros tinha dois bancos separados por um console central. O propulsor agora era de seis cilindros e 3.0 litros, com carburador de corpo duplo, que rendiam 132cv e máxima de 142km/h. Foi nesse ano que a Ford assumiu o controle da Willys e lançou o Galaxie, que competiria internamente com a linha Aero. Dois anos depois os modelos receberam motores mais potentes, 130cv para o Aero e 140cv para o Itamaraty. Em 1971, a Ford deixou de produzir os modelos.

O Itamaraty Executivo, uma limusine de 5,52 m de comprimento, lançado em 1967(foto: Eduardo Rocha/RR - 30/4/03)
O Itamaraty Executivo, uma limusine de 5,52 m de comprimento, lançado em 1967 (foto: Eduardo Rocha/RR - 30/4/03)



Leia as outras matérias da série Antigos do Brasil

Willys Rural - Rural urbana.

Renault Dauphine - As desventuras do Leite Glória.

VW Fusca - O queridinho do Brasil.

Ford F-100 - Para o trabalho e o lazer.

Chevrolet Brasil/Amazona – Linha diversificada.

DKW Candango - A vida curta de um batalhador.

Jeep Willys - Da batalha para o sertão.

DKW Belcar - Um sedã de belas formas.

VW Kombi - Heroína da resistência.

DKW F-91 - Simpática perua.

Romi-Isetta - Carro, moto ou geladeira?.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade